Os vinhos do Dão da colheita 2014 começam a espreitar… o que esperar?

Os vinhos de 2014 são fruto de um ano atípico, com temperaturas mais altas no inverno e mais amenas na primavera, com bastante chuva. Ainda assim, as videiras tiveram um desenvolvimento normal e uma boa maturação, embora a quantidade produzida tenha decrescido cerca de 20%.
Menor quantidade seria sinónimo de melhor qualidade, não fossem as chuvas de Setembro, já em plena vindima!

O Dão é uma das últimas regiões do país a ser vindimada, e é devido a esta maturação lenta, que os vinhos têm tanta fama: as uvas fixam melhor a acidez e os taninos, originando vinhos frescos, equilibrados e com um excelente potencial de envelhecimento. O senão é que na altura da vindima (normalmente em meados de Setembro, podendo ir até Outubro), a chuva é sempre um fator a ter em conta e determinante na qualidade dos vinhos produzidos.
Sendo assim, em 2014 os brancos foram de qualidade excecional, muito aromáticos, frescos e bastante minerais. Será com certeza um ano a recordar no futuro!
Quanto aos tintos, são de privilegiar as monocastas Jaen e Tinta Toriz, vindimadas antes das chuvas e os tintos de lote. Nos tintos de lote combinam-se as uvas mais frescas e aromáticas vindimadas inicialmente com as uvas mais concentradas e complexas do final, conseguindo-se assim vinhos equilibrados. Valha-nos a arte dos bons enólogos do Dão, que conseguem sempre adaptar-se à Natureza aproveitando o melhor de cada casta.
Só daqui a cerca de dois anos estes tintos mostrarão o que valem, mas para já deliciamo-nos com os brancos que estão absolutamente magníficos!

Lúcia Freitas – Enóloga

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies