Conceituada Soprano, Sofia de Castro, e Cantora Yola Dinis são atrações da Feira do Vinho

Sofia de Castro, a talentosa soprano (e não só) que nos emociona.
Natural de Lisboa, Sofia de Castro terminou em 2004 o curso de canto da Escola de Música do Conservatório Nacional na classe do professor José Manuel Araújo. Frequentou ainda a Internationale Sommerakademie na Universidade Mozarteum (Salzburgo) com o profº Rudolph Knoll, uma masterclass com Sarah Walker e um curso de canto organizado pelo Festival de Ópera de Avenches (Suiça) com o maestro Nicola Giusti. Em 2015 completou com Distinction o Advanced Trinity College London Musical Theatre Performance Diploma. O seu reportório apresentado mais relevante inclui Belinda, Papaguena e Primeira Dama, Condessa de Ceprano e Pagem, Bianca e Gabriela (TNSC 2012), Emma (Los Gavilanes – Guerrero) (TNSC 2012), Nella (Orquestra do Norte 2012), Serpina, Annina (ON 2013), Vitória (Ópera do Malandro) e Frasquita (ON 2014). Foi reforço do coro do Teatro Nacional de S. Carlos em 2004/2005. Representou o templo Kiyomizu-dera na gala televisiva de apresentação dos candidatos às 7 Maravilhas, com um excerto da ópera “Madama Butterfly” (Puccini), sob direcção de António Leal e Filipe La Féria. A convite do Instituto Camões, cantou num Concerto de Beneficiência no Centro Cultural Português da Embaixada de Portugal em Bissau (Guiné), acompanhada pelo guitarrista e compositor Silvestre Fonseca, com quem continua a actuar em concerto regularmente, sendo de salientar a estreia mundial das obras “Ave Maria” (composta pelo guitarrista em sua dedicatória) para soprano, guitarra, coro e orquestra de Silvestre Fonseca e “Agoas Livres”, de homenagem ao aqueduto do mesmo nome. Integrou o elenco do musical “O Quadro”, de Matilde Trocado. Gravou um projecto discográfico de música erudita, standards e Musicais com o guitarrista Silvestre Fonseca e um projecto discográfico de Natal com o mesmo artista. Actuou como cantora e actriz na primeira edição do espectáculo “As Músicas que os Vinhos Dão”, de António Leal. Em 2011 abriu a escola de Musicais Primeiro Acto e em 2015, na direcção do Estúdio de Teatro Musical da mesma, dirigiu musicalmente e encenou o espectáculo “The Rocky Horror Show”.
Nasceu a 13 de Setembro de 1979 na Cidade de Coimbra, sendo criada numa pequena aldeia do distrito (em Enxofães).
Desde muito cedo mostrou a sua vocação para as artes. Com 6 anos de idade teve a sua primeira experiência de palco acompanhando o seu pai e a partir daí a música e o espetáculo foram uma constante na sua vida.
Aos 16 anos Yola já tinha o seu espetáculo de fado e canção ligeira atuando pelo país e estrangeiro (Holanda, França, Espanha, Itália e Luxemburgo)
Ainda com 16 anos participa pela primeira vez no concurso “Chuva de Estrelas” imitando “Maria da Fé” com “Cantarei até que a voz me doa”, passando à semi-final, voltando a participar 3 anos mais tarde apurando-se para a final no Coliseu dos Recreios com a imitação de Dulce Pontes na Canção do Mar.
No teatro participa nos musicais de Filipe La Feria Amália, My Fair Lady e a Menina do Mar.
Torna-se em 2001 artista residente da Casa de Fados Luso.
Em 2008 grava o seu 1º CD; Cerejas e Jasmins, encontrando-se de momento a preparar o seu segundo trabalho.
Em 2013 foi artista convidada no festival Caixa Alfama.
Em 2015 participa no Festival RTP da canção com o tema “Outra Vez Primavera” da autoria de Nuno Feist e Nuno Marques da Silva tendo recebido 8 prémios incluindo os de melhor interpretação, melhor performance, melhor instrumental, melhor canção e melhor música.
Yola Dinis veio ainda a ser eleita para representar a OGAE Portugal no concurso Second Chance 2015 da OGAE International com a canção “Outra Vez Primavera” .
Encontra-se neste momento a preparar o seu 2º trabalho que deverá ser editado no final do
ano de 2015.
Tem sido uma presença regular em diversos espetáculos no país e no estrangeiro e tornou-se uma voz de referência no mundo do Fado pela sua forma e atitude tão próprias de cantar e sentir a canção nacional.
Cantar o Fado é, para si, uma forma de viver e sentir a alma de um Povo.
Volta a trabalhar, 11 anos depois de “A menina do Mar”, com António Leal no “As músicas que os vinhos Dão”.