“Já em 2005 a montanha pariu um rato”

Manuel Marques refere-se assim à
auditoria que segundo o atual vereador, Borges da Silva pediu em 2005, à
situação deixada por José Correia.

“Deixemos atuar as respetivas
entidades e depois verificamos se as faturas violam ou não a lei dos
compromissos”, declarou ao nosso jornal o atual vereador do CDS, que
contínua a mostrar tranquilo relativamente a uma inspeção que votou inclusive
favoravelmente.

“Certamente se recordam da auditoria
por ele pedida em 2005 e a participação que fizeram à procuradoria geral da
república por trabalhos sem qualquer procedimento, também em 2005, no valor de
300 mil euros, faturas que entraram em 2006, no valor de 450 mil euros de obras
inauguradas nas eleições de 2005”, lembra para rematar “ele não quer
a pagar  aos empreiteiros, que fizeram o
seu melhor para o bem estar das populações”.