Região do Dão recuperou “o lustro de outrora”

– O Guia de Compras 2013 da REVISTA dos
VINHOS tece rasgados elogios à evolução qualitativa na mais antiga região
demarcada do mundo de vinhos não licorosos.

“Maior apuro geral e um conjunto de
produtores com vinhos muitos interessantes, alguns mesmo de grande gabarito, em
todas as gamas de preço”, consideram os jornalistas da REVISTA dos VINHOS
no GUIA de COMPRAS 2013, sobre a região do DÃO. Este guia é para os enófilos um
precioso instrumento de apreciação e compra.

Realçando que o ano de 2011 proporcionou
“grandes brancos”, particularmente na casta nobre da região –
Encruzado, este guia não esquece de referir que estamos na região berço da
Touriga Nacional sendo neste “terroir” que ela ganha maior
expressividade e qualidade. No habitat natural da casta raínha de terras Lusas
é normal que os vinhos com maior pontuação a partir dela sejam obtidos. E os
produtores de Nelas e Carregal mais uma vez brilham a grande altura.

Entre os vinhos mais bem pontuados (18
valores de 0 a 20) encontramos um produzido em Nelas – Vinha do Contador Tinto
2009, do Paço dos Cunhas de Santar (com um preço indicativo de 45 euros). Logo
a seguir (17,5 valores) aparece o notável varietal de Touriga Nacional de 2009,
Munda, produzido na Quinta do Mondego, Felgueira. Com apenas meio valor menos
na apreciação, este vinho de Fontes da Cunha custa menos 25 euros que o Vinha
do Contador. Esta é uma das notas de destaque do Guia e que vem confirmar, mais
uma vez, que a partir de determinado preço (na minha opinião em média
precisamente em torno dos 20 euros), o proveito marginal é muito reduzido. Nos
vinhos com 16,5 valores atribuídos, encontramos os Reserva Touriga Nacional
2009, da Quinta das Marias (Oliveira do Conde), vendido a 21 euros e o Reserva
Touriga Nacional da Quinta Mendes Pereira de 2007, vendido a 17 euros. Em
termos de relação preço/qualidade há a destacar os vinhos do Barão de Nelas
(Vilar Seco), que também com 16,5 valores têm um preço ainda mais competitivo –
o varietal Alfrocheiro de 2007 e o Touriga Nacional/Arogonês, também de 2007,
vendidos a 15 euros, o que lhes valeu em 2012, a classificação de BOA COMPRA,
conjuntamente com um notável néctar do Paço dos Cunhas (16 valores) – o Nature
Tinto de 2010, vendido a 6 euros apenas.

Os críticos da Revista dos Vinhos,
destacam na larga maioria dos vinhos do DÃO “os aromas exuberantes a
frutos vermelhos, os taninos finos e a notável acidez, responsável pela sua
elevada aptidão gastronómica e capacidade de envelhecimento. Tudo isto devido
dado o “terroir” único, em que um clima de eleição para a viticultura
se alia a solos graníticos em 98% das áreas de vinha.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies