A FOLCLÓRICA SINDICÂNCIA

Manuel
Marques reage na sua página pessoal de uma rede social (facebook) ao pedido de
sindicância por parte do atual executivo do PS:

“Vários
amigos e amigas me contataram por via telemóvel, usando também SMS, sobre a
famigerada sindicância, proposta pelo atual presidente da câmara, dizendo-me :
“que estavam preocupados pela perseguição que estavam a fazer ao único
resistente do anterior executivo.

De
facto, o folclore político há muito havia começado e começou à boa maneira dos
atuais protagonistas políticos do nosso concelho, aplicando a tática que sempre
usaram desde 1995.

Aliás,
basta dizer que várias rádios para o efeito me contataram.

Tenho
bem vivo na memória o mesmo filme passado e vivido por mim, Dr. Correia,
António Sousa (rato), Eng.º João, Rui Neves, Mota Veiga e Adelino Amaral, no
ano de 1995, aquando dos ataques feitos pela mesma “escola” ao Dr.
Correia e à gestão socialista de então e a todos nós.

Também
tenho bem vivo na memória quando os nossos amigos se abeiravam de nós e nos
questionavam: “vocês lá na câmara têm tudo bem” ?

Nós
prontamente respondíamos: “não se preocupem que a montanha parirá um rato!
e depois de tanta especulação, tantas investigações tanta vontade férrea de
encarcerar, foi efetivamente o que aconteceu ” a montanha pariu mesmo um
rato.

Para
aqueles “bons rapazes” que me apelidam de “escorpião”,
tenham a coragem, de vir a público elencar as minhas denúncias efetuadas junto
dos órgãos de investigação criminal contra o ex-presidente de câmara.

Não
conseguem! Porque esses têm alguma dificuldade em lidar com a verdade e não
passam de uns vendedores de ilusões e de mentiras, uns verdadeiros vendilhões
do templo.

Quanto
à sindicância!

Deus
no texto Biblico, aplicou a frase “Não Tenhais Medo”, 366 vezes.

Frase
essa que mensalmente leio, quando em devoção vou ao enorme Santuário de Nossa
Senhora de Fátima.

Sendo
eu criado a semelhança de Deus, sigo a sua voz e também não tenho medo.

Além
disso, o Povo doutamente sempre disse: Quem não deve não teme”

Serei
certamente julgado pela população do meu concelho daqui a quatro anos e não por
aqueles que de uma forma “eventualmente” duvidosa, hoje, estão no
poder, não representando a maioria dos votos expressos em eleições.

IREI
SEMPRE ANDAR POR AQUI”

Manuel
Marques