Câmara avança para construção de ETAR´S sem subsídio do estado


– Depois de ter sido aprovado um incentivo de apenas 11% para o investimento em toda a rede de saneamento básico e águas do concelho, executivo decide avançar para a construção das novas ETAR´S com o seu pessoal.
– Entrevista com o vice-presidente da Câmara, Manuel Marques, dá pistas sobre o seu posicionamento futuro em relação a uma possível candidatura à Câmara

“Não vou deixar entregar o meu concelho a qualquer pessoa”

Um ano depois da tomada de posse da coligação PSD/CDS-PP à frente dos destinos do concelho, Manuel Marques, primeiro vice-presidente da Câmara do CDS-PP, fala-nos do momento actual da coligação, do presente e do futuro do concelho e faz o balanço deste primeiro ano de mandato, numa governação autárquica que goza de uma larga maioria em todo o concelho. Com a sua habitual frontalidade, não rejeita a possibilidade de suceder a Isaura Pedro como candidato a presidente da Câmara.

Que balanço faz deste primeiro ano do segundo mandato da coligação, à frente dos destinos do concelho?
Penso que foi um ano proveitoso. É um ano de início de mandato, onde estamos a arrumar a casa em relação ao mandato anterior, no sentido de equilibrar a vida autárquica. Penso que está a ser um ano com alguma prosperidade para Nelas, pois as obras ainda não pararam, estando a registar-se uma excelente colaboração entre a Câmara Municipal e os presidentes da Juntas de Freguesia do concelho, numa política de proximidade com a população, dando assim continuidade ao mandato anterior.
Sente-se, depois de ter sido nomeado vice-presidente da autarquia, o sucessor natural de Isaura Pedro?
Não passa por aí a minha perspectiva, até porque numa entrevista que vou dei no início deste ano, o que eu gosto mesmo de fazer é exercer advocacia. Agora também não irei deixar o concelho que me adoptou desde pequeno, a qualquer pessoa. Se eu entender que é necessário vir a terreiro para impedir que o concelho caia em más mãos, quando a Dra. Isaura sair, aí pensarei duas vezes e não coloco fora de hipótese uma candidatura à Câmara Municipal. Agora reafirmo o que já disse – contra a Dra. Isaura nunca me candidatarei, embora, como já disse anteriormente, não há casamentos para a eternidade. Mesmo que esta coligação se desfizesse, reafirmo que jamais me confrontaria em eleições contra a Dra. Isaura – simplesmente sairia de cena. Já em 2001 me candidatei a presidente da Câmara, por entender que era uma voz discordante em relação ao poder da altura. As pessoas dizem que o Manuel Marques tem um estilo arruaceiro, mas isto não é verdade – o Manuel Marques incomoda é com as coisas que diz, pelo seu conteúdo e não pela forma.
Como comenta as recentes declarações de Luís Pinheiro sobre a pretensão de Canas ter um lugar de destaque na lista da coligação à Câmara e pertencer assim ao executivo? O líder do Movimento disse também que a “luta poderá ser reatada”, que falta fazer muita coisa em Canas e que se foi o Movimento que colocou a coligação no poder, também a poderá de lá tirar …
Diz a história que Canas sempre teve um lugar no executivo – lembro-me do primeiro mandato de José Correia, com a AD, em que José Lopes de Canas estava no executivo. Depois com o Engº José Manuel o número dois era António Mouraz. Com José Correia de novo no poder, o número dois foi o Mota Veiga. Para mim isso nada é nada de estranho, sendo uma pretensão legítima. Penso que os machados de guerra, entre Nelas e Canas, já estão enterrados e a relação como um todo é boa. Hoje em dia e após 5 anos de trabalho em conjunto, a relação tem sido excelente com o Luís Pinheiro. Temos trabalhado como irmãos.
A polémica em torno da qualidade da água é um assunto que está a provocar apreensão na população. Afinal de que lado está a razão, sobre os testes de qualidade?
Infelizmente isso foi uma atoarda do Sr. Vereador do Partido Socialista, que infelizmente nada tem a ver com o PS que eu conheci, pois só faz uma política da terra queimada. Esta “rapaziada” que lá está, faz política de uma forma insolente, com a qual eu não compactuo. Eu concordo que tenha que haver oposição, mas tem que ser uma oposição credível, séria e honesta.Isso é apenas mais uma atoarda, como houve no mandato anterior, que levou à pior derrota do PS em Nelas, desde o 25 de Abril de 1974.
Voltando à questão da qualidade da água …as pessoas podem ficar descansadas?
Podem. Nós temos as análises do SESAB que dão a água em condições de ser consumida. Sabemos que os resultados das análises da autoridade de saúde conduziram a outros resultados – resta saber de os pontos da recolha deles, não tem água de outras origens, como poços ou furos. Isto foi mais um alarmismo que o PS quis fazer.

“Luís Cavaca não tem condições para continuar à frente do S.L. e Nelas”

Já disse publicamente que há duas coisas no concelho que tudo faria para evitar que acabem – as festas da sua terra e o Sport Lisboa e Nelas. Depois de ter estado iminente a extinção do Nelas, quais os factores que foram determinantes para se ter conseguido a continuidade do clube?
O S.L. nelas corre-me nas veias. Posso dizer-lhe mais – foi graças ao Nelas que o meu filho Hernâni se fez homem. E estou convencido que o S.L. e Nelas já fez e fará mais homens como o Hernâni. Tudo farei para que o Nelas não seja extinto e de facto ajudei o clube, com o apoio da Sra. Presidente da Câmara, para que fosse possível a sua participação nos diversos campeonatos da presente época desportiva. Foi-nos dados apoio financeiro, por parte de pessoas que não têm nada a ver com a Câmara, e fizemos acordos de pagamento para as dívidas com os jogadores e Federação Portuguesa de Futebol. Fizemos também já a escritura do terreno do S.L .Nelas, situado na Quinta do Pomar, que será dado como garantia real para o pagamento da dívida à segurança social. Questiono-me porque é que o vereador Adelino Amaral não moveu as suas influências junto do PS, que está no poder, para que as camadas jovens pudessem continuar, por exemplo através de um Instituto da Juventude.

Como viu o extremar de posições por parte do presidente do Nelas, que chegou a agredir o vereador Osvaldo Seixas?
Já o disse ao Cavaca – ele estragou tudo com essa atitude e não reúne neste momento condições para continuar à frente do SL e Nelas, devendo ser estudada uma alternativa, depois de todos os problemas estarem resolvidos, do clube e os pessoais dos dirigentes.

“Temos que deixar de ver a Câmara como a Santa Casa da Misericórdia”

Não considera que os cortes que foram feitos aos seniores dos diversos clubes, nas diversas modalidades, podem colocar em causa os objectivos traçados para esta época desportiva?
Posso ser crucificado pelo que vou dizer, mas esses cortes eram inevitáveis, atendendo à crise económica que vivemos. Veja que o estado reduziu as transferências para Nelas em cerca de 300 mil euros, este ano.Temos também que começar a ver a Câmara não como a Santa Casa de Misericórdia. Sobre essa questão dos cortes para os seniores, acrescento que os clubes têm também que gerar mais receitas, diversificando-as, pois a Câmara está em contenção de despesas.
Uma das áreas da vila que necessita de uma profunda requalificação e reorganização é a Quinta do Peso, onde habita a comunidade cigana em terrenos da autarquia. Existe alguma intenção do vosso executivo resolver esta situação? As construções junto ao quartel dos bombeiros estão licenciadas?
Está já feito o levantamento topográfico, para se conseguir ordenar urbanisticamente aquela área, com rigor, fazendo o seu licenciamento. Agora falo sinceramente e sem problemas – via com bons olhos que a comunidade cigana se fosse embora de Nelas
E a que se deve essa sua posição?
Embora os ciganos actualmente tenham moderado um pouco a sua conduta, pois os incidentes por exemplos nos cafés terminaram, a verdade é que eles têm que ter a noção que além de terem direitos, têm que cumprir deveres. Agora confesso que esta não é uma situação fácil de resolver.
Que obras mais relevantes tem actualmente em curso, nas diversas freguesias do concelho?
Em Nelas está a ser construído o centro educativo e a 2ª fase da variante. Nas freguesias e dada a excelente colaboração com os Srs. Presidentes de Junta, temos feito parcerias, que têm permitido que ainda tenhamos em curso obras em todas as freguesias. Há uma obra que acabámos de inaugurar, que tem um significado muito especial – a requalificação do quartel da GNR de Nelas, que tinha as piores instalações de todo o distrito, e que agora passa a ter a dignidade que merece.
Quando prevê a conclusão das obras da variante de Nelas e o arranque dos investimentos nas zonas industriais de Canas e Nelas? O tecido empresarial do concelho parece estar a recuperar bem da crise. Acredita que mais empresas poderão vir a instalar-se em Nelas?
Estamos também atentos a esta área, mas temos que ir devagar. Os nossos industriais, por quem eu tenho muita consideração e respeito, parecem estar a resistir muito bem à crise. Eles são a verdadeira mola de desenvolvimento do concelho. Recordo que em Nelas, exceptuando a Johnson não tivemos mais nenhum registo de fecho de empresas importantes, e há mesmo empresas que estão neste momento a admitir pessoal. Relativamente à instalação de novas empresas, estou optimista também neste aspecto. Na Câmara temos um gabinete de apoio ao empresário, e através dele temos continuado a comprar terrenos, para alguém que se queira instalar. A sra. Presidente tem entretanto feito algumas diligências para se captarem novos industriais – vamos ver o que vai acontecer.
Um dos problemas mais graves que o concelho enfrenta diz respeito ao saneamento básico, com diversos esgostos a correr a céu aberto. Quando a SIC esteve na Póvoa da Roçada prometeu que durante este mandato vão avançar para a resolução de, pelo menos, parte deste problema. Mantém esta promessa?
Infelizmente fizemos uma candidatura ao programa P.O.V.T. em que nos seria concedido um subsídio de apenas 11% do valor do investimento total, de cerca de 5 milhões de euros. Já falei entretanto com a Sra. Presidente da Câmara e iremos avançar com a construção da 3ª ETAR de Nelas, exactamente essa na Póvoa da Roçada, a ser feita mais uma vez pelos trabalhadores da Câmara Municipal, que mais uma vez vão demonstrar aos arautos da desgraça como se trabalha. Iremos para já avançar com o colector, para depois construirmos a ETAR, isto porque não podemos esperar mais tempo, dada a responsabilidade que todos os dias cai em cima de nós, o que está a acontecer com os esgotos, não somente ao nível de multas, mas também está em causa um problema de saúde pública. Lembro que somente no ano passado, colocámos mais de 10 mil metros de tubagens de saneamento básico no concelho, além das ETAR´s da Felgueira e da Urgeiriça. Ou seja, mesmo estas obras não sendo aquelas que dão mais votos, nós não nos movemos por este aspecto. Nesta área já investimos mais de 500 mil euros, nestes últimos anos.
Outro dos projectos que conta com o apoio da Câmara para poder funcionar em pleno é o que novo quartel dos bombeiros. Quando prevê desbloquear o subsídio para os bombeiros de Nelas poderem avançar para a conclusão das obras do quartel?
Para os bombeiros poderem avançar para a 2ª fase da construção do quartel, tem que estar totalmente liquidada a 1ª fase, devido à candidatura ao QREN. Esta obra não é minimamente aflitiva, pois já está orçamentada em cerca de 50 mil euros – temos que somente esperar a conclusão financeira da 1ª fase.
Considera que o empréstimo recentemente contratado de 7,5 milhões de euros irá resolver os problemas financeiros da autarquia?
Penso que sim, até porque temos as dívidas a fornecedores regularizadas até Agosto deste ano, e estamos em contenção geral de despesas, pois considero que se as famílias têm que fazer contenção, também as instituições do estado o têm que fazer. Julgo que daqui a algum tempo, estaremos uma situação financeira mais favorável.
Para quando prevê que se realizem eleições legislativas e qual o papel que o seu partido poderá desempenhar neste acto eleitoral e na resolução dos problemas que afectam o país? O líder do PSD já disse que conta com o CDS-PP …
Na minha opinião pessoal entre Maio e Junho de 2011 iremos de facto ter eleições legislativas. Já tive oportunidade de falar com o líder do meu partido, Paulo Portas, que acabou por votar contra o orçamento de estado, e a minha opinião era que se devia ter abstido. O que lhe posso dizer é que hoje em dia olho para a política nacional com uma intranquilidade terrível, pois quando olhamos para os nossos dirigentes políticos, só vemos é carreirismo político. A maior parte deles não conhece o país real, e não sabem as dificuldades por que passa o interior do país, por exemplo. Isto deixa-me muito preocupado.