Mais de 30% das habitações no concelho de Nelas podem ter níveis de radão acima do recomendado

O tema do radão já faz parte do quotidiano dos habitantes de Canas de Senhorim e Nelas, mas habitualmente ligado aos ex-mineiros das minas de urânio e às casas contaminadas na Urgeiriça. 
Mas o que algumas Universidades, Jornais e Televisões e agora também a Lusoradon, empresa especializada na medição e mitigação de radão, sediada em Viseu, têm tentado transmitir aos portugueses, é que o radão é um problema muito mais vasto do que a maior parte das pessoas imagina. Uma larga percentagem do território português, com solos graníticos, tem um risco muito elevado de altas concentrações de radão nas casas. De facto, de acordo com alguns dos estudos já efectuados e publicados, em alguns concelhos do distrito de Viseu, como Nelas e do distrito da Guarda, foram medidos níveis de radão acima do recomendado em mais de 30% das habitações alvo do estudo. Estes dois distritos são as zonas do país com concentrações médias de radão nos edifícios, mais elevadas.
Isto acontece porque os solos granitos que caracterizam estes distritos, têm naturalmente uma percentagem mais elevada de urânio, que por sua vez decai em radão, um gás altamente cancerígeno que escapa dos solos e tende a concentrar-se nas nossas casas e edifícios, sejam construções novas ou antigas, feitas em pedra, em betão ou em tijolo. O maior estudo efetuado até agora na Europa, revela que por cada 100Bq/m3 de radão extra, a que uma pessoa está exposta, aumenta a probabilidade de cancro do pulmão em 16%, sendo a causa de cerca de 9% dos cancros do pulmão e 2% de todos os cancros. É ainda considerada a 2ª causa de cancro do pulmão e a 1ª causa para os não-fumadores.
As autoridades dos países ocidentais e as suas legislações, tal como a portuguesa, recomendam a medição de radão, nas regiões de risco, tal como já fizeram milhões de pessoas nos EUA e na Europa. Esta é a única forma de se saber se uma casa ou edifício está em risco, pois o radão é invisível, incolor e inodoro. A medição de radão é simples, confidencial e tem custos reduzidos.
Quando num edifício são detectados níveis de radão acima dos máximos recomendáveis, que em Portugal são 400Bq/m3 para edifícios existentes, podem ser instalados sistemas de redução de radão, também chamados de sistemas de mitigação de radão, que funcionam e não são demasiado caros. Em alguns países da Europa e EUA, Já existem milhões de casas e edifícios com sistemas de mitigação de radão instalados, como os que a Lusoradon instala. 

Novas construções em regiões de maior risco, podem ser já feitas com sistemas construtivos resistentes ao radão de raíz, reduzindo os níveis de radão com menos custos e gastos energéticos. Estes sistemas de mitigação de radão, em novos edifícios, são já obrigatórios em regiões graníticas em alguns países da Europa. Saiba com a Lusoradon como pode dotar a sua construção destes sistemas.
Bruno Nogueira

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies