Autarquia mostrou-se muito preocupada com a “calamidade ambiental” que o concelho de Nelas vive

– Borges da Silva revela ter “vários
processos de contra ordenação ambiental” que deverão custar à autarquia
cerca de 1 milhão e meio de euros

  “Não termos tratamento de
esgotos no concelho, é uma situação de calamidade”, considerou mais uma
vez o presidente da Câmara, Borges da Silva, que adiantou ter em mãos neste
momento  “processos de contra-ordenação pelo não cumprimento de
normas ambientais”.” Os custos destes processos daria para resolver
muitos dos problemas da autarquia, pois pode chegar a um milhão e meio de
euros”, revelou, mostrando-se de qualquer forma esperançado em ter
condições nos próximos 4 anos para resolver este grave problema. O vereador do
CDS/PP, Manuel Marques, responsável por esta área nos últimos 8 anos, saiu em
defesa da obra feita no saneamento “ainda fizemos as ETAR´S do Folhadal,
Urgeiriça e Felgueira”, reconhecendo contudo que “é uma mágoa que
tenho não ter conseguido resolver todo o problema do saneamento”.
Especificamente sobre a situação dos efluentes industriais da Borgstena, que
continuam a contaminar um dos principais ecossistemas do concelho – a Ribeira
da Pantanha, adiantou que “tomámos a opção de abrir os poços absorventes
para depois resolvermos em definitivo o problema”, pois revelou que a
empresa Sueca “ameaçou encerrar parte da fábrica, o que resultaria no
despedimento de 80 trabalhadores”.”Os empresários são a mola real do
desenvolvimento do concelho e eu pergunto qual era a melhor solução – deixar a
Borgstena despedir ou resolver para já assim o problema ?” questinou,
aproveitando para deixar um desafio ao novo poder “cá estarei para ver
quantos novos postos de trabalho trarão para Nelas”. Sobre este processo,
o vice presidente da Câmara, Alexandre Borges, adiantou que “foi a própria
E.D.M. a não aconselhar a construção dos poços”, alertando ainda para os
graves efeitos da poluição da Ribeira da Pantanha para a qualidade de vida e
também para o turismo “como os próprios responsáveis pelo Hotel da
Urgeiriça têm vindo a chamar à atenção”.

3 comentários a "Autarquia mostrou-se muito preocupada com a “calamidade ambiental” que o concelho de Nelas vive"

  1. Senhor Presidente da Câmara seja mais concreto: diga que processos. Um milhão e meio de euros é muito dinheiro, mas não se limite a atirar numeros para o ar, concretize, diga quais e quanto custam.

  2. Espero que o Dr. Borges da Silva resolva facilmente o problema com Borgstena, pois não foi advogado desta empresa?
    Espero também que a ameaça,ou chantagem de encerramento por parte da Borgstena, como diz o Dr. Marques, não tenha sido um parecer do Firma do Advogado Borges da Silva.

  3. e a lagoa de valinhos? já está boa? disso ninguém fala? só nós que vivemos ao lado nos preocupamos? Ou finalmente alguém vai responsabilizar os responsáveis por este atentado?

Os comentários estão fechados.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies