25ª Feira do Vinho do Dão.Produtores avaliam muito positivamente contactos comerciais efetuados

This slideshow requires JavaScript.

Tardes de Verão muito quentes e noites mais frescas. Esta é sem dúvida uma para as peculiaridades da região do Dão que torna os seus vinhos distintos e únicos. Foi precisamente este abençoado clima, já a caminho do fim do Verão, que trouxe dezenas de milhares de visitantes ao grande evento dedicado a tão nobre produto : a 25ª Feira do Vinho do Dão. E se de nobreza falamos, na reportagem que efetuámos no final do certame, em jeito de balanço do mesmo, temos que começar pelo produtor Boas Quintas de Nuno Cancela de Abreu. Esta terá sido, seguramente, uma das grandes revelações da Feira, com diversos vinhos novos em prova, entre os quais o primeiro Dão Nobre da história do Dão (vinho classificado pela câmara de provadores da CVR Dão, acima de 90 pontos). O néctar verdadeiramente “premium” é o Fonte do Ouro Branco de 2015, tendo sido muito procurado, pois só foi lançado no mercado em Maio deste ano e está a suscitar muita curiosidade. Este produtor veio a Nelas mostrar-se, depois de vários anos de ausência e o impacto não poderia ter sido melhor. “O público, muito interessado, veio em massa para constatar e confirmar a grande diferença que há entre produtores no Dão, cada um com as caraterísticas, com grande qualidade”, disseram ao nosso jornal Rita Mendes e Sofia Roquete, responsáveis na empresa pela produção e comunicação,salientando que “muitos estrangeiros estão finalmente a aperceber-se da especificidade do Dão face às regiões Portuguesas mais conhecidas – Douro e Alentejo -, e ficam fascinados”. Citando como exemplo “um casal de Belgas, que provou os nossos vinhos, e está há três semanas a fazer um roteiro pela região”, a avaliação que fazem da feira e da sua importância, é a melhor. “Tivemos muito bons resultados, com contactos muito importantes e iremos marcar presença nas próximas edições”, concluiram.

Por seu turno, a Quinta do Sobral, produtor de Santar, que tem a mais jovem provadora (Maria Simões, com apenas oito anos e sentidos muito apurados), mostrou-se “muito satisfeito” com os contactos efetuados, assim como com a organização do certame, que classificou de “muito boa”, como nos referiu Cristina Simões.Outro produtor de Santar – Fidalgas de Santar -,  apresentou o seu novo Grande Reserva 2012 : um néctar que foi muito apreciado, num caminho ascendente que tem sido trilhado pela marca, com vinhos de grande caráter e elegância. João Rego é também apologista desta forma de organizar a Feira, claramente “mais voltada para os amantes do vinho em geral, e do Dão em particular”. Os seus vinhos ainda serviram (em conjunto com a Quinta de Cabriz) para confecionar uma das grande novidades da Feira : gelados com aromas e sabores vínicos, servidos pelo Lounge e Gelataria 4 Esquinas, sem dúvida um dos espaços mais concorridos do evento. E o êxito não poderia ter sido maior. Jorge Machado confirmou isso mesmo ao nosso jornal, afirmando que “esta feira superou as nossas melhores expectativas”.

Vinhos também muito elogiados foram os do produtor de Tondela Quintas de Syrlin, que apresentou alguns blend´s que se diferenciam pela combinação de castas, como os magníficos Jaen/Aragonês e Jaen/Alfrocheiro, alguns deles provenientes de vinhas velhas, com cerca de 20 anos. Os Brancos denotam grande frescura e equilíbrio, com algumas castas que se distinguem das autóctones da região, como o Fernão Pires e Síria, também algumas oriundas de vinhas velhas. A presença na Feira é “muito importante” para o produtor, ao trazer maior visibilidade aos seus vinhos, com muitos enófilos e potenciais clientes, da hotelaria e distribuição, por exemplo “não só da região, mas também um pouco de todo o país e estrangeiros”, referiu ao nosso jornal a proprietária Maria do Rosário. Este perfil de visitantes, interessados em conhecer os vinhos para posterior escolha e compra, “tem claramente aumentado nestes três anos de feira e esta foi sem dúvida a que tivemos mais resultados e notámos maior afluência, designadamente no Domingo, que costuma ser mais fraco”. Enaltecendo também o espetáculo musical, Maria do Rosário fez-nos assim um balanço altamente positivo da sua participação nesta 25ª Feira do Vinho do Dão.

Por último a Quinta da Mariposa, propriedade da jovem empreendedora Lúcia Freitas, situada em Oliveira do Conde, foi outra das boas novidades do certame. A enóloga teve em prova os seus primeiros vinhos no mercado, provenientes de uma quinta que pertencia ao seu avô. Aprovação total para estes néctares por parte do público, augurando um excelente futuro no mercado.