Espetáculo multimédia “As músicas que os vinhos Dão” anima as 3 noites da Feira do Vinho

O título é engraçado e é uma das grandes surpresas da edição deste ano da Feira de Vinhos do Dão, que todos os anos se realiza na Praça do Município, em Nelas, nas datas de 5, 6 e 7 de Setembro de 2014. Um espectáculo multimédia da autoria de António e Sandra Leal, idealizado para o contexto específico do evento, que irá realizar-se à noite, durante todos os dias da feira.
O espectáculo, que terá a duração aproximada de 30 a 40 minutos, visa apresentar o vinho de forma alegórica, dedicando-lhe total destaque. A celebração do vinho é revelada em diferentes contextos, estabelecendo contrastes e pontos em comum entre a sua presença mais sofisticada nos meios nobiliárquicos e de alta sociedade, e o seu lado mais popular e castiço, salientando assim a sua transversalidade na sociedade e na vida das pessoas.
«Idealizar este espectáculo foi relativamente simples, atendendo à belíssima paisagem beirã. Embora seja de Lisboa sou um apaixonado pelo Dão, e tenho feito muitos trabalhos na região», explica António Leal. «Além disso, sou também um apaixonado por vinhos, por isso fui buscar a inspiração a várias fontes. Demorámos cerca de um mês e meio a preparar o espectáculo mas, logicamente, até à última hora estamos sempre a tratar de pormenores», rematou o responsável.
Com os vários meios técnicos e multimédia disponibilizados, a ideia principal consiste em dignificar o evento e aproximá-lo mais ainda dos visitantes da feira, proporcionando experiências audiovisuais e emocionais de forte impacto que possam traduzir-se em memórias inolvidáveis.
O espectáculo irá realizar-se na zona frontal do Edifício da Câmara Municipal de Nelas incidindo especialmente sobre a fachada frontal e o largo da escadaria que servirá de palco. Ali será recriado o ambiente de uma grande taberna, intemporal. A acção irá desenrolar-se em três zonas distintas, em três mesas, cada uma delas definida por um estilo ou género. Na mesa dos nobres vão cantar-se áreas de óperas famosas dedicadas ao vinho. Na mesa dos castiços, fados também eles dedicados aos vinhos. Por último, na mesa central, a do povo, surgem alguns números de musicais famosos onde o vinho se destaca. A fachada da Câmara será utilizada para projecção de ‘videomapping’ apropriado à acção e ao ambiente.

u

SOBRE OS AUTORES:
ANTÓNIO LEAL
António Leal iniciou a sua carreira de cantor nos anos 70, como vocalista no grupo de rock-progressivo Beatnicks. Enquanto cantor e compositor, gravou 5 CDs, participou em vários festivais RTP da Canção e Prémios Nacionais da Música. Representou Portugal no Festival de Viña del Mar, no Chile; fez residência artística em programas televisivos de Júlio Isidro e Joaquim Letria; e trabalhou extensivamente em publicidade para a rádio e televisão.
Recebeu o prémio de homenagem da SPA aos músicos pioneiros de pop-rock português pela banda Beatnicks.
Foi, ainda, produtor musical nas editoras Movieplay e Vidisco, onde acompanhou a produção discográfica e o lançamento de várias bandas, como os Mercuriocromos, tendo sido galardoado com um disco de prata pelo seu trabalho.
Foi director musical de programas televisivos como Sábado à Noite, e de galas televisivas variadas, nomeadamente, Campo Pequeno de Novo em Grande, 45 Anos da RTP, 7 Maravilhas, Nicolau Breyner 50 Anos, entre outros. No teatro, foi director musical, director vocal, compositor, actor e assistente de encenação de variadíssimas peças de teatro musical, entre elas: O Principezinho, A Estrela, Alice no País das Maravilhas, Jesus Cristo Superstar, Um Violino no Telhado, Piaf, Música no Coração, My Fair Lady, entre outras. Encenou para o Conservatório de Música e Artes do Dão, Um Sonho Musical, A História Completa do Mundo, Bugsy Malone , Oliver Twist e Grease. Juntamente com Sandra Leal foi co-autor, director artístico e encenador de contracanto e agora, da mesma parceria e a convite da Câmara Municipal de Nelas, de As Músicas que os Vinhos Dão.
SANDRA LEAL
Nasceu em Coimbra, onde estudou Línguas e Literaturas Modernas e se especializou em Tradução. É tradutora de língua inglesa e alemã desde 1996.
Frequentou 12 anos de ballet clássico com Gabriela Figo, com quem concluiu os exames correspondentes da Royal Academy of Dance.
Foi contralto do Coro Misto da Universidade de Coimbra, entre 1992 e 2005, onde desempenhou funções directivas.
Em 2003, participou no projecto musical encenado, O Primeiro Dia, com o Coro Misto da Universidade de Coimbra e a Tuna Académica da Universidade de Coimbra.
Integrou o elenco de cantores da gala televisiva 7 Maravilhas (TVI) e o elenco inicial de Jesus Cristo Superstar.
Foi vocalista no grupo de música popular Borda D ́Água.
Traduziu e adaptou para versão portuguesa as peças musicais, A história completa do mundo, Bugsy Malone, Oliver Twist e Grease. Fez também produção executiva, assistência de encenação e assistência coreográfica nas mesmas produções.
É co-autora, juntamente com António Leal, de Contracanto e de As Músicas que os Vinhos Dão.

