O Jantar

“…Um dia houve em que a
raposa foi visitar a cegonha e convidou-a para jantar. Na noite seguinte, a
cegonha chegou a casa da raposa.
– Que bem que cheira! – disse a cegonha ao ver a raposa a fazer o jantar.
– Vem, anda comer. – disse a raposa, olhando o comprido bico da cegonha e
rindo-se para si mesma.
A raposa, que tinha feito uma saborosa sopa, serviu-a em dois pratos rasos e
começou a lamber a sua. Mas a cegonha não conseguiu comer: o bico era demasiado
comprido e estreito e o prato demasiado plano. Era, porém, demasiado educada
para se queixar e voltou para casa cheiinha de fome…”

Era uma vez uma casa
amarela. Um palácio de reis e princesas. O reino decidiu gastar todo o ouro em
luxuosas festas e banquetes, esquecendo-se sempre do mais importante. As
pessoas. E um dia houve em que não mais se convidaram as pessoas para jantar.

Nuno Albuquerque Vaz