Águas do Planalto com a 2ª tarifa mais cara do país

– MUAP afirma que recebeu a solidariedade do presidente da Câmara do Carregal para esta luta
    Registando lucros muito elevados face ao volume de atividade e capital social (2013 : lucros de 1,2 milhões de euros para um capital social de 2,6 milhões de euros – rentabilidade de quase 50%) como consequência de tarifas de água que podem ser consideradas abusivas e contrárias a todos os princípios do que deve ser um bem público, a empresa multi-municipal de abastecimento de água, Águas do Planalto, que fornece Carregal do Sal, entre outros municípios da região, tem a 2ª custo mais alto do país.
    O MUAP (Movimentos dos Utentes da Águas do Planalto)  tem denunciado as diversas práticas discriminatórias e abusivas por parte da empresa. Numa análise comparativa efetuada com o resto do país, chegaram à conclusão que somente “num condomínio de luxo em Troia a água é mais cara”. “Temos contestado por todas as vias legais esta situação, que leva a que para um consumo mensal de 10m3, seja cobrado um valor anual de 245 €”, refere o Movimento em comunicado que veiculou na rede social “Facebook”, isto para além das Águas do Planalto terem uma concessão “por 30 anos (com mais de 10 de renovações), depois de inicialmente ser apenas de 15 anos”. O MUAP afirma que “estamos em presença de muitos interesses e muitos, muitos milhões de euros” e  frisa que recebeu apenas dos presidentes de Câmara de Santa Comba Dão e Carregal do Sal, “solidariedade para com a nossa luta”.
Citando como exemplos os concelhos de Barcelos e Covilhã, que conseguiram tornar novamente pública a gestão da água, com uma “grande redução nos seus custos”, concluem que “a privatização da gestão da água não é um processo irreversível”. 

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies