Autarcas da região Centro defenderam hoje em Mortágua a requalificação da linha da Beira Alta

A Direção da CIM Região de Coimbra, os Presidentes e Vereadores em representação de todos os Municípios que compõe esta Comunidade Intermunicipal, o Presidente e o Vice-presidente da CIM Beiras e Serra da Estrela, os Presidentes dos Municípios de Carregal do Sal, Guarda, Nelas e Santa Comba Dão, bem como representantes das Associações Empresariais da Bairrada e Aguieira, Cantanhede, Figueira da Foz e Lousã, acompanhados pela Comunicação Social, participaram esta manhã na ação pública de divulgação da posição da CIM RC sobre a requalificação da ferrovia na região Centro, em particular da Linha da Beira Alta.
Na Estação Ferroviária de Mortágua, local escolhido para a conferência de Imprensa, o presidente da Câmara Municipal de Mortágua, Júlio Norte, anfitrião da iniciativa, deu as boas vindas a autarcas, empresários e jornalistas, antes de considerar urgente a requalificação da Linha da Beira Alta que neste momento “não responde às necessidades e desafios da região e do país, quer em termos de transporte de mercadorias quer de passageiros”.
“Precisamos de uma Linha da Beira Alta que sirva a economia da região e o desenvolvimento do interior do país, que seja um fator de promoção de maior competitividade da região, de crescimento das empresas instaladas e atração de novos projetos, e por essa via, de criação de emprego e fixação de pessoas”, sublinhou.
Por seu turno, o presidente da CIM Região de Coimbra, João Ataíde, afirmou “o aumento da competitividade da nossa região, tendo, também, enormes correlações com o tecido sócio económico local, regional e nacional”. depende da modernização da Linha da beira Alta, lembrando que a solução encontrada (e que está contemplada no Plano Nacional de Transportes PETI3+) prevê intervir em mais de metade da linha da Beira Alta, entre a Pampilhosa e Vilar Formoso.
“O projeto prevê a construção de variantes e de troços duplos que aumentam a sua capacidade e velocidade a acima de tudo contribuem para a capacidade exportadora da região”, disse.
Segundo João Ataíde, a modernização da Linha da Beira Alta representa “uma abordagem mais económica e eficaz, aproveitando a infraestrutura existente permitindo desta forma um maior, e mais eficiente, escoamento de mercadorias para a Europa, onde estamos e onde queremos estar cada vez mais competitivos e, ao mesmo tempo, deixando um legado promissor, no domínio das infraestruturas, para as novas gerações”.
CIM Região de Coimbra