Resul obtém prémios que mais uma vez consolidam o seu patamar de Excelência

A entrada em 2015 não podia ter sido melhor para a Resul. A empresa especializada em redes de eletricidade, gás e água,  também com uma forte componente na área de energias renováveis, designadamente instalação de parques fotovoltaicos e venda de aereogeradores para parques eólicos, somou mais três prestigiados prémios :
– Prémio Excelência no Trabalho 2014. em que  foi duplamente reconhecida:
   1º Lugar
      Médias Empresas | Indústria e Energia
   4º Lugar
      Médias Empresas | Geral
“O Prémio Excelência no Trabalho é um estudo de clima organizacional e desenvolvimento do capital humano realizado pela Heidrick & Struggles em parceria com o Económico e o INDEG – IUL, através do qual se analisa o estado de arte das práticas de recursos humanos em Portugal e se premeiam as entidades que mais investem e apostam nesta área.”
                                                                                                
– Melhores Empresas para Trabalhar 2015 :
No Top 20 do ranking das Melhores Empresas para Trabalhar em Portugal, a Resul é premiada com:
  • 7ª melhor empresa portuguesa para se trabalhar (ramo de grossista).
  • 11ª melhor média empresa.
  • 15ª melhor empresa no ranking geral das 100 selecionadas (grandes, médias e pequenas empresa).
Associada a este destaque, está a analise às Práticas de Gestão de Capital Humano e a distinção das empresas com maior Grau de Compromisso dos seus Colaboradores, consequência das boas práticas transversalmente implementadas, tornando-as organizações de alto desempenho.  A avaliação é da Revista “Exame” e Consultora Accenture.
– PME Excelência 2014 :

A RESUL foi pelo terceiro ano consecutivo distinguida com o estatuto PME Excelência ´14.

O Estatuto de PME Excelência é atribuído anualmente, às PME que mais se destacam num contexto de alta exigência e competitividade, num conjunto de indicadores que refletem a solidez financeira e crescimento sustentável, mantendo os padrões de qualidade e consolidando os seus resultados.
Associadas ao estatuto estão condições de maior facilidade no acesso ao crédito, melhores condições de financiamento e de aquisição de produtos ou serviços, facilitação na relação com a banca e a administração pública, e um certificado de qualidade na sua relação com o mercado.
Instado a revelar a importância que estes Prémios têm para a RESUL, Carlos Torres considera-os “o corolário de uma certa forma de estar na vida e ainda de uma certa forma de se ser empresário. O êxito de uma empresa não se pode ficar apenas a dever à sua equipa dirigente, mas também a todos quantos nela trabalham. Assim sendo, é política da RESUL prosseguir uma política de forte motivação de todos os seus colaboradores sem excepção”. “Pelos vistos este objectivo tem sido conseguido, uma vez que esses prémios são atribuídos em resultado de inquéritos recolhidos junto dos trabalhadores da empresa sem que a Administração tenha qualquer interferência no respectivo processo”, realçou, explicando que a estratégia da empresa que lidera assenta em “diversificar tanto quanto possível o seu raio de acção, em termos de mercado, pois esta é afinal uma forma de crescimento (em princípio, quantos mais mercados, mais facturação) mas sobretudo será uma forma de tornear as “crises”: porque se num determinado ano um ou outro mercado não nos correrem de feição, se muitos houverem é natural que um ou outro compensem os anteriores”.
Carlos Cunha Torres espera um 2015 “superior às expectativas”
– Volume de vendas poderá ultrapassar os 31 milhões de euros e a empresa continua a contratar quadros técnicos, num total de 148 colaboradores
Como é seu timbre, o Presidente da Resul mostrou-se particularmente otimista para a evolução do negócio da empresa, assumindo que “tendo em conta o volume de encomendas em carteira, o ano de 2015 afigura-se-nos tranquilo, pelo que pensamos poder ultrapassar os objectivos de facturação traçados – 31 milhões de euros, dos quais 70% deste valor para exportação, sendo que já são quase 50 os países “.  Em termos de Recursos Humanos, a empresa continua a crescer também de forma sustentada, acompanhando a expansão dos seus negócios que tem “determinado uma política de contratação de novos quadros – refira-se a título de curiosidade que na corrente semana foram admitidos mais três novos engenheiros para o nosso quadro, sendo hoje 60 o número de efectivos na sede da empresa e 88 o número de efectivos na nossa fábrica de Braga”
Qatar poderá ser a porta de entrada da Resul no grande mercado do Médio Oriente
A convite do Sheikh Nasser Bin Jassim Al-Thani, do Central Bank do Qatar, Carlos Cunha Torres,  Presidente da Resul, deslocou-se recentemente ao Qatar, com vista ao estreitamento de relações económicas e comerciais com este país Árabe. Ao nosso diário digital, o também Presidente da Fundação Lapa do Lobo,  mostrou-se otimista e confiante na penetração em mais um mercado importante, sendo que considera ser “uma excelente porta de entrada da empresa no Médio Oriente”. “O Qatar é um país em franco crescimento de infra-estruturas, pelo que nos parece ser um importante mercado, com enorme potencial”, referiu-nos, adiantando ainda que “a nossa empresa exporta regularmente para Israel e para a Palestina, não tendo no entanto até agora concretizado negócios nos chamados países do Golfo. Esperemos que a minha recente visita àquele emirato possa inverter esta situação”.

5 comentários a " Resul obtém prémios que mais uma vez consolidam o seu patamar de Excelência"

  1. Parabens.
    Lançamos um desafio ao Senhor Engenheiro Cunha.
    Montar uma extensão ou mesmo uma empresa de raíz na Lapa do Lobo, ou mesmo nas
    antigas instalações dos ex-Fornos Eleéctricos

    • apoiado

    • Era juntar o útil ao agradável.

    • Caríssimo anónimo do dia 11 de Abril e das 11:37, informo V. Exa. que o Senhor Carlos Torres a sua licenciatura não é Engenharia. Quanto ao desafio, o senhor anónimo deve faze lo, ao Senhor Presidente do Município de Nelas e em conjunto com o Sr. Dr. Carlos Torres para este investir na terra dos seus avós, o que o Sr. Presidente do Município, fez com as seguintes empresas: AQUINOS e LUSOFINSA, estas em maior relevância. TODOS NÓS SABEMOS COMO FUNCIONOU O ACORDO COM ESTAS DUAS EMPRESAS, NÃO VALE NOVAMENTE REPETIR AQUILO QUE FOI FEITO.
      Claro que dessa forma o Sr. Dr. Carlos Torres, não diria que não em investir na Lapa do Lobo, ou em Canas de Senhorim, nas antigas instalações da C.P.F.E. ou digo eu nas antigas instalações da C.U.F./ ADUBOS DE PORTUGAL.

    • Concordo com o sr do comentário das 12H28
      A CMN deve tentar junto do sr Dr Torres a concretização destas ideias

Os comentários estão fechados.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies