Tomada de Posse de Marcelo Rebelo de Sousa. Borges da Silva marca presença em Lisboa

Tendo respondido afirmativamente ao convite que lhe foi formulado diretamente pelo recém eleito Presidente da República, de forma personalizada,o Presidente da Câmara Municipal de Nelas vai estar presente na cerimónia de tomada de posse, que promete ser muito original e recheada de motivos de interesse, ainda que com custos muito abaixo do normal, como se pode ler hoje numa apresentação que a RTP on line faz do evento :

Vão ser doze horas sem parar, numa tomada de posse “low cost”. Sem banquetes de Estado em Queluz, sem convites oficiais e institucionais. Mas, ninguém pense que a tomada de posse de Marcelo Rebelo de Sousa vai ser tradicional.

Bem pelo contrário. De manhã, manda o protocolo. O dia começa na Assembleia da República. É o momento solene da cerimónia do juramento. Marcelo Rebelo de Sousa vai chegar às 09h35. Entra em São Bento como presidente eleito. Depois de jurar a Constituição, sai como 20º Presidente da República Portuguesa.

De São Bento, o novo presidente vai para o Mosteiro dos Jerónimos. Todos os presidentes que tomaram possam deslocaram-se aqui para depositar uma coroa de flores junto ao túmulo de Luís de Camões.

Desta vez, o novo presidente decidiu, também, depositar flores junto ao túmulo de Vasco da Gama. A razão estará relacionada com a importância que Marcelo quer dar no seu mandato a Comunidade de Países de Língua Portuguesa.

À hora de almoço, Marcelo Rebelo de Sousa entra pela primeira vez no Palácio de Belém enquanto Presidente da República. À mesa estarão várias personalidades. Garantidos, no almoço, estão os presidentes dos tribunais superiores.

À tarde, as atenções voltam-se para a Mesquita Central de Lisboa. Trata-se de uma iniciativa inédita. Um encontro inter-religioso, que tem como objetivo promover a aproximação entre culturas e religiões. 

A celebração ecuménica conta com a participação de muçulmanos e de cristãos católicos, como Marcelo, evangélicos e adventistas, judeus e budistas. Ao todo, devem estar representadas cerca de duas dezenas de Igrejas.

Da Mesquita de Lisboa para o Palácio da Ajuda. Às seis da tarde, Marcelo Rebelo de Sousa condecora Cavaco Silva. Foi assim com todos os ex-presidentes. Recebem do sucessor o Grande-Colar da Ordem da Liberdade.

Cumpridas as tradições, que comece a festa. O Largo do Município já está reservado. A partir das oito da noite, a tomada de posse salta os muros de palácios e salões e viva a música popular: José Cid, Paulo de Carvalho, Pedro Abrunhosa, Anselmo Ralph, Diogo Piçarra, HMB e Mariza são alguns dos nomes já confirmados. Mas, o cartaz ainda não está fechado.

A ideia é tornar o dia da posse do presidente numa celebração aberta a todos e apelativa para os jovens.

Dia 9 de março promete ficar na história.

Mais não seja pela forma original como começa o mandato de Marcelo Rebelo de Sousa em Belém.