“Quem salva uma vida, salva o Universo”

O filme “Aristides de Sousa
Mendes – O Cônsul de Bordéus” retrata duas histórias durante a Segunda Guerra
Mundial, duas histórias entrelaçadas de dois homens fenomenais.
Através da história do maestro
Francisco de Almeida, originariamente Aaron Apelman, conhecemos a história de
Aristides de Sousa Mendes. Ambos sofreram perdas devido à guerra e cada um
soube lutar à sua maneira pelos seus ideais. Um, Aaron Apelman, perde a família
durante a guerra, mas torna-se um homem famoso; o outro, Aristides de Sousa
Mendes, é um homem famoso mas perde tudo devido à guerra e às suas acções. O
que os liga é o facto de Aaron Apelman ser um dos Judeus que Aristides salvou,
emitindo-lhe o visto com destino a Portugal. Ao contrário de Sousa Mendes que
acabou por perder tudo, Apelman conseguiu encontrar uma vida melhor, acabando
por encontrar o lugar maravilhoso para o qual ele dizia ter a chave. Chave esta
que a sua Mãe lhe tinha dado como amuleto da sorte. No final, esta chave revelou
ter sido um amuleto valioso, pois trouxe-lhe uma Família nova, uma carreira de
sucesso e, principalmente, a Irmã que julgava ter sido morta durante a guerra.
Por seu lado, Aristides de Sousa
Mendes como Cônsul de Portugal em Bordéus, em 1940, vê-se obrigado a escolher
entre a sua carreira e os milhões de vidas que dele dependiam, essencialmente
os Judeus, a quem estava proibido passar-se vistos. Perante o grande dilema com
que se deparou (ser fiel a Salazar e às suas ordens e leis) ou ser fiel aos
seus princípios, decidiu ficar em retiro durante 3 dias tendo a Bíblia apenas
como conselheira. Após este tempo concluiu que mais importante que qualquer
lei, que qualquer ordem era a sua consciência e a vida de cada ser humano,
independentemente da raça, nacionalidade ou religião. Assim, emitiu tantos
vistos de entrada em Portugal quantos pôde, permitindo que estas pessoas
fugissem da guerra. A sua determinação era tanta que chegou a passar vistos
sentado numa mesa de café no meio da rua!
Aristides de Sousa Mendes teve a
coragem que poucas pessoas teriam, pois contra tudo e contra todos lutou pelos
seus ideais e mesmo pondo em risco a sua carreira e todo o seu futuro fez o que
a sua consciência lhe ditou, mesmo parecendo errado aos olhos dos outros. Deste
modo salvou mais de 30 mil vidas, tendo por isso sofrido consequências: a sua
carreira, a sua vida, acabando por morrer na miséria. Mas a sua memória
continua viva e a prova disso é este filme que presta homenagem a este homem
corajoso que devia ser um exemplo de vida neste mundo em que vivemos…