Mesmo com o corte de 60% do subsídio camarário Banda de Santar continua a apostar na formação

A Sociedade Musical 2 de Fevereiro de 1892, fui fundada por antigos músicos provenientes da Filarmónica Santarense, que terminou a sua actividade em 1872.
Passados vinte anos, por vontade de alguns músicos da Filarmónica extinta, apoiados pelo Abade António Amaral Escada, pároco da freguesia, ajudado pelo Padre Abel de Carvalhal Redondo, foi fundada a nova Sociedade Musical, à qual foi dado o nome de Sociedade Musical 2 de Fevereiro de 1892, data da sua primeira apresentação em público.
A nova sociedade Musical herdou o instrumental da Filarmónica extinta, e foi seu primeiro Mestre José Aurindo, oriundo também da Filarmónica Santarense.

Desde a sua fundação, a Sociedade Musical 2 de Fevereiro de 1892, manteve com regularidade a sua actividade, funcionado até 1988 sem registo público, data em que para dar cabal cumprimento à lei se regularizou por escritura pública.
No decorrer da sua já longa existência, passaram pela Banda diversos Mestres/Maestros de onde se destacam os Senhores Biscaia e Lertório, músicos profissionais da Banda do Regimento de Infantaria 14 de Viseu, e mais recentemente os Senhores Patrocínio, Horácio Pessoa, Carlos Sampaio,João “Nino” e Bernardo Cardoso. Actualmente é dirigida pelo Maestro Manuel Sampaio Coelho.
Nos últimos anos, tem esta Banda, fruto da vontade e do trabalho da actual direcção, incrementado o ensino da música e a formação contínua dos seus músicos, nomeadamente com a criação de uma escola de música, com métodos de ensino actuais.
Actualmente, a escola de música, além do Maestro Manuel Sampaio, tem mais três professores a leccionar (Prof.Nuno Gonçalo, Prof.Emanuel, Prof.Rafael Salgado), indo de encontro às expectativas dos jovens da nossa freguesia e freguesias vizinhas. Também a partir de 2011 contará com a colaboração do Prof.Joaquim Raposo (ensino e coordenação), com vista a tornar esta escola de música e banda, numa referência a nível da região. O impulsionar desta escola a muito se deve, também, ao protocolo celebrado em 2009 com a Fundação Lapa do Lobo.
Na presente data, a Banda tem cerca de 45 elementos, e frequentam a escola de música cerca de 35 jovens, desde os seis anos aos cinquenta anos.
Como actividades a desenvolver em 2011, além das decorrentes da actividade principal que é a prestação de serviços em festas e romarias, queremos continuar a proporcionar á população os eventos já realizados em anos anteriores, como os Concertos Temáticos e de Verão e a Festa das Vindimas.
Tendo sido um sucesso o Workshop realizado com o Professor e Maestro António Saiote no ano transacto, é intenção da associação desenvolver mais actividades semelhantes, contribuindo assim para o desenvolvimento artístico dos nossos músicos e de quem nos visita.
Também é intenção organizar um encontro/festival de bandas, que devido á logística que envolve, só será possível se tivermos apoios de outras entidades, quer pública quer privadas.
A situação financeira da banda, graças aos esforços e dedicação de todos os seus membros, muito embora seja cada vez mais onerosa a aquisição e manutenção dos instrumentos, mantêm-se estável, por força das receitas originadas pelos serviços prestados.
A nível de apoios oficiais, nomeadamente da Câmara Municipal de Nelas, estes tiveram um decréscimo de cerca de 60%, face a 2009, com maior incidência na área dos transportes. A preverem-se mais cortes nos apoios a conceder no próximo ano, estes trarão maiores dificuldades na execução dos projectos que esta associação tem levado a cabo, fazendo-se sentir dificuldades ao nível sobretudo da Escola de Música, onde já teve que se implementar um sistema de propinas para ajudar nas despesas inerentes ao seu funcionamento, sobretudo no transporte. Também a nível da Junta de Freguesia de Santar, esses cortes se fizeram sentir, contudo continuamos a contar, mesmo que menores, com os apoios destas duas entidades.
A nível de apoios privados, contamos com o apoio da Fundação Lapa do Lobo ao funcionamento da Escola de Musica, e modernização do instrumental. Também continuamos a contar com algumas empresas que nos tem ajudado.
Fruto da crise económica que atravessamos, contamos com um decréscimo das receitas provenientes dos serviços de festas e romarias, contudo tentaremos levar a bom porto esta associação, nomeadamente a formação musical e a Banda em detrimento de outras actividades.