ELENCO «AS MÚSICAS QUE OS VINHOS DÃO» :
CÁTIA GARCIA (Fadista)
Começou a cantar desde muito cedo, participando em vários espectáculos, concursos e noites de fado. Fez o Curso de Canto do Conservatório de Vila Nova de Gaia. Em 2001 participa na Grande Noite do Fado em Lisboa, onde vence o 2o lugar e, no Porto, o 1o lugar, com a interpretação de Cansaço, de Amália Rodrigues. No mesmo ano participa no Encerramento Oficial do Porto – Capital Europeia da Cultura, e faz alguns espectáculos em França. Entre 2002 e 2005 grava o seu primeiro álbum – À Procura do Fado – realizando seguidamente diversos espectáculos e concertos pelo país fora. Em 2005 é convidada por Filipe La Féria a interpretar o papel de Amália Rodrigues no musical Amália, no Teatro Sá da Bandeira, no Porto. A partir daí, começa a colaborar frequentemente com La Feria. No mesmo ano interpreta a protagonista de Alice no País das Maravilhas, em Lisboa, no Teatro Politeama. Logo de seguida, entra para o elenco de A Canção de Lisboa, também no Teatro Politeama, e participa na RTP no espectáculo Campo Pequeno de Novo em Grande. Em 2006, mantém-se no elenco da companhia do Teatro Politeama para interpretar o papel de Liesl, a filha mais velha do Capitão von Trapp, no musical Música no Coração. Em 2008 interpreta o papel de Anybodys3, uma adaptação do musical West Side Story, no Teatro Politeama, por cuja interpretação recebeu o Prémio Actriz Revelação do Guia dos Teatros. Em 2009 interpretou

Dorothy Gale no clássico O Feiticeiro de Oz, no Politeama. Participou em diversos filmes publicitários e fez diversas dobragens para televisão, vídeos institucionais e documentários. Participou também em vários programas de televisão como Praça da Alegria, Portugal no Coração, A Vida é Bela, Herman SIC, Fátima Lopes, Você na TV, Êxtase, Só Visto. Recentemente participou numa longa-metragem do realizador Frederico Corado, que será a sua estreia no cinema. Tem aulas de canto com Lúcia Lemos e ainda é sócia fundadora da Associação Cultural Entrar Em Palco.
JOÃO GENTIL (Acordeonista):
Iniciou os estudos musicais na Suíça onde esteve até aos 11 anos. De regresso a Portugal, frequentou o Conservatório de Música David de Sousa, na Figueira da Foz, onde foi aluno de Paulo Jorge Ferreira e José António Sousa. Foi aluno numa das melhores escolas de acordeão do mundo, o CNIMA – Centre National et International de Musique et de l’Accordéon, em França, tendo aulas com o professor e pedagogo de prestígio mundial, Jacques Mornet. Em 2009, iniciou o estudo do Bandoneon, em Buenos Aires – Argentina, instrumento protagonista do Tango Argentino e celebrizado por aquele que foi considerado um dos maiores músicos do sec. XX – Astor Piazzolla. Na capital argentina frequentou um seminário intensivo de bandoneon com o professor Julian Hasse (Academia Nacional del Tango – Buenos Aires). É professor convidado na Academia de Música de Ançã, onde lecciona a disciplina de acordeão. É colaborador da Accordions WorldWide, em representação de França. Colaborou com a Roland Corporation, representando a Roland Iberia no segmento V-Accordion, e foi convidado a participar no 1st V-Accordion camp em Castelfidardo – Italia e no 2nd V-Accordion Camp, em Ascoli Piceno – Italia. Participa também em festivais a nível nacional e internacional, e colabora com alguns projectos como a gravação de um DVD com André Sardet – Mundo em Cartão; ou com o projecto CORDIS de Guitarra Portuguesa e Piano, de Inês Santos, entre outros. No plano internacional foi convidado de músicos como Sergio Pinget (Tour em Buenos Aires) ou Alejandro Brittes (Tour no Brasil), entre outros. Conta com inúmeras participações em rádio e televisão em Portugal e pelos países onde tem tocado. Participou na novela da SIC Rosa de Fogo, tocando temas de Carlos Gardel. Já actuou nas principais salas de espectáculo do país e lá fora. Gosta de assumir o acordeão numa osmose contínua, como se este fizesse parte do seu próprio corpo, da sua respiração, do seu coração, conseguindo facilmente apaixonar e encantar o seu público com as interpretações enriquecidas pelos seus improvisos.

ARTUR MARQUES (Actor/Cantor)
Natural de Abrantes, participou já em diversos projectos musicais enquanto cantor e compositor. Membro do Grupo de Teatro Palha de Abrantes desde 2005, participou em inúmeras peças enquanto ator e encenador e também como director musical e vocal. Emprestou a sua voz a anúncios publicitários para rádio e participou em vários programas televisivos, como Cantigas da Rua, Muita Louco, Big Show Sic, Você na TV. Integrou o elenco das peças Jesus Cristo Superstar e A Estrela, de Filipe La Feria. No seu currículo conta ainda com dobragens de vários filmes de animação. Paralelamente ao seu trabalho de actor é, atualmente, o responsável pela implantação de um projeto de formação cultural de crianças do 1o ciclo, coordenando uma equipa que lecciona teatro e dança em actividades de enriquecimento curricular. Dá também aulas de canto e desenvolve projetos de mediação de leitura e acções de formação na área da interpretação e utilização da voz.
BRUNO ALMEIDA (Tenor)
Estudou canto com Filomena Amaro, na EMCN. A sua formação inclui masterclasses com Yvonne Minton, Graham Johnson, Sarah Walker, Loh Siew-Tuan, Ronny Lauwers, Lev Morosov, João Paulo Santos, Lúcia Lemos, Tom Krause, Susan Waters, Jorge Parodi, Elisabete Matos e Elena Dumitrescu- Nentwig. Presentemente, trabalha com Isabel Biu. Estreou-se em 2010, numa colaboração com o

Sintra Estúdio de Ópera, recreando o papel de Federico na ópera de câmara setecentista portuguesa, As Taças de Hymineu. Voltou a colaborar com o SEO em 2011 como solista em duas missas de Francisco Sá de Noronha, entre outros programas dirigidos por Miguel Anastácio. Estreou-se no TN de São Carlos em 2011, como 1o Segurança na estreia mundial da ópera Banksters, de Nuno Côrte-Real. Desde então fez parte do Estúdio de Ópera e desempenhou os papéis de Conde de Lerma (D. Carlo, Verdi), Triquet (Los Gavilanes, Guerrero), Gobin (La rondine, Pucinni), Vivaldi (Sampiero, Migone) e foi tenor solista no Requiem de Mozart. Neste teatro foi dirigido entre outros por Lawrence Renes, Martin André, Miquel Ortega, Giovanni Andreoli e João Paulo Santos. Em Agosto de 2013, participou na Verdi 200 Gala no Festival junger Künstler, em Bayreuth. Em Novembro de 2013 estreou-se na Casa da Música num concerto dirigido por Martin André que reuniu a Missa Grande de Marcos Portugal e Mattutino de Morti de David Perez. Em 2014 regressou ao TNSC onde desempenhou Charles Edward/Cosmetic merchant na opera Candide de Berstein, dirigida por João Paulo Santos, Zefirino/Gelsomino em Il Viaggio a Reims de Rossini, dirigida por Yi-Chen Lin e Vendedor em El Gato Montés de Penella, dirigida por Cristóbal Soler. Foi solista na Fantasia para Piano, Coro e Orquestra (op. 80) de Beethoven, dirigida por Joana Carneiro. Estreou-se no CCB interpretando novamente a Missa Grande de Marcos Portugal, com direcção de Pedro Neves. Em Maio, actuou pela primeira vez nos Dias da Música como solista na cantata A Paz da Europa de João Domingos Bomtempo e interpretou El Remendado na Carmen de G. Bizet, com a Orquestra do Norte. É um dos fundadores do Projecto Alba que se dedica à promoção do canto lírico e da guitarra portuguesa. Já colaborou com o coro do TNSC e é reforço do Coro Gulbenkian.
SOFIA DE CASTRO (Soprano)
Iniciou os seus estudos de canto em 1992 na classe de José Música do Conservatório Nacional. Da sua formação mais relevante fazem ainda parte masterclasses e cursos de técnica e interpretação vocal com vários professores, de entre os quais se destacam Rudolph Knoll, Sarah Walker e Nicola Giusti. Trabalha regularmente com a maestra Enza Ferrari e o soprano Elvira Ferreira. O seu reportório Belinda (Dido e Eneias – Purcell), Papaguena e Primeira Dama (A Flauta Mágica – Mozart), Flamínia (Il Mondo della Luna – Avondano), Esquilo (Lo Scoiattolo in Gamba – Nino Rotta), Lieschen (Schweigt still, plaudert nicht, Cantata do Café – Bach), entre muitas outras. Foi solista em

Summer Sunday (Horovitz), sob direcção de Gabriela Canavilhas e na Sinfonia Coral para Piano e Orquestra op. 80 (Beethoven), com a Orquestra do Algarve, sob direcção de Cesário Costa, entre outros espectáculos. Cantou em ciclos de concertos como Música nos Claustros e Musicando, da organização de Eborae Musica, e Encontros com a Música Clássica, da organização da Junta de Freguesia de Loures. Representou o templo Kiyomizu-dera na gala televisiva de apresentação dos candidatos às 7 Maravilhas, com um excerto da ópera Madama Butterfly (Puccini), sob direcção de António Leal e Filipe La Féria. A convite do Instituto Camões, cantou num Concerto de Beneficiência no Centro Cultural Português da Embaixada de Portugal, em Bissau (Guiné), acompanhada pelo guitarrista e compositor Silvestre Fonseca, com quem continua a actuar regularmente em concertos, sendo de salientar a estreia mundial das obras Ave Maria (composta em sua dedicatória) para soprano, guitarra, coro e orquestra de Silvestre Fonseca, e Agoas Livres, de homenagem ao aqueduto do mesmo nome. Fez várias colaborações como cantora nos espectáculos da EDSAE Dance Company, dos quais se destaca o musical Extravaganza, com apresentações no Auditório Luisa Tody, em Setúbal, e no Coliseu Micaelense, nos Açores. Fez uma curta aparição como cantora, interpretando uma modinha de Marcos Portugal, no filme Mistérios de Lisboa, de Raúl Ruiz. Em 2011 abriu a Escola de Musicais e Artes de Palco Primeiro Acto e, em 2012, a produtora de espectáculos Encontro de Sons, entidades a partir das quais produziu os espectáculos Miss Saigon – Highlights, Ópera do Malandro e Fragmentos. Fez parte do elenco do musical O Quadro, em Outubro de 2012. Em Dezembro de 2012 gravou um projecto discográfico de música erudita, standards e Musicais com o guitarrista Silvestre Fonseca e, em Dezembro de 2013, um projecto discográfico de Natal com o mesmo artista. Desde 2005 dedica-se à produção de espectáculos, tendo sido responsável por concertos, galas de ópera e espectáculos como A Magia dos Musicais, Vamos à Opereta! e Sons da Disney (musical infantil).
DIOGO OLIVEIRA (Cantor / Barítono)
Frequentou o curso de Canto da Escola de Música do Conservatório Nacional na classe de José Carlos Xavier. Trabalhou com Sarah Walker, Rudolph Knoll, Low Siew-Tuan e Ernesto Palácio. Em 2005 foi vencedor do primeiro prémio do Concurso Nacional de Canto Luísa Todi. Desempenhou Phantom em Das Phantom der Oper (O Fantasma da Ópera) em digressão por toda a Alemanha. Em 2005 foi vencedor do primeiro prémio do Concurso Nacional de Canto Luísa Todi. Trabalhou em salas como: Fundação Calouste Gulbenkian, Teatro Nacional de São Carlos, Teatro Real e Teatro del Canal em Madrid e CCB, entre outras Desempenhou recentemente o papel de Fallito em L’opera Séria (Florian Gassman) com a New European Opera em França no festival “Printemps des Arts”.

1 comentário a "Espetáculo multimédia “As músicas que os vinhos Dão” anima as 3 noites da Feira do Vinho"

  1. Onde anda o dinheirinho do meu IMI, que tanto prometeram em baixa-lo por ser o mais alto do distrito.
    Faz-me lembrar uma história que aqui relato:
    Um determinado politico, que estava quase na fase terminal da sua vida terrestre, decidiu subir lá em cima, para falar com o S. Pedro, e escolher um lugar para a vida Eterna.
    Pois bem, lá vai o politico, encontra-se com S. Pedro e este mostra-lhe: o Céu, o Inferno e o Prugatório, No céu só estavam os mendigos, os pródigos e os humildes; no Inferno os ricos as meninas lindas, tudo de melhor, no Prugatório os menos maus. Decididamente o politico escolheu o Inferno.
    Regressa o politico à vida Terrestre e passado dois ou três dias, volta novamente a visitar S.Pedro, para ficar definitivamente junto dele.
    Vão ambos pelo elevador e chegam ao Inferno, local escolhido previamente pelo tal politico e este vê tudo a arder e interroga S. Pedro dizendo-lhe não foi isto que me mostraste há três dias?
    S. Pedro com o seu ar evangélico responde pois não ….. (nome do politico) porque as eleições foram ontem.

Os comentários estão fechados.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies