Sobre o tratamento dos efluentes da Freguesia de Nelas e da Zona Empresarial do Chão do Pisco

Na sequência da posição ontem assumida pela Junta de Freguesia de Beijós, o presidente da Câmara Municipal de Nelas, fez chegar à nossa redação uma nota de imprensa, onde esclarece a situação do encaminhamento atual dos efluentes industriais da Borgstena, que considera “a melhor solução transitória, e até que a nova Etar de Nelas esteja em funcionamento”, ou seja “continuar a utilizar a  Ribeira da Pantanha, no curso da qual as águas há muito que não têm o aproveitamento agricola que se tira nomeadamente em Beijós, devendo a Borgstena melhorar o funcionamento da sua Etar”.
NOTA DE IMPRENSA  :
A atual gestão da Câmara de Nelas reafirma que tudo tem feito para solucionar o mais rapidamente possível o grave problema da falta de tratamento dos efluentes domésticos e industriais que há muitos anos são lançados sem o cuidado devido nos cursos de água, seja na Ribeira da Pantanha, seja na Ribeira de Travassos, afluentes dos rios Mondego e Dão.
Nesse sentido manteve o funcionamento das Etars de Folhadal Sul e Urgeiriça – que  recebeu em 2012 e que serviam menos de 1000 habitantes dos 14 mil que existem no Município de Nelas – e colocou em funcionamento regular a Etar das Caldas da Felgueira, de Moreira de Baixo, e retomou o funcionamento possível  minimizando o impacto ambiental das saídas das Etars de Nelas I e II., estas  há décadas sem funcionarem.
Tem além disso, e apenas ano e meio depois, a Câmara  já em construção uma nova Etar em Canas de Senhorim que tratará o saneamento proveniente de mais de 3000 pessoas, num investimento de 1 milhão de euros apoiado em 85% pelo quadro comunitário QREN/POVT e que estará em funcionamento até final do corrente ano.
E ainda candidatou uma ETAR nova, denominada ETAR DE NELAS III E SISTEMA INTERCETOR para tratamento dos efluentes da população de toda a freguesia de Nelas ( 5000 habitantes mais um potencial crescimento de 1300) e das suas zonas de acolhimento empresarial ( Zona Industrial I Norte e Zona Industrial Chão do Pisco Sul com um equivalente máximo potencial de efluentes pré tratados a  8300 habitantes), num investimento de mais de 4 milhões de euros, que terá o apoio de 85% do novo quadro comunitário PORTUGAL 2020/PO SEUR, obra que estará concluída em Março de 2017.
Tem a Câmara de Nelas por outro lado preparados os projetos para candidatura a apoios comunitários de ETARS que tratem o saneamento das restantes freguesias do Concelho ( cerca de 4000 habitantes no total) como sejam as freguesias de Senhorim, Vilar Seco, Carvalhal Redondo e Aguieira, Santar e Moreira, Lapa do Lobo e o que resta da freguesia de Canas de Senhorim.
Está em curso, pois, um grande trabalho que trará bons resultados, com grande esforço atual da Câmara de Nelas, num investimento já muito superior a 5 milhões de euros, honrando-se o compromisso assumido de tratamento neste mandato autárquico dos problemas ambientais, e isto não obstante em 2013 a Câmara ter recorrido ao PAEL 1 e passar a estar sujeita a um plano de ajustamento financeiro controlado pelo Governo central para correção do seu excesso de dívidas (não contraídas, irresponsavelmente como se vê,  para resolução de questões ambientais) e controlo da rutura financeira em que se encontrava. 
Neste contexto e compatibilizando na medida do possível a solução dos problemas ambientais com o desenvolvimento económico e o emprego, a atual Câmara de Nelas sempre comunicou às entidades com a tutela e responsabilidades de controlo e fiscalização ambientais todos os problemas existentes ( aliás há muito do seu conhecimento) e lhes solicitou todo o apoio.
Foi e é assim que sucede relativamente aos efluentes industriais, que depois do tratamento que a Borgstena faz na sua Etar interna, a Câmara aceitou receber em 2012  nos seus coletores municipais e que decarregavam na Ribeira da Pantanha e contra a sua vontade foram desviados recentemente para a Etar II de Nelas.
Entende a Câmara de Nelas que a melhor solução transitória, e até que a nova Etar de Nelas esteja em funcionamento, é continuar a ser utilizada a  Ribeira da Pantanha, no curso da qual as águas há muito que não têm o aproveitamento agricola que se tira nomeadamente em Beijós, devendo a Borgstena melhorar o funcionamento da sua Etar, estando para isso a empresa disponível como já comunicou às diversas entidades.
Estas preocupações e a defesa do futuro das empresas e até dos novos projetos e investimentos e ainda dos mais de 500 postos de trabalho em causa,  estão reafirmadas diariamente ao Ministério do Ambiente de quem se aguarda a todo o momento, depois dos relatórios elaborados pelos organismos tutelares e fiscalizadores, uma solução para o problema criado com o desvio dos efluente da Ribeira da Pantanha para a Etar II de Nelas que descarrega na Ribeira de Travassos.
Reafirma-se que a atual gestão da Câmara de Nelas esteve sempre, e continuará a estar responsavelmente do lado da solução e não do lado do problema, que outros antes de si criaram e agravaram, lamentando as consequências que particularmente as populações dos concelhos de Nelas e do Carregal do Sal vêm sofrendo ao longo dos anos.
Nelas, 2 de Junho de 2015
O Presidente da Câmara,
Dr. José Borges da Silva

10 comentários a "Sobre o tratamento dos efluentes da Freguesia de Nelas e da Zona Empresarial do Chão do Pisco"

  1. Desculpas e mais desculpas. Como é possivel que isto se passe para proteger apenas uma empresa em prejuízo de tantas pessoas.

  2. As novas gerações têm por norma corrigir erros do passado. Nunca se devia fazer uma ETAR e mandar as águas para uma linha de água que seca completamente no verão. Este executivo em vez de corrigir um erro do passado dedica-se a agrava-lo, ontem, hoje e quer piorar ainda mais no futuro. Nem com avisos abrem os olhos.

  3. Então agora as Caldas da Felgueira já não são a "menina do seus olhos"
    Se os efluentes da Borgstena devem continuar a ser lançados na Ribeira da Pantanha, para que gastou mais de 200.000,00€ até à II ETAR de Nelas?
    Não nos diga que com aquele coletor vai fazer uma criação de toupeiras ou cogumelos?

  4. "Entende a Câmara de Nelas que a melhor solução transitória, e até que a nova Etar de Nelas esteja em funcionamento, é continuar a ser utilizada a Ribeira da Pantanha, no curso da qual as águas há muito que não têm o aproveitamento agricola que se tira nomeadamente em Beijós, devendo a Borgstena melhorar o funcionamento da sua Etar, estando para isso a empresa disponível como já comunicou às diversas entidades."

    Não, não e não. A melhor solução é a Borgstena ser obrigada a tratar os seus próprios esgotos e rejeitá-los em condições no meio hídrico. Não a CM e todos os munícipes serem obrigados a pagar esse tratamento. Não se entende porque não é assim.

  5. Espero que as entidades competentes, após a denúncia feita ontem à noite na SIC Notícias, actuam firmemente.

  6. O Presidente da Câmara Municipal de Nelas, deve apresentar publicamente o estudo da construção da conduta da Borgstena à II ETAR de Nelas.
    Convenhamos que foram gastos mais de 200.000,00€ dos nossos impostos.
    Para quem tanto criticou a solução apresentada pelo anterior executivo, vem hoje, aproveitar-se dela, depois de derreter tanto dinheiro sem qualquer proveito.
    É esta a boa gestão de BS e o seu poder absoluto, ignorando o profissionalismo dos técnicos da autarquia.

  7. O que não se entende… uns serem filhos, outros enteados.
    Há munícipes/empresas com tratamento diferenciado. E no caso, completamente desnecessário.

    O que não se entende… empurrar o problema com a barriga.
    Se não formos nós, que levem os vizinhos com a poluição. No comments!

  8. para o tapado das 20.25 do dia 3, a borgstena trata a sua água so um cego como voce e que nao ve as obras feitas e os equipamentos comprados pela mesma, existem mais empresas no nosso concelho a enviar para a dita etar quimicos igualmente perigosos, sao varias empresas a usar essa etar.

  9. Não sejas mal educado comentador das 12:25.
    E só quero dizer-te que se a Borgstena cumpri-se com o tratamento do seus efluentes, não pagaria as multas, nem o ambiente lhe tamponava os esgotos.

  10. O presidente da junta de Beijos calou-vos. Nem a equipa de contra informação teve resposta.

Os comentários estão fechados.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies