Relatório definitivo da Inspeção Geral de Finanças aponta para “suscetibilidade de responsabilidade financeira sancionatória” para

No passado dia 22 de dezembro de 2015, a Assembleia Municipal tomou conhecimento do Despacho de concordância do Senhor Secretário de Estado Adjunto e do Orçamento proferido em 21 de setembro de 2015, nos termos do qual o mesmo concorda com as conclusões do controlo do endividamento municipal realizado pela IGF, referente aos anos do mandato anterior (2010-2013).
Como principais conclusões do referido Relatório da IGE consideraram-se a falta de fiabilidade da informação relativa ao passivo exigível e aos compromissos de exercícios futuros, sendo o empolamento elevado e sistemático, entre 2010/2013, o que possibilitava e potenciava, de forma artificial, a realização e/ou existência de elevados montantes de despesa para o pagamento dos quais não havia disponibilidades financeiras (respectivamente M€ 3,9 e M€ 1,2).
Desta forma, conclui-se que foi violado o princípio do equilíbrio orçamental em sentido substancial, o que espelha uma gestão orçamental desequilibrada, entre o período de 2010/2013. 
A dívida do Município aumentou imenso no mesmo período, evidenciando, no final do último ano, um nível materialmente relevante (M€ 14,8) e desadequado face ao quadro financeiro da Câmara de Nelas.

Não obstante o recurso anterior ao Programa de Regularização Extraordinária de Dívidas do Estado (PREDE) e a um Plano de Saneamento Financeiro (PSF), o Município manteve entre 2010 e 2013, uma situação financeira a curto prazo negativa e desequilibrada.
No final de 2012, houve incumprimento dos objetivos dos planos de consolidação e recuperação financeira de 2009 e 2010 (PREDE e PSF).
O Município de Nelas violou o limite especial de endividamento líquido de 2012 (mas cumpriu, durante esse exercício, a obrigação de redução de 10% do excesso inicial) situação que é suscetível de gerar responsabilidade financeira sancionatória.
Estas são as principais conclusões da IGF, homologadas ainda pelo Governo PSD-CDS e que levaram a que, no início do atual mandato, a dívida total da Câmara ultrapassasse os 16 milhões de euros, valor que incluía o montante de 14,5 milhões de euros de empréstimos de médio e longo prazo, sendo que deste valor no atual mandato já foram pagos mais 5 milhões de euros, cumprindo a Câmara integralmente, desde então, o Plano de Ajustamento Financeiro, que um Processo de Reequilíbrio Financeiro aprovado no Final de 2012 a passou obrigar.
CM de Nelas