Centro Escolar de Nelas é pioneiro em projeto para crianças sobredotadas

O projeto “Investir na Capacidade” nasceu na
Associação Portuguesa de Crianças Sobredotadas e surgiu como uma necessidade de
dar resposta a alunos com mais capacidades, que nem sempre são entendidas como
tal, até porque o desfasamento entre as suas capacidades e a pouca exigência
das aulas leva-os à desmotivação e a resultados muito aquém do que poderiam
ter.

O projeto implementado no Centro Escola de Nelas já vai no
segundo ano e é um caso raro em Portugal. Para além de Nelas só está em prática
em Vila Nova de Gaia, Beja e Lisboa, onde arrancou recentemente.

Helena Serra, presidente da Associação, considera que “a
falta de acompanhamento adequado aos alunos sobredotados resulta, muitas vezes,
em frustração e num bloqueio de capacidades que acaba em sofrimento”. A
técnica afirma que “não havendo resposta no Ensino Público, a alternativa
para estes alunos são as escolas privadas a que muitas famílias não têm
acesso”.

A Associação das Crianças Sobredotadas lembra que estas crianças
tanto existem em agregados com capacidade económica como noutros de fracos
recursos. A associação estima que em Portugal cinco por cento dos alunos sejam
sobredotados.

Em resposta a estas críticas, o ministério da Educação, adiantou
à TSF, que as escolas têm mecanismos para responder a estes casos.

“A legislação permite às escolas a criação de grupos
homogéneos temporários ( grupos de crianças que precisam de respostas
diferenciadas dos restantes) onde se enquadram estes casos. E permite-lhes
também a aplicação de pedagogias diferenciadas para certos casos», explicou a
tutela

“Mesmo em termos de avaliação, o despacho normativo 24/A
prevê a possibilidade de progressão extraordinária de alunos (transitar para anos
mais avançados) de acordo com as capacidades que apresentem”, deu conta
ainda o Ministério liderado por Nuno Crato.