Orçamento e Grandes Opções do Plano para 2015 revelam as grandes apostas da autarquia

– Delegação de competências para as Juntas de Freguesia é uma das grandes novidades, num orçamento de 10,7 milhões de euros

   Os documentos que consubstanciam a estratégia financeira e política de investimentos da autarquia, foram aprovados na última reunião de Câmara, tendo o vereador Manuel Marques optado por se sentar junto ao público, ausentando-se assim da discussão, como forma de protesto pela falta de envio atempado dos documentos. Borges da Silva, presidente da Câmara, criticou de forma veemente a atitude do vereador centrista, acusando-o de se “alhear da discussão de temas tão importantes para o município – nem sequer quis estar presente na reunião que convocámos antecipadamente, ao contrário dos vereadores do PSD”. Manuel Marques, em nota de imprensa que fez chegar à nossa redação, acusou Borges da Silva de “clara violação da lei”, assumindo assim uma atitude “pidesca e persecutória”.
   O Orçamento e Grandes Opções do Plano (que seguem agora para discussão e votação na Assembleia Municipal), são os grandes instrumentos da gestão autárquica, quer corrente, quer estratégica. Ali são vertidas as grandes opções do executivo. Se entre 2005 e 2013, o orçamento era visto como algo pouco importante, pois servia apenas para “acomodar” o total descontrolo financeiro da gestão de Isaura Pedro, sendo, na sua larga maioria, um documento virtual, este segundo orçamento da gestão de Borges da Silva, segue os princípios do primeiro : realista e de otimização de recursos. O presidente da Câmara tem dito repetidamente que pretende “rasgar o contrato do PAEL” para restabelecer a “autonomia administrativa e financeira” do município. Para alcançar este desígnio, o atual executivo tem que potenciar a receita e racionalizar a despesa, não colocando em causa alguma capacidade de investimento. É neste contexto que o Orçamento para 2015, com um valor total de 10,7 milhões de euros, corta nos encargos com pessoal, que situando-se em cerca de 3 milhões de euros continuam a sua trajetória descendente (se recuarmos, por exemplo, a 2009, os encargos com pessoal eram de 4,2 milhões de euros) e nos fornecimentos e serviços externos (em 2009 eram de cerca de 4 milhões de euros e a previsão para 2015 é de 3 milhões). Assim, nas duas mais importantes rúbricas da despesa corrente, temos um corte, em 6 anos, de mais de 2 milhões de euros por ano.Não fosse o serviço de dívida da autarquia – quase 2 milhões de euros/ano e a situação financeira neste momento seria muito confortável, pois em termos de receita a situação tem melhorado significativamente, dado o aumento do IMI (vai traduzir-se em 2005, em cerca de 2 milhões de euros de arrecadação para a autarquia) e a manutenção das transferências por parte da administração central.
    Já as Grandes Opções do Plano introduzem algumas novidades e acima de tudo quantificam a política de investimento para 2015. Destacamos as seguintes opções :
1 – Transferência de competências para as Juntas de Freguesia. O executivo irá transferir para Canas e Nelas, 7 000 €/cada, Santar/Moreira – 3 500 €, Carvalhal/Aguieira – 2 600€, Senhorim – 2 000 € e Lapa e Vilar Seco, 1 000 € para cada uma.
2 – Abertura das rúbricas para loja do cidação e espaço do cidadão com 500 € para cada uma.
3 – Requalificação do espaço da CVR Dão : 30 mil euros para reparação do edifício ; 5 000 € para arranjos urbanísticos no espaço envolvento e 5 000 € para beneficiação dos balões de vinho.
4 – Investimento em maquinaria e equipamentos diversos. Borges da Silva tem enfatizado ter encontrado “um parque de máquinas obsoleto, em que quase nada funciona”. Daí que para 2015 tenha afetado 50 mil euros para aquisições nesta área.
5 – Centro Educativo de Nelas – para além de estar a ser acionada a garantia bancária, por diversos problemas numa obra que ainda é recente, o atual executivo viu-se obrigado a afetar 333 mil euros para ali fazer algumas importantes intervenções.
6 – Universidade Sénior, que arrancando no final deste mês, vai contar com uma verba de 7 500 € em 2015.
7 – Habitação Social – aquisição de imóveis no valor de 10 000 €.
8 – Abertura de rúbricas para os Centros de Dia e Lares de Carvalhal Redondo e Senhorim, com 1 000 € cada.
9 – Resolução do espaço da Raposeira – Canas de Senhorim, com um investimento de requalificação de 20 mil euros.
10 – Diversos investimentos nas ETAR´s do concelho, para as colocar em funcionamento, destacando-se a de Canas, com 1 milhão de euros (mas que será financiada em 85% pelo programa POVT).
11 – Aquisição de terreno para cemitério em Senhorim, no valor de 5 000 €.
12 – Instalações subterrâneas para contentores de lixo, um pouco por todo o concelho : 20 mil euros.
13  – Projeto de arquitetura para o multiusos a instalar na Casa do Frazão : 5 000 € e obras de reconstrução do edifício : 5 000 €
14 – Recuperação de um dólmen na Lapa do Lobo : 2 000 €
15 – Parque de caravanismo em Nelas : 3 000 €
16 – Criação de faixas de gestão de combustível nos espaços florestais : 295 mil euros.
17 – Aquisição de terrenos para instalação de empresas e infra estruturas nas zonas industriais : 150 mil euros.
18 – Rotundas de Canas na EN 234 (conclusão) : 107 mil euros
19 – Ligação da Rua da Estação à Rotunda da Boiça (Canas de Senhorim) : 5 000 €
20 – Apoios à criação de empregos : 25 mil euros.

9 comentários a "Orçamento e Grandes Opções do Plano para 2015 revelam as grandes apostas da autarquia"

  1. E pronto, é isto. O meu PSD que vá abrindo os olhos. Lá vou ter que votar branco outra vez se um certo cenário vier a acontecer. O mundo está sempre a avançar. Estamos em 2014. Estilos de de duas e três décadas atrás já tiveram o seu tempo.

  2. O presidente de Câmara Borges da Silva bem o quis calar com a história da sindicância.
    Mas, tudo leva a crer que o homem não tenha medo.
    Sendo o Orçamento e as GOP um documento tão importante porque ficou na gaveta para entrega aos vereadores.
    Borges da silva no passado, barricava-se na camara para lhe darem os documentos.

  3. No orçamento tão bem explicado pelo senhor jornalista, atitude louvável, não se vislumbra um subsídio extraordinário para o Sport Lisboa e Nelas, para o pagamento das dividas de Luis Ribeiro, do Cavaca e do Fernando Alexandre.
    Possivelmente estarão a aguardar uma receita também extraordinária de IMI, para esse efeito.
    Nelas XXI

  4. Bom Dia
    Senhor Comentador das 10:20, acho por bem pagarem a essa gente e não fazer como fez o anterior executivo.

  5. Acho bem se lhe prometeram pagar, então cumpram

  6. haverá alguma razão para as referentes a transferecias competencias, sejam tão desniveladas, com a atribuição de 7 mil euros para Canas e para Nelas e só mil euros para a Lapa e Vilar Seco. Em Nelas já é a Camara que faz tudo a junta não precisa de fazer nada.Canas não é 7 vezes maior do que a Lapa ou Vilar Seco , por isso mais do mesmo , são iguasizinhos aos outros estão a Espera que a Fundação faça alguma coisa na Lapa porque até agora nada mesmo.

  7. Estava à espera de quê, senhor comentador 12.10
    As eleições só voltam em 2017.
    Depois no ultimo ano fazemos umas obras de fachada.

  8. sr.comentador das 12.41, pois eu estava e estou a espera que cumpram o que prometeram, pois ainda não vai lá tempo todo, e apesar de eu ter sido apoiante do PS espero e acredito que se o orçamento não estiver de acordo com todos e em especial com os autarcas da Lapa , estes devem votar contra pois foram eleitos para defender os interesses da Lapa e se votarem contra como o PS não tem maioria na Assembleia Municipal, o orçamento pode não ser aprovado.

  9. "Borges da Silva, presidente da Câmara, criticou de forma veemente a atitude do vereador centrista, acusando-o de se "alhear da discussão de temas tão importantes para o município – nem sequer quis estar presente na reunião que convocámos antecipadamente, ao contrário dos vereadores do PSD"
    Seria naturalmente oportuno perguntar ao presidente da Câmara Borges da Silva se ele e o vereador do PS estiveram presentes na reunião que ele citou?
    Ele sim e o vereador também é que deveriam estar, porque estão em regime de exclusividade e ganham o dinheiro dos nossos impostos, designadamente do IM

Os comentários estão fechados.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies