Instituto Politécnico de Viseu lança mais um Fundo de Apoio ao Estudante e implementa projeto de alojamento para estudantes

O Fundo de Apoio ao Estudante (FAE) é um mecanismo que, como o próprio nome indica, apoia os estudantes em situação de comprovado estado de carência económica, pretendo ainda contribuir para o combate ao insucesso e abandono escolar. 
Deste modo, o FAE consiste em apoiar todos os alunos que não se encontram enquadrados no sistema nacional de Bolsas de Estudo atribuídas, mas que reúnam, numa determinada altura da sua vida académica, necessidades muito específicas. Este mecanismo de apoio pode ser concebido através da atribuição de senhas e cabazes de alimentação, material escolar e apoio nas deslocações. 
O Fundo de Apoio ao Estudante nasceu na Associação de Estudantes da Escola Superior de Educação de Viseu (ESEV), no ano letivo de 2013/2014, no mandato do então presidente Jorge Loureiro. A equipa responsável pelo Fundo de Apoio ao Estudante na sua fundação era constituída por Ana Rita Martins, Daniela Rodrigues e Elisabete Magalhães, ao tempo alunas do curso de Educação Social da ESEV.
O trabalho desenvolvido inicialmente esteve direcionado para a elaboração do Regulamento do Fundo de Apoio ao Estudante, onde foi fundamental o apoio da Provedora do Estudante, professora Cristina Amaro da Costa. Só após a constituição deste regulamento se tornou público o FAE. Perante a vontade de alargar o seu âmbito de intervenção às restantes Escolas Superiores da instituição, o mesmo transitou para a Associação Académica do Instituto Politécnico de Viseu (AAIPV).
Atendendo à atual conjuntura do país e às emergentes necessidades dos estudantes, a AAIPV considera a intervenção na área social como prioritária, pretendendo para o efeito efetuar o diagnóstico e caracterizar o meio social académico para compreender as reais necessidades dos alunos, sustentando uma intervenção dirigida a esta realidade; colmatar as necessidades e carências sentidas, corrigindo assimetrias sociais básicas entre os alunos do IPV, dinamizando o Fundo de Apoio ao Estudante; organizar um conjunto de atividades lúdicas e culturais, reforçando orçamento do Fundo de Apoio ao Estudante e, assim, apoiar mais alunos com necessidades socioeconómicas:
– O FAE apenas pode ser concedido em espécie, e mediante a disponibilidade existente, montante devidamente enquadrado em orçamento e disponibilidade financeira da AAIPV;
– O “Fundo” em espécie traduz-se na atribuição de senhas de refeição, nos dias em que o aluno tiver aulas ou tarefas académicas no IPV, à exceção dos alunos que vivam nas residências académicas;
– A Associação Académica pode também adquirir algum material escolar e inclui-la no apoio a atribuir por vida do FAE, sendo que este deve ser apenas para suprir necessidades imediatas;
– A AAIPV pode ainda apoiar através da atribuição de cabazes alimentares.
Atualmente, a AAIPV conta na implementação deste projeto com duas técnicas superiores de Educação Social, Daniela Rodrigues e Elisabete Magalhães, a realizarem estágio de emprego.
O atendimento realizado pelas técnicas efetua-se de segunda a sexta-feira, das 09h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00, nas instalações da Associação Académica do Instituto Politécnico de Viseu, junto à residência nº2 do IPV. Futuramente, uma das técnicas estará presente um dia por semana em cada uma das Escolas Superiores do IPV, ainda a definir.
A AAIPV encontra-se também a colaborar ativamente com a Câmara Municipal de Viseu na implementação do Projeto “Viseu Aconchega”, que consiste no alojamento intergeracional. Esta medida prevê o alojamento de estudantes do ensino superior, em habitações de munícipes seniores (neste caso, pessoas com mais de 55 anos). O pagamento é efetuado em mútuo acordo entre ambas as partes, podendo o mesmo ser feito, por exemplo, através da simples companhia. É ainda de ressaltar o facto de que para que uma pessoa idosa possa participar neste projeto terá de reunir as condições mínimas de habitação, como por exemplo, garantir um quarto individual com uma secretária para o aluno; ter uma casa de banho e uma cozinha com as condições necessárias para que o aluno possa realizar as tarefas do seu dia a dia confortavelmente. 
* Artigo redigido ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Viseu, 11 de maio de 2015
Daniela Rodrigues e Elisabete Magalhães
Técnicas Superiores de Educação Social, licenciadas pela ESEV – IPV
acaosocial.aaipv@outlook.pt

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies