Caldas da Felgueira : AZU promoveu sessão pública sobre a defesa do meio ambiente

A propósito da poluição que afeta a ribeira da Pantanha e a ribeira de Travassos, a jornada em defesa do ambiente e património organizada pela AZU, realizada no passado dia 20 de fevereiro, culminou, pelas 18h:30min, numa sessão pública na Escola Primária das Caldas da Felgueira.
Para além de membros e consultores da AZU, esteve presente o Deputado do BE e Presidente da Comissão Parlamentar do Ambiente, Ordenamento do Território e Poder Local, Pedro Soares, Presidente Executivo da Borgstena Têxtil Portugal, Jorge Machado e  Vice Presidente da Câmara de Nelas, Alexandre Borges.
Saliente-se ainda a presença significativa da população e de diversos agentes económicos e políticos locais.
Na sua intervenção inicial, António Minhoto (Presidente da AZU), depois de informar os presentes sobre a jornada de defesa do ambiente de Nelas realizada nesse dia, fez um enquadramento dos impactos ambientais que se têm verificado na ribeira da Pantanha e noutras linhas de água, caso da Ribeira de Travassos em Beijós.
Relativamente às causas e soluções deste problema foram relatadas sucintamente as diligências da AZU junto da Câmara Municipal de Nelas, da empresa Borgstena, da Agência Portuguesa do Ambiente e de outras entidades públicas. A este propósito, tem merecido particular atenção o “dossier” da construção de uma nova Estação de Tratamento de Águas Residuais Urbanas (ETAR) que sirva águas residuais domésticas de parte do Concelho e efluentes industriais pré-tratados da Zona Industrial do Chão do Pisco. Processo que tem sido sucessivamente protelado.
Jorge Machado, referiu o empenho pessoal e da Borgstena em minimizar os problemas associados aos níveis de poluição da água residual industrial que é descarregada no coletor municipal, prometendo tudo ser feito para que a aparência e qualidade da água da ribeira da Pantanha estejam em condições na época termal que se aproxima.
Foram já realizadas diversas intervenções de prevenção na fábrica visando a diminuição da concentração de poluentes (atualmente já inferiores aos níveis exigidos pela licença de descarga da C.M. de Nelas). Como plano de contingência de curto prazo foram instalados dispositivos injetores de agentes anti-espumas e anti-odores diretamente na ribeira da Pantanha. Até maio o sistema de pré-tratamento de águas residuais industriais da Borgstena estará significativamente otimizado e ampliado, acautelando inclusive a futura expansão da produção instalada que se perspetiva a breve prazo.
Pedro Soares, que se mostrou muito agradado com o modo como decorreram as jornadas de defesa do ambiente, referiu ter tomado nota das diversas problemáticas que encontrou, prometendo efetuar todas as diligências possíveis para contribuir para a sua solução no quadro das competências políticas parlamentares que lhe estão atribuídas.
Pedro Soares destacou as condições ambientais e recursos endógenos impares do Concelho, mormente das Caldas da Felgueira, intrinsecamente associados aos recursos hídricos, que importa preservar e potenciar social e economicamente. Nas jornadas realizadas constatou o grande interesse dos agentes envolvidos, nomeadamente, associação de defesa do ambiente, câmara municipal, empresas e população local.
Na sessão foram ainda realizadas diversas intervenções e pedidos de esclarecimento pelo público, incluindo representantes de empresas e autarcas locais, entre os quais o Presidente da Junta de Freguesia de Beijós, Carlos Batista
Ficou claro nesta sessão pública que este problema ambiental, que afeta gravemente os recursos hídricos superficiais do concelho de Nelas, só será totalmente mitigado com a construção, finalmente, de uma ETAR municipal. Esta deve merecer uma conceção/dimensionamento adequado à entrada de efluentes industriais, devendo ainda a Câmara de Nelas encontrar boas soluções para a descarga de águas residuais no meio hídrico, por exemplo a sua descarga diretamente do rio Mondego como foi proposto pela AZU e não em pequenas linhas de água sem grande poder de diluição para um efluente que ultrapassa os 14 000 habitantes equivalentes, podendo nesse caso vir a afectar a Ribeira de Travassos em Beijós.
Ficou ainda reforçado o “aviso” à Câmara de Nelas para que, após os atrasos que se têm verificado, todos os procedimentos de conceção, projeto, concurso público, financiamento comunitário, licenciamento, construção, etc. decorram celeremente e, efetivamente, a nova ETAR arranque impreterivelmente a sua operação no segundo semestre de 2017.

Como sempre, a AZU – do lado das soluções, em prol da defesa do ambiente, da população e do concelho de Nelas – estará atenta e interventiva neste processo!

A Direção da AZU