CARDOP valoriza os recursos genéticos do território DOP do Queijo Serra da Estrela e já plantou mais de 5 mil cardos

O CARDOP é um projeto técnico-científico que valoriza os recursos genéticos, paisagísticos, culturais e humanos, endógenos de todo o território DOP do queijo Serra da Estrela. O pretérito dia 3 de junho assinalou o culminar de mais uma fase, com a instalação de cinco campos de recursos genéticos, perfazendo um total de mais de 5.000 plantas de cardo na região de denominação de origem do queijo Serra da Estrela. 
O último campo de recursos genéticos foi integrado no espaço nobre dos jardins da Casa da Ínsua, revelando a importância que hoje a componente agrícola da casa atribui a esta espécie e que se traduz na mais-valia da qualidade do queijo Serra da Estrela produzido. A plantação realizada neste espaço contou com colaboração de alunos da Escola Superior Agrária de Viseu (ESAV), formandos da APPACDM e reclusos do Estabelecimento Prisional do Campo, que constituíram uma equipa com uma motivação e capacidade técnica notáveis. Este projeto conta ainda com a colaboração de outras instituições de referência na região, como a Escola Superior Agrária do IPV, Universidade Católica – Centro Regional das Beiras, ANCOSE – Associação Nacional de Produtores de Ovinos Serra da Estrela, Casa da Ínsua, Queijaria de Germil, Queijaria Lameiras, Confraria do Queijo Serra da Estrela, APPACDM (Viseu), Estabelecimento Prisional do Campo e UC Biotech. 
O CARDOP tem vindo a desenvolver um conjunto de ações de cariz técnico-científico, no sentido de contribuir para a promoção e valorização de um ícone do mundo rural, o queijo “Serra da Estrela”, privilegiando uma das suas matérias-primas, a flor do cardo, que contém um coagulante vegetal imprescindível para a produção deste queijo DOP. 
Os promotores do CARDOP acreditam que o trabalho científico, sistemático, criativo e inovador, fruto da biodiversidade genética e bioquímica do cardo, da tipicidade das pastagens e paisagens, da excelência das raças autóctones de ovinos “Serra da Estrela” e do labor dos seus produtores, técnicos e colaboradores, tem-se vindo a traduzir em mais-valias para este setor que revela ainda um enorme potencial de valorização. 
Terminada esta fase de instalação de campos de recursos genéticos, que incluem o da ESAV, da Casa da Ínsua, de Vale Papas, do Estabelecimento Prisional do Campo e a ampliação do da ANCOSE, os promotores asseguram que nos próximos anos o projeto terá autonomia de produção de flor de cardo para seguramente 200.000 queijos Serra da Estrela DOP, o que representa um esforço notável de um trabalho que começa na seleção de sementes, estabelecimento de plantas e instalação em campo. 
O trabalho desenvolvido no âmbito do CARDOP pretende dar resposta aos anseios dos produtores para que o queijo Serra da Estrela DOP se constitua como a imagem da “Ruralidade” mais capaz e inovadora, marca de um vasto território, das suas paisagens, dos seus recursos genéticos animais e vegetais, das suas gentes, cultura e tradições, traduzido num número exclusivo de produtores que se pretende ajudar a inovar na tradição num mercado extremamente competitivo, marcando presença ao lado dos melhores produtos agroalimentares. 
A uma qualidade e cuidado na produção e apresentação, que representa toda uma geografia, junta-se a “Alma” dos seus criadores, um pouco à imagem do Care, Love and Soul, característicos da excecionalidade de poucas criações, entre as quais este ícone se tem que incluir.
* Artigo redigido ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Viseu, 9 de junho de 2015
Paulo Barracosa
Coordenador do projeto e docente da Escola Superior Agrária de Viseu – IPV
pbaracosa@esav.ipv.pt

1 comentário a "CARDOP valoriza os recursos genéticos do território DOP do Queijo Serra da Estrela e já plantou mais de 5 mil cardos"

  1. Obrigado Manuel Marques, por a associação que representa fazer parte deste projeto.

Os comentários estão fechados.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies