“Em 4 anos apenas se inauguraram em Canas alguns passeios, churrasqueiras e muros de qualidade duvidosa”

– PS apresenta em Canas a solicitadora Cristina Figueiredo, como candidata à Junta, sendo contundente nas críticas ao executivo PSD/CDS-PP

Os socialistas surpreenderam tudo e todos com a indicação da solicitadora Cristina Figueiredo, como candidata a presidente da Junta de Canas de Senhorim. Quando tudo fazia crer que a escolha seria entre os ex trabalhadores dos fornos eléctricos, Jorge Silva e Dirceu Graça, como já tínhamos aliás noticiado, eis que sai o “coelho da cartola”, e em “3 segundos”, Cristina Figueiredo aceita o convite que lhe foi dirigido pelos dirigentes socialistas para encabeçar a lista à Junta, como afirmou na apresentação pública da sua candidatura o número 2 da lista à Câmara, o também Canense Hélder Ambrósio. A apresentação pública aconteceu no passado Sábado, nas Casas do Visconde, perante mais de 100 pessoas, e inseriu-se num périplo que o PS está a efectuar pelas 9 freguesias do concelho. Depois de Santar e Aguieira, seguiu-se a 2ª maior freguesia do concelho. A sessão como tem vindo a ser habitual, iniciou-se com a apresentação de um vídeo, onde os candidatos percorrem a sua freguesia, auscultando a população sobre os seus principais anseios e problemas. Coube a Hélder Ambrósio abrir as hostilidades, que de forma particularmente caustica em relação ao actual executivo PSD/CDS-PP, afirmou que “urge repor no concelho a liberdade de pensamento e de agir, numa fase em que a freguesia de Canas foi varrida por uma onda de terrorismo político por parte do actual executivo, que se consubstanciou nalguns metros de passeio e pouco mais”. Os ex dirigentes socialistas também não foram esquecidos pelo número 2 na corrida à Câmara, que os acusou de “triturarem o partido em Canas”. “Depois de na nossa freguesia o deficit democrático ter atingido níveis assustadores, há sobreviventes que surgem agora das catacumbas rumo à vitória”, rematou Hélder Ambrósio, que aproveitou ainda para realçar que “o PS em 28 elementos de Canas nas suas listas, enquanto o PSD nem sequer aqui apresenta lista, ficando assim a população Canense sem saber qual o seu projecto para a freguesia”. Adelino Amaral, cabeça de lista à Câmara, teceu também, mais uma vez, duras críticas à coligação PSD/CDS-PP, acusando-a de “promover o divisionismo no concelho, ainda que de forma encapotada”, enquanto promete, se for eleito presidente da Câmara, “colocar Canas no lugar a que aspira e que merece”. Amaral agradeceu publicamente à sua candidata em Canas, Cristina Figueiredo, principalmente “pela coragem que demonstrou em aceitar este desafio”. Numa alusão à elaboração das listas, o líder do PS criticou novamente a coligação PSD/CDS-PP, de numa atitude com intenção “malévola” ter colocado mais 30 pessoas nas listas, do que é exigido legalmente (tiveram depois que as retirar), apenas com o intuito de “manietar essas pessoas, comprometendo-as”. A candidata Cristina Figueiredo, que está acompanhada na corrida à Junta de Canas por Jorge Silva e Dirceu Graça, elencou algumas das promessas eleitorais da coligação, que não foram cumpridas, como sejam “a casa da cultura, a ampliação do quartel dos bombeiros, o centro educativo, e os acessos ao IC12, a rotunda do bombeiro e o relançamento da zona industrial da Ribeirinha”. “Ao invés recebemos apenas alguns rebuçados e chupetas”, acrescentou, afirmando que por isso “é necessária a mudança, pois Canas reclama um novo rumo e uma nova equipa, que coloque fim a uma gestão desastrosa dos últimos 4 anos”. Cristina Figueiredo criticou ainda o executivo, por ter apenas feito “alguns passeios, churrasqueiras e muros de qualidade duvidosa em Canas”