Borges da Silva e Nuno Vaz : IDEIAS inovadoras para NELAS

– Muitas propostas que prometem
“revolucionar” a gestão autárquica e promessas de atração de fortes
investimentos para o concelho estão na agenda política deste candidatos
Taxa máxima do IMI durante os próximos 20
anos. Um mal necessário ?
Borges da Silva (PS) : Em primeiro lugar
não posso deixar de lamentar que a candidata da Coligação PSD/CDS não se tenha
disponibilizado para um debate com os restantes candidatos, recusando o  convite formulado por este jornal em finais
de Julho passado, o que é revelador da incapacidade política, falta de energia
quanto ao futuro do Concelho de Nelas e falta de liderança da ainda Presidente
da Câmara. O Município de Nelas vive, também neste aspecto do debate quanto ao
seu futuro, um nivelamento por baixo e que corresponde ao nível da preparação e
formação política de quem tem dirigido o município nos últimos 8 anos.
Quanto ao IMI, nas circunstancia atuais
de falência da Câmara decretada pelo actual executivo em Dezembro passado, é
legalmente obrigatório que assim suceda durante esse período, que é o fixado no
plano de reestruturação aprovado. Não apenas o IMI sobre os imóveis, como todas
as taxas, impostos e preços dos serviços devem permanecer nos valores máximos,
desde a taxa sobre os lucros das empresas ao próprio valor de 5% de IRS de que
poderíamos dispor para políticas amigas dos investimento no Concelho. O IMI com
a agravante de que os prédios foram reavaliados para valores muito acima dos
anteriores e até acima do seu actual valor de mercado.
Só uma política virada para a recuperação
financeira da Câmara, como a que temos como primeira prioridade, pode tirar o
mais rapidamente possível a câmara desta calamidade, poupando recursos em
desperdício e desvio de meios que existem e tendo outras prioridades na
aplicação dos recursos municipais deixando a política da vaidade. Para acabar
com a calamidade de perda de  mais de 1
500 postos de trabalho nos últimos anos, o comércio a fechar e os jovens a
emigrar só fortalecendo e credibilizando a nossa principal instituição, fazendo
dela um motor de apoio à economia e ao desenvolvimento.
Nuno Vaz (CDU) : Não se trata de um mal necessário. Trata-se do resultado da
incompetência grosseira de quem nos desgoverna há oito anos.
O orçamento
municipal é de cerca de 10 milhões de euros anuais, o que significa que a CMN
tem “tão só” a módica quantia de 30 mil euros para gastar por dia. Sim, por
dia, leram bem. Onde está o dinheiro? Alguém me sabe explicar? Fechem os olhos durante
5 segundos e pensem numa obra marcante desta Coligação. Nada? Foi o que
aconteceu comigo também.
Só uma gestão
desastrosa pôde, com tamanhos recursos disponíveis, levar a este descalabro.
Não tem outro nome. Quem paga IMI sabe do que estou a falar. Porque esta
incompetência paga-se. E quem paga esta incompetência é o cidadão comum e não
os dirigentes camarários.
Pode haver desenvolvimento sustentável,
fomento do turismo (termal e enoturismo) e qualidade de vida no concelho, sem
qualidade ambiental ?
Borges da Silva (PS) : A resposta é
evidente. Não.
O Concelho visto do espaço, em particular
neste período eleitoral parecerá coisa de outro mundo. A ainda Presidente
procede á inauguração de três rotundas  e
jardins e comemora isso com porcos no espeto a escassas dezenas de metros de
cursos de águas onde correm os esgotos a céu aberto sem qualquer tratamento das
40 fossas e 10 ETARs sem funcionar que existem, não se incomodando sequer com o
cheiro. Vergonhoso, especialmente sendo responsável disto uma médica. Sem
tratar dos esgotos não é possível despoluir os rios e aproveitar o seu
potencial económico. Tenho insistido junto de Mangualde e outros municípios, a
montante do nosso, para uma política comum nesta matéria. Não pode
desenvolver-se a industria hoteleira quando a metros existe um cheiro
nauseabundo como sucede na zona dos Valinhos na Urgeiriça.
Quem assim tem atuado nos últimos 8 anos,
prepara-se para permitir a instalação no Concelho de uma unidade de
transformação de tripas de aves e animais mortos por doenças, unidade que só
ainda não foi instalada por oposição do povo e por receio dos actuais
responsáveis autárquicos da perda de votos com esta questão. A troco da criação
de algumas dezenas de empregos, não permitiremos a perda de centenas deles
nomeadamente na hotelaria e  no turismo e
não toleraremos a perda de qualidade de vida e bem estar que seria afectado
especialmente pelo mau cheiro desta unidade poluente. As eleições servirão
também como referendo acerca desta matéria. Se quer uma unidade com esta
caraterísticas no nosso concelho pode votar na actual Coligação no poder.
Nuno Vaz (CDU) : Obviamente que não.
Aliás, é outra
marca vergonhosa que esta governação deixa. O desrespeito ambiental é imagem de
marca desta Coligação. Basta atentar para o que se passa com a Ribeira da
Pantanha e as recentes descargas efectuadas da barragem dos Valinhos, que vão
ter directamente para as Caldas da Felgueira.
Há queixas
constantes de falta de água no concelho que têm de ser corrigidas, urge concluir
o sistema de ETAR´s do Concelho, existindo verbas comunitárias disponíveis para
o efeito.
Mas não só
isso é de criticar. No século XXI, no concelho de Nelas, ainda há esgotos a
correr a céu aberto em várias freguesias. Há mais concelho para além da vila de
Nelas.
Já para não
falar da maioria dos fontanários públicos, espalhados pelas aldeias, que
apresentam água imprópria para consumo. 
Tecido empresarial e Desemprego no
concelho : 2 medidas concretas para apoiar os industriais, estimular a atração
de novos investimentos e combatar o desemprego.
Borges da Silva (PS) : Recuperação
financeira do Município que lhe permita ter políticas amigas do investimento
baixando os impostos, taxas e preços dos serviços  e apoiando projectos de empreendedorismo dos
residentes e dos que aqui queiram iniciar ou desenvolver o seu negócio e
procurar investimento junto das comunidades emigradas um pouco pelo mundo fora.
Porque é que a Câmara não tem utilizado este grande potencial, não compreendo.
Só o comodismo e falta de iniciativa o justificam. Salários de milhares de
euros e vaidade no exercício do poder de 10 políticos profissionais
incompetentes e sem qualquer energia e humildade nos últimos anos, justificam
tamanha inércia.
Nuno Vaz (CDU) : Através da conclusão das zonas industriais (nomeadamente da
Ribeirinha), a CDU propõe a DOAÇÃO DE LOTES INDUSTRIAIS (reversível para
o património público em caso de falência ou incumprimento), a quem
comprovadamente se proponha criar empregos no concelho, bem como na isenção de
taxas no que for possível isentar.
Não há uma
varinha mágica para este assunto, que afeta todo o país.
Propõe-se
igualmente, contactar o Politécnico de Viseu no sentido de se criar uma INCUBADORA
DE EMPRESAS E LABORATÓRIO DE IDEIAS
, potenciado os recursos existentes no
concelho para se proceder ao lançamento de empresas com gente da terra, que por
norma é criativa e inovadora.
Criação de uma
SOCIEDADE DE REABILITAÇÃO URBANA cuja função passará pela compra de
prédios devolutos nos Centros Históricos, e cuja reconstrução será atribuída a
empresas com sede no Concelho, com posterior venda – a preços controlados-  a jovens até aos 35 anos. 
Combate à pobreza e a exclusão social : 2
medidas concretas para melhorar estas áreas.
Borges da Silva (PS) : Dinamizar uma rede
de apoio social que crie oportunidade na educação, no trabalho, na habitação e
no bem estar e não que promova em exclusivo a caridade da distribuição do quilo
de açúcar, com um incremento do voluntariado e a implementação de uma central de
emergência social, em especial acompanhando a nossa população idosa que
constitui já um terço dos residentes. Apoiando a criação de uma Universidade
Sénior no Concelho de Nelas que potencie a riqueza humana de termos já um terço
da população constituída por idosos e que devem ter a qualidade de vida que
merecem na saúde, no desporto, na cultura e no carinho.
Nuno Vaz (CDU) :
BOLSAS
DE MÉRITO ACADÉMICO
A
CDU propõe a criação de bolsas de estudo aos 10 melhores alunos do concelho,
cujo rendimento familiar não ultrapasse os mil euros mensais, com o objetivo de
pagar integralmente as propinas universitárias dos alunos. Esta medida custará
aos cofres da autarquia cerca de oito mil euros por ano.
REDE
DE LOJAS SOLIDÁRIAS
Criação
de uma rede de lojas solidárias em cada uma das freguesias, que receba cabazes
de alimentos, roupas, mobiliário, livros, que depois serão repartidos pelos
mais carenciados. Pretende-se sensibilizar o setor privado, nomeadamente na
área da alimentação, para contribuir para os referidos cabazes, concretamente
supermercados e restaurantes.
A saúde no concelho : o que pode a
autarquia fazer para melhorar o serviço aos munícipes, quando o poder central
irá cortar cada vez mais nesta área ?
Borges da Silva (PS) : Lutando pela manutenção
e melhoria dos cuidados e unidades de saúde existentes. A média nacional de
médicos por cada mil habitantes é de 4 e no Concelho de Nelas é apenas de 1,7 .
Não é isto estranho e revelador de incompetência por parte da ainda Presidente
? Para aumentar essa rácio é imperioso que a Dra. Isaura regresse no dia 29 de
Setembro ao Centro de Saúde de Nelas para exercer em exclusivo a sua profissão
de médica.
É estranho que não haja sido criada  no concelho até este momento uma unidade
móvel de saúde à semelhança daquelas que um pouco por todo lado já surgiram.
Connosco tal vai ser uma prioridade.
Nuno Vaz (CDU) : Para começar, a primeira medida será derrotar esta coligação e
devolver o emprego no Centro de Saúde à Sr.ª Presidente.
Como medida
principal, instituiremos o CHEQUE-FARMÁCIA para a população idosa, que comprovadamente não consiga comprar os seus
medicamentos e tenha que escolher todos os meses se põe pão na mesa ou vai à
farmácia aviar as suas receitas. Esta medida passará pela catalogação das situações
de risco, de forma a que a autarquia passe a pagar os medicamentos a quem mais
precise, para uso exclusivo nas farmácias do concelho.
Defende as parcerias com privados e, em
caso afirmativo, tem já alguns investidores privados assegurados para executar
projetos ambiciosos para o concelho, em parceria com a autarquia ?
Borges da Silva (PS) : Com o estado de
calamidade financeira e funcional em que está mergulhado o Município e as
freguesias, é evidente que só o apoio a projectos privados poderá criar
riqueza, criar emprego que fixe e dê dignidade às populações.
Na área florestal dos novos produtos
temos contactos com investidores holandeses que se dispões a desenvolver no
Concelho de Nelas um projecto de reflorestação e desenvolvimento agrícola que criará  no curto prazo centenas de empregos directos
e indirectos na indústria florestal. Temos contactos com importantes ex
diretores de antigas unidades empregadoras concelhias e com empresários na área
das confeções que empregam centenas de pessoas e que se dispõem a investir
aqui, assim a Câmara tenha credibilidade com outra gestão de rigor e segurança
no investimento.
No sector do turismo e termas os
investidores ligados à Felgueira estão desejosos de outros carinho e apoio por
parte da Câmaram, o que já me manifestaram, aguardando um sinal de mudança na
situação política concelhia.
Em todos os sectores o potencial é enorme
até porque nada este executivo camarário tem feito para manter ou atrair
investimento.
Nuno Vaz (CDU)
: As PPPs têm sido um autêntico desastre e uma das causas principais para que o
país se encontre na situação de resgate financeiro internacional. Transportar
este modelo de desenvolvimento para o governo local seria um erro enorme.
Toda a gente
que se habituou a comer do dinheiro de todos encontrará nos eleitos da CDU uma
voz de denúncia e oposição.
O que perspetiva em termos de evolução da
situação financeira da Câmara e que medidas tem em mente  para a melhorar ?
Borges da Silva (PS) : Contrariamente ao
que é dito pelos responsáveis actuais, não ocorreu qualquer diminuição de
receitas nos últimos anos. Continuam a entrar nos cofres anualmente mais de 12
milhões de euros. É imperioso aplicar melhor esses recursos nas necessidades
mais elementares das comunidades, como o emprego, o apoio social, a saúde e o
ambiente. É urgente pôr fim ao abuso dos gastos em actividades e obras que mais
não visam que em período eleitoral conservar o poder, não tratando do
essencial. Os mais de 3 milhões de euros que a Câmara está a gastar nesta
campanha eleitoral com os fornecimentos de blocos, lancis, pavê e
alcatrão,  da “AZafil” de Viseu, da
“Gonçalves e Filhos” de Oliveira do Hospital, da “Macomax” de Nelas e da
“Embeiral” de Viseu e que não podem ser pagos nos próximos 90 dias e nem sequer
sabemos se tem compromisso assinado e a que preço e em que condições estão a
ocorrer, não auguram nada de positivo para os próximos anos em termos de saúde
financeira da Câmara de Nelas. Da nossa parte não vai deixar de haver
consequências pessoais  financeiras
e  patrimoniais, e até criminais, dos
responsáveis caso se  justifique em caso
de violação da lei e do interesse público.
Nuno Vaz (CDU) : O Estado é pessoa de bem e tem de honrar os compromissos que assumiu.
Pretendemos
responsabilizar os eleitores do Concelho e aproveitar os parcos recursos
existentes. A solução não é nova, mas nunca foi aplicada no concelho. Trata-se
de gerir os dinheiros públicos através de orçamentos participativos onde é a
população que decide onde quer ver aplicado o dinheiro dos seus impostos.
Na gestão
proposta pela CDU serão os munícipes a escolher, por exemplo, se querem uma
estrada nova ou uma ciclovia. Se querem distribuir mais dinheiro pelas
Associações ou mais rotundas, se querem mais cultura ou um parque verde.
Será a
população a decidir, em plenário, porque no final de contas o dinheiro é seu
por direito. É uma nova forma de ver a causa pública e pôr o cidadão a decidir
o que é seu por direito.  
Cultura,desporto e associativismo. Como
apoiar e fomentar estas atividades dada a cada vez maior  escassez de recursos financeiros ?
Borges da Silva (PS)  : A Câmara de Nelas tem nos seus quadros 26
técnicos superiores e que seguramente estão disponíveis e até desejosos de dar
um contributo mais efectivo e valioso nesta matéria. Temos que criar uma agenda
cultural  e associativa municipal e
potenciar as actividades e projectos próprios do nosso movimento associativo.
Nuno Vaz (CDU) : Redirecionar o dinheiro de obras de fachada muito mal gasto,
nomeadamente nesta febre de muros, passeios e salpicos de alcatrão e
distribuí-lo por quem de facto  faz
alguma coisa pela e para a população. Imaginem o que seria das Associações
locais se estes três milhões de euros gastos no último mês lhes fossem
entregues!
Deve a autarquia procurar outras
entidades para, em parceria, dinamizar estas áreas, dado que o esforço tem
recaído nestes últimos anos quase exclusivamente na Fundação Lapa do Lobo, cuja
meritória ação tem garantido a sobrevivência do associativismo no concelho ?
Borges da Silva (PS) : A resolução desta
questão passa pela recuperação da situação financeira do Município. Não fosse o
valioso apoio em particular da Fundação Lapa do Lobo e teríamos uma situação
insustentável.
Nuno Vaz (CDU) : Sem dúvida. Todas as parcerias que sirvam para promover a cultura, a
arte e perpetuar tradições e costumes, são muito benvindas. É de louvar o
trabalho desenvolvido pela Fundação Lapa do Lobo que, sozinha, fez mais num ano
que a Câmara em oito.
Com quantos vereadores em permanência e
respetivo pessoal político a autarquia é gerível de forma eficaz ?
Borges da Silva (PS) : Nos próximos 4
anos assumo o compromisso de gerir a Câmara com apenas dois vereadores em
permanência e o pessoal existente nos quadros municipais, sendo Vice-
Presidente o Dr. Alexandre Borges e vereadora a Dra. Sofia Relvas. A poupança
em 4 anos relativamente à situação actual será de mais de 2 milhões de euros.
Nuno Vaz (CDU)
: Só devem exercer cargos públicos as pessoas escolhidas e eleitas pela
população. O partido vencedor deverá governar com o número de vereadores
eleitos, sejam eles dois, três ou quarto, respeitando a vontade popular.
Os assessores
de luxo, pagos a peso de ouro, que não foram eleitos ou escolhidos pela
população podem começar a fazer as malas caso a CDU saia vencedora destas
eleições.
O peso dos encargos com o pessoal na
estrutura financeira da Câmara é o adequado ou sendo excessivo reduz fortemente
a margem de manobra para investimentos noutras áreas/atividades ? Pensa atuar
nesta área se for eleito ?
Borges da Silva (PS) : Tenho a forte
convicção que o que se paga aos trabalhadores não é um encargo mas um enorme
potencial. 300 técnicos nas mais variadas áreas como os que existem ao dispor
de efectivas e mobilizadoras políticas de desenvolvimento do interesse publico
são uma riqueza que temos que aproveitar.
Nuno Vaz (CDU)
: Quem criou o polvo foram os chamados partidos grandes que, à saciedade, foram
distribuindo lugares pelos amigos ou portadores de cartão do partido.
Pode
começar-se pelos já atrás referidos assessores de luxo, com bilhete só de ida.
O dinheiro que
não seria possível poupar anualmente com esta medida tão simples, para investir
onde realmente importa: as pessoas.
Agora que está concretizada a União de
Freguesias, vê no horizonte a possível fusão do concelho de Nelas com um ou
mais concelhos vizinhos ? Que implicações poderá ter este processo para a
população e para a identidade histórica e cultural de um concelho ?
Borges da Silva (PS) : Com o
comportamento obediente que vimos o actual executivo camarário ter com a
decisão de extinção das freguesias de Aguieira e de Moreira por parte do
Governo da mesma cor partidária  e o
desvario despesista que continuamos a ver na gestão do Município, o perigo do
futuro próximo é mesmo o da própria extinção do Município de Nelas.  Connosco e com os compromissos que queremos
implementar diminui-se tal perigo e tudo faremos para deixar fortalecida a existência
e autonomia do Concelho de Nelas.
O Concelho de Nelas era uma comunidade
equilibrada com as suas 9 Freguesias. Por elas lutaram gerações de autarcas e
de populações. Temos que lutar pela restauração da Freguesia de Aguieira e de
Moreira extintas pelo Governo PSD/CDS com a passividade de Câmara dos mesmos
partidos. Existem um compromisso da direcção nacional do PS nesse sentido e só
uma votação reforçada na nossa candidatura dá força a esse objectivo.
Nuno Vaz (CDU) : Isso seria abrir a caixa de Pandora. Nenhum governo em Portugal tem a coragem
necessária para ir mais além e extinguir concelhos. Todas as medidas flagrantes
terminam com a raia miúda.
Uma ideia inovadora para o concelho e o
projeto que mais gostaria de ver realizado nos próximos 4 anos …
Borges da Silva (PS) : As ideias
inovadoras serão as que resultarem da estrutura municipal “Empreende” que
pretendemos instituir para apoio a projectos empreendedores dos nossos
residentes,  em especial jovens ou
desempregados, sendo que o que mais gostaria de ver concretizado era que todas
as famílias tivessem emprego, apoio social de qualidade, bom ambiente e saúde.
Sendo tão elementar mas estando tanto em perigo. Garantir isso é o mais
prioritário e mobilizador para defesa da manutenção do Município de Nelas e das
suas populações.
Nuno Vaz (CDU)
: Dos seis eixos fundamentais apresentados à população (Incentivo à
Natalidade,
Bolsa de Mérito, Cheque-Farmácia, Rede de
Lojas Solidárias
, Reabilitação Urbana, Orçamentos Participativos),
a medida que mais me orgulharia de implementar seria a atribuição de Bolsa de
Mérito, pois prevê, por um lado, desafogar as famílias de encargos brutais a
nível da educação, nesta altura de dificuldades, por outro premeia o mérito, a
entrega e a dedicação pessoal das novas gerações.
As promessas e compromissos eleitorais
que fez aos munícipes são exequíveis ?
Borges da Silva (PS) : Só assumo
compromissos como os que referenciei em cima e que são exequíveis apenas com
outra equipa de gestão das Câmara porque a atual não tem qualidade ou
autoridade para implementar outras políticas diferentes das atividades da
vaidade da Presidente que não manda. Para essa mudança só um voto é eficaz.
O voto no PS porque qualquer voto na CDU,
por muito respeito que se tenha pelas suas ideias e candidatos, é um voto
perdido dada a impossibilidade de eleger qualquer representante municipal.
Nuno Vaz (CDU)
: De todas as medidas simples que a CDU apresentou, a mais onerosa é a criação
de um INCENTIVO À NATALIDADE.
Através da  atribuição de um subsídio
por ocasião do nascimento do 1º filho no valor de mil euros a residentes no
concelho há pelo menos 3 anos, que passará para 1 500 no 2º filho e 2 000 no
nascimento de 3 º filho. É urgente ter Ideias novas. Colocar os dinheiros
públicos ao serviço da população.
Esta medida
representará cerca de cem mil euros anuais e, como tal, é concretizável. Parte
deste valor (33%) terá de ser gasto obrigatoriamente em lojas do concelho.
São
este conjunto de medidas e propostas que a CDU faz às populações do concelho.
Nada justifica que o poder de decidir deva ficar sempre nas mesmas mãos. São
precisas ideias alternativas. Ideias que digam o que é preciso. A crise que nos
entristece todos os dias foi causada pelos partidos que se anunciam como
grandes. Mas as suas novidades são pequenas, reservam-se à luta política sem
dar ênfase ao que mais importa: as pessoas.
Dê-se
uma oportunidade a quem sempre quis fazer mais e não pôde. Dê-nos o seu voto e
garanta o seu lugar na Câmara Municipal. Somos alternativa, porque somos a tua
voz. Sem promessas não há mentiras nem falsas esperanças. Com a CDU há vontade
de trabalhar e o compromisso de fazer melhor. Há muito que estamos habituados a
lutar pelos nossos ideais. Há muito que as pessoas nos conhecem. Mas precisamos
de votos, muito mais do que dos incentivos que temos vindo a receber de todos
os lados.
Espalhe
esta ideia, diga-nos o que deseja para a sua terra e nós havemos de ser
porta-vozes. Não guarde os seus sonhos, partilhe-os connosco. Somos os espalha
sonhos. Somos a tua voz. Acredita, é fácil, basta uma cruzinha para mudar o
mundo. Um pequeno gesto que acende a esperança por um mundo melhor. O nosso.
Muda
tudo com uma cruz.
 RESPOSTA curta

Uma ideia para credibilizar a política e
os políticos :
Borges da Silva (PS) : Ter apenas o mínimo
de pessoal poíitico a gerir a Câmara e não compadres e amiguismos
.
Nuno Vaz (CDU) : Falar verdade e ouvir as pessoas. A tua voz é a que conta.
O futuro do Portugal :
Borges da Silva (PS) : O que nós como
povo quisermos que seja sendo consequentes com o que todos disseram nos últimos
anos  a começar por esta Câmara: que era
incompetente e despesista  e que se
impunha uma mudança.
Nuno Vaz (CDU) : Turismo de qualidade, aproveitando o património histórico e as
tradições ancestrais que são a identidade das gentes e das terras.
O futuro do Interior :
Borges da Silva (PS) : Só uma Câmara
de Nelas forte e respeitada no contexto regional e nacional é potenciadora do
interior
Nuno Vaz (CDU) : As suas gentes e o seu património imaterial.
A política é uma arte ?
Borges da Silva (PS) : É a arte de
servir o interesse colectivo com paixão e humildade.
Nuno Vaz (CDU) : Se estamos a falar da arte de representar e servir o outro, sim.
Exercício do poder autárquico : um
trabalho de equipa, com uma liderança que procure consensos e descentralize ou
uma liderança forte, carismática e tendencialmente mais centralizadora ?
Borges da Silva (PS) : Uma liderança
forte que potencie os interesses globais e de equipa mas em que se saiba que
quem tem responsabilidade e exerce o poder foi aquele em quem o povo confiou o
seu voto.
Nuno Vaz (CDU)
: Trabalho de equipa. Já a minha avó dizia que duas cabeças pensam melhor que
uma.
O poder é sedutor e seduz ?
Borges da Silva (PS) : O poder só tem
para mim sentido para fazer realizadas e felizes as pessoas e as famílias. A
minha preocupação exclusiva é servir a minha terra e o meu Concelho.
Nuno Vaz (CDU) :  Quem
disser que não mente.  Acredito que em
grandes cidades como Lisboa ou Porto, esta questão seja quase incontornável; a
máquina é demasiado grande e imperceptível. Porém, no Interior do país, nos
pequenos concelhos, dá-se valor às pessoas. É-se uma pessoa da terra. Este é o
maior poder que um autarca pode ter: o reconhecimento.

12 comentários em “Borges da Silva e Nuno Vaz : IDEIAS inovadoras para NELAS”

    1. A Senhora Presidente fez bem em não participar,para não fazer a figura ridícula dos Srs. Borges da Silva e Nuno Vaz de fazerem promessas demagógicas e irrealistas.

  1. Também acredito na capa do Jornal. Acho que o Nuno Vaz vai ser uma surpresa pela positiva. Gostei do que li. Gostei mesmo.

  2. Eu pensava que o candidato do Partido Socialista ou o Alex Mangueiras aproveitavam a saida do último Jornal folha do Centro para apresentarem a fatura da avioneta ou quem foi o superior da protecção civil que deu ordens para uma BORLAS

  3. Ò Borges da Silva ou apresentas a fatura ou será divulgada toda a historia da avioneta onde como e quando foi decidido o efeito avioneta, mas não contavas com o apresentador que te mandou para o unico local aonde te aturam. vai ser lindo quando for divulgado todos os contornos da avioneta,já falta pouco tempo.

    1. E os ordenados dos boys que por sinal são espiões da coligação, tanto dinheiro desperdiçado, a espanhola, o gebo do ambiente e sua esposa, tanto vereador

  4. Se a demagogia dos partidos pagasse impostos, Portugal não precisava de intervenção financeira nem da Troika.
    Tenham juízo e sejam politicamente honestos.

  5. Lamento que a Folha do Centro Nelas não tenha questionado o candidato Borges da Silva sobre a questão da avioneta.

Os comentários estão encerrados.