Trabalhadores do Hotel Nelas Parq suspendem contratos e preparam-se para avançar com pedido de insolvência

     

    São 11 os trabalhadores da unidade hoteleira de Nelas, Nelas Parq, que suspenderam os seus contratos de trabalho. Um deles relatou ao nosso jornal que o advogado que os representa, Rui Albuquerque, se prepara para “proceder ao pedido de insolvência da empresa que gere o hotel”, devido a “terem em atraso o pagamento dos salários de Fevereiro e Março de 2014 e os subsídios de férias e natal de 2011 e 2012”. Isto depois de um “ultimato” que deram à entidade patronal, para ser liquidados os valores em atraso até 2 de Abril e nada ter sido feito, com a agravante de “depois dos trabalhadores terem suspendido os seus contratos, o hotel ter colocado a trabalhar outros trabalhadores do grupo no seu lugar”, o que configura um “ato ilegal”, de acordo com o sindicato, que terá já entregue o caso à ACT (Autoridade para as Condições do Trabalho). O hotel de Nelas integra uma rede com diversos hotéis.
   Já em Fevereiro deste ano, os referidos colaboradores do hotel tinham suspendido os contratos, avisando a administração que poderiam “avançar para o pedido de insolvência”.
    Um trabalhador queixou-se ao nosso jornal de “falta de diálogo por parte da direção do hotel”. “Se a entidade patronal tivesse a humildade de falar connosco, estávamos dispostos a continuar a trabalhar sem receber até as coisas melhorarem”, adiantou-nos, lamentando que “deram cabo de uma equipa com 11 anos de experiência, cuja simpatia e competência atraía muitos clientes habituais, que agora começam a deixar o hotel”.
   O nosso jornal tentou já um contacto com a direção do hotel, hoje pela manhã. Aguardamos que seja tomada uma posição por parte dos proprietários da conhecida unidade hoteleira.

8 comentários a "Trabalhadores do Hotel Nelas Parq suspendem contratos e preparam-se para avançar com pedido de insolvência"

  1. Não são só Rosas Borges da Silva!
    Infelizmente para o nosso concelho vai haver mais.

  2. Infelizmente esta noticia não queria eu ver!
    Ou então uma noticia com a fotografia do Presidente de Câmara a sair das instalações para ajudar a resolver o problema DOS TRABALHADORES.
    Infelizmente sei que outra má notícia poderá acontecer e ela é muito mais grave, para o concelho de Nelas

  3. Esta noticia não é totalmente verdadeira…em fevereiro ninguém colocou a suspensão.
    A primeira suspensão foi em novembro de2013 referente ao mes de outubro, tendo ficado sem efeito visto terem pago aos trabalhadores o respectivo salário.
    Efectivamente os trabalhadores tiveram de tomar uma medida pois alem do referido na noticia o ordenado de dezembro de 2013 também não foi liquidado.
    Efectivamente foram contratados empregados para substituir os trabalhadores em suspensão, não sabendo se os mesmos pertencem ou não ao grupo.
    Dos 8 trabalhadores que sao representados pelo referido advogado, e não 11 como a noticia refere,
    nenhum e sindicalizado.

  4. Os trabalhadores em questão só têm uma coisa a fazer:
    pedir ajuda ao MM.

  5. Por o que ouvi a ideia de alguns anos pra cá era ser um hotel de dormidas e pequenos almoços,devia haver melhor maneira de mandar empregados embora sem xegar a isto.MM?

  6. Manuel Marques é o culpado de tudo.
    Ele está preparado para todos os ataques até os mais soezes.

  7. sem duvida que os novos empregados coitados entrarão com contratos de 6 meses , e depois despedem alegando falta de capacidade para exercer a função isso vao sofrer , e os mais velhos aguardarão a volta ao inferno…..e triste mas vai ser a realidade…

  8. Engraçado é durante meses não haver dinheiro para pagar aos trabalhadores e agora o dinheiro já apareceu….? Devia andar escondido tal como os responsaveis… Só ha uma conclusão e essa é dar razão à pessoa que comentou no dia 05, isto foi a melhor maneira de correr com os trabalhadores antigos para evitar pagamento de avultados…!!!

Os comentários estão fechados.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies