Manuel Marques volta à carga com o pagamento das faturas de despesas do anterior executivo

O vereador do CDS/PP e ex vice presidente da Câmara de Nelas, Manuel Marques, remeteu novamente uma comunicação escrita aos fornecedores com faturas pendentes de pagamento, relativas a despesas efetuadas pelo anterior executivo, e em relação às quais Borges da Silva solicitou uma auditoria. Marques vem mais uma vez acusar Borges da Silva de “inverdades”, afirmando que o atual presidente diz não pagar as faturas “porque eu não deixo”.
“É de todo lamentável e inacreditável que um autarca tenha esta degradante postura, quando ele bem sabe que foi ele próprio que apresentou uma proposta onde solicitava uma sindicância à Inspeção Geral de Finanças, um pedido de parecer à CCDRC e foi ele próprio que fez um “folclore” político na imprensa local e regional, usando todos os meios para me crucificar na praça pública”, critica, para mais uma vez acusar o seu opositor de “com seu ódio e perseguição”, incentivar os fornecedores “a intentarem uma ação judicial contra o Município, devendo processar solidariamente a ex-Presidente de Câmara e a mim próprio”. “Esqueceu-se o presidente da Câmara Municipal de Nelas, que numa situação mais gravosa, quando tomamos posse em 2005, pagamos as dívidas que ainda não tinham faturas a dois fornecedores, que depois de passadas ascenderam ao valor de mais 300 mil euros”, relembra, recomendando a Borges da Silva que “pague os serviços e materiais que honestamente foram empregues por V.Exa. no património do nosso Município, como aconteceu em outros Municípios do nosso País”. Marques reitera que será candidato em 2017, para que “o respeito pelos nossos empresários seja um recomeço de uma tarefa que culminou com a entrada deste presidente na Câmara”.
“As formigas trabalharam em prol das populações, as cigarras preferem o mediatismo”, remata.

4 comentários a "Manuel Marques volta à carga com o pagamento das faturas de despesas do anterior executivo"

  1. Dr.Conceição aguarde pelas eleições de 2017 e depois paga as despesas que fez irregularmente e escolhendo a dedo os amigos, alguns, pelos menos 7 amigos fizeram-lhe perder as eleições.
    (começa a doer a ausência das €€€€ e agora com os gastos de férias)

  2. A cantiga popular ao passar
    Todos a julgam banal e afinal
    Vai sorrindo à própria dor
    Cantando em trovas de amor
    O seu destino fatal

    Cantiga da rua, das outras diferente
    Nem minha nem tua, é de toda a gente
    Cantiga da rua, que sobe e flutua
    Mas não se detém
    Inconstante e louca
    Vai de boca em boca
    Não é de ninguém

    A pobreza é mais feliz, porque diz
    Em voz alta o seu pensar, a cantar
    E é à rua que ela vem
    Como fôra a própria mãe
    As suas mágoas contar

    Cantiga da rua
    Veloz andorinha
    Não pode ser tua
    E não será minha
    Cantiga da rua
    Jamais se habitua
    Aos lábios de alguém
    Vive independente
    É de toda a gente
    Não é de ninguém.

  3. Cantas bem mas não eleminas a falta de procedimento das obras e aquisiçoes de serviços que o executivo do BS, adquiriu sem procedimentos e empreiteiros a fazer obras sem alvará.

  4. Começa-se agora a perceber o silencio do senhor Minhoto e porque não concorreu o BE as eleições autárquicas de 2013.

Os comentários estão fechados.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies