CMB pede a insolvência e deixa 60 trabalhadores no desemprego

A CMB – construções metálicas, empresa instalada na Zona Industrial de Nelas, é a mais recente vítima da grave crise económica que o país atravessa. A unidade industrial de grande porte, fabricava estruturas metálicas para obras de grande dimensão, entre os quais se contavam a Base das Lajes, uma ponte em Angola, o shopping Forum Almada, a ampliação do aeroporto de Faro, o Multiusos de Viseu, e as caves Raposeira e Murganheira. A administração da empresa decidiu contudo requerer a insolvência no passado dia 1 de Julho, lançando do desemprego cerca de 60 trabalhadores, que esperam agora pela assembleia de credores, que está marcada para o próximo dia 13 de Setembro. Fonte por nós contactada, adiantou que “o principal motivo que parece estar na base deste pedido é a falta de liquidez para a aquisição de matéria prima”, o que terá afetado a aceitação de encomendas. A situação de dificuldades financeiras já se arrasta há alguns meses, pois a empresa desde Abril não pagar o salário aos trabalhadores, ou seja “não nos surpreendeu a situação de falência”, dizem-nos alguns trabalhadores. A situação financeira tem vindo a deteriorar-se, com o mercado a definhar ao longo de 2010, em que a empresa registou um volume de negócios em torno de 3 milhões de euros, quando em 2008 tinha atingido 6 milhões, revelou-nos a mesma fonte, explicando que “a empresa em termos de vendas tem andado estes últimos anos aos altos e baixos”. Esta unidade de produção em Nelas, faz parte de uma empresa sedeada em Lisboa, a Omnitrade, que tem uma estrutura familiar e se dedica ao revestimento de estruturas metálicas. A Ominitrade adquiriu a OMB em 2003 aos seus fundadores, tendo assegurado a manutenção dos postos de trabalho na época. Os trabalhadores, maioritariamente oriundos de Nelas (cerca de 15) e dos concelhos limítrofes, como Mangualde, Carregal do Sal, Viseu e Penalva do Castelo, esperam que ainda possa haver uma solução que permita à empresa ser viabilizada e voltar a laborar, pois além de ter mercado, tem instalações e maquinaria de alta qualidade. Está assim nas mãos do Administrador Judicial, que entretanto já foi nomeado pelo Tribunal, a tarefa que estudar esta hipótese de viabilização, que poderá passar pela venda a um investidor. Ao que apurámos até já poderá existir um interessado em negociar a aquisição da fábrica, que chegou a ter mais de 70 trabalhadores – cerca de 10 rescindiram por mútuo acordo e mais 33 suspenderam recentemente os contratos, devido à falta de pagamento dos salários.

1 comentário a "CMB pede a insolvência e deixa 60 trabalhadores no desemprego"

  1. Artigo com algumas imprecisões. Se fosse só isto…

Os comentários estão fechados.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies