Situação dos fogos em Mangualde é dramática. Chamas incontroláveis atingem mais duas aldeias

Piorou a situação em Mangualde. O fogo não dá tréguas e alastrou-se a mais duas aldeias. Vivem-se momentos de aflição em Cunha Alta e Almeidinha. “A situação está muito complicada”, relata ao Expresso o presidente da Câmara João Azevedo que se mantém

na linha da frente no auxílio ao combate às chamas. O relógio marca as 20h50. “Os operacionais estão a entrar em casa com pessoas de férias”, adianta a partir do local. O objetivo é abrir, colocar no interior meios e poder salvar as habitações.

“Há muitas frentes de fogo. É o jogo do ‘rato e do gato’. Apaga-se de um lado, acende-se noutro.” Foram as declarações ofegantes as do presidente da Câmara de Mangualde, João Azevedo, ao Expresso, a meio da tarde quando combatia as chamas num grupo de 30 populares. Mas muitos outros se têm juntado no auxílio aos operacionais no terreno.”Já ardeu uma casa”, conta ao Expresso João Azevedo. Não há vítimas, uma vez que na habitação não se encontrava ninguém. “Vive-se um inferno”, desabafa. Pelo menos 150 habitações já estiveram em perigo e as chamas já alastraram a zonas do concelho que se julgava ser impossível o fogo lá chegar, porque “são muito distantes dos locais em que tiveram início”, sublinha.

Expresso on line

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies