Câmara aprovou hoje taxa de 15 mil euros por mangueira em postos de combustível

Foi hoje aprovada em reunião de Câmara, uma taxa de 15 mil euros, por cada mangueira de abastecimento, nos postos de combustível do concelho. Numa reunião marcada pela ausência da presidente da Câmara, Isaura Pedro, do vice presidente, Manuel Marques e ainda do vereador, Osvaldo Seixas,a liderar os trabalhos esteve então a vereadora Maria Antónia Figueiredo, que de acordo com a agenda, colocou à votação o aumento da taxa sobre os postos de combustível, para 15 mil euros por mangueira. Este valor foi considerado “exorbitante”, pelos vereadores do PS, Adelino Amaral e Hélder Ambrósio, que votaram contra a proposta, que acabou por ser aprovada com o voto de qualidade de ….Maria António Figueiredo. Esta reunião de Câmara “sui generis”, será desenvolvida na próxima edição do nosso jornal.

7 comentários em “Câmara aprovou hoje taxa de 15 mil euros por mangueira em postos de combustível”

  1. único comentário
    que de momento ocorre é:

    eheheheheheheheheheheheheeheheheheheheheheh

    palminhas

    eheheheheheheheheheheheheheheeheheheheheheh

    ao que isto chegou !!!!!!!!!!!!!!!!!!

    eheheheheheheheheheheheheheheheheheheheheeh

  2. "…Numa reunião marcada pela ausência da presidente da Câmara, Isaura Pedro, do vice presidente, Manuel Marques e ainda do vereador, Osvaldo Seixas. A liderar os trabalhos, ficou então a vereadora, Maria Antónia Figueiredo, que de acordo com a ordem de trabalhos, colocou à votação o aumento da taxa sobre os postos de combustível, para 15 mil euros por mangueira…"

    PALAVRAS PARA QUÊ ?

  3. Esta agora !!!!!!!!!!!!!!!
    A oposição é que é responsavel pelas propostas do executivo municipal!

    O que se provou é que a Camara poder ser gerida apenas por aqueles 2 vereadores do executivo. Os outros três estão a mais.

    EH! EH! EH! EH! EH!

  4. Coitados dos saudosos do "sócrates", não conseguem enxergar que os outros três nada têm a recear da "sua" oposição, folclórica umas vezes, muleta quando é preciso, inútil sempre. Por isso dão-se ao luxo de faltarem todos, sabem que não há perigo das reuniões não se realizarem e, muito menos, não aprovarem o que muito bem quiserem. E para memória futura na acta os seus nomes não constarão como interventores em "preços de mangueira" ou em outras alegorias do género.
    Sentem-se realizados nesse papel? Sejam felizes!

Os comentários estão encerrados.