Lobby para a construção dos IC´s da Serra da Estrela exorta os partidos a mais “empenho” para que as obras avancem

O Movimento de Apoio à Construção dos Itinerários Complementares da Serra da Estrela (MAIS) apelou hoje aos partidos com assento parlamentar que se empenhem na concretização daquelas obras consideradas “muito importantes” para a região.

Elementos do MAIS, autarcas e empresários da região da Serra da Estrela foram hoje recebidos por todos os grupos parlamentares na Assembleia da República, a quem apelaram que as vias previstas para aquela zona – IC6/IC7 (Oliveira do Hospital, Seia, Gouveia, Covilhã) e IC37 (Seia, Nelas, Viseu) – sejam “incluídas nas prioridades do Governo no âmbito do próximo quadro comunitário de apoio”.
“Todos os partidos são favoráveis, à exceção do PSD que acha que não vai haver dinheiro no quadro comunitário e apoio para as obras, a não ser para pequenos troços de dez quilómetros. O CDS-PP diz que ainda anda a fazer o levantamento dos projetos”, declarou à agência Lusa o porta-voz do movimento, no final das reuniões.
Mário Jorge Branquinho contou que aos dois partidos do Governo (PSD e CDS-PP) foi dito que a luta pela concretização dos projetos é para continuar.
“Dissemos que não deitamos a toalha ao chão, não desistimos e continuamos a lutar. Pedimos para eles também não desistirem, porque há sempre soluções para tudo”, referiu.
Os defensores dos itinerários saíram de Lisboa “determinados” em continuar a lutar, alegando que “só é derrotado quem desiste de lutar”.
“Nós continuamos a lutar e a apelar aos vários partidos para se empenharem. Vamos continuar a pressionar deputados e membros do Governo, porque entendemos que é agora ou nunca. Não podemos ficar mais 10 ou 20 anos à espera da concretização destas obras que são muito importantes para a região”, disse o responsável.
Mário Jorge Branquinho admitiu que o MAIS esperava “outra atitude” por parte do PSD porque a zona da Serra da Estrela “foi sempre marginalizada” e contava que, finalmente, “fosse feita justiça” com a construção dos itinerários complementares.
“Estamos desiludidos, mas não derrotados, porque estamos a reivindicar verbas da comunidade europeia e não do Orçamento do Estado e não estamos a pedir que se façam os três itinerários complementares ao mesmo tempo, mas um de cada vez”, concluiu o porta-voz.
As obras reclamadas pelo MAIS não estão incluídas no relatório final do grupo de trabalho para as infraestruturas de elevado valor acrescentado que está em discussão pública.