“Os habitantes do concelho sentem que a actual gestão camarária é desastrosa”

Entrevista com o candidato do PPM à Câmara Municipal de Nelas, José Albuquerque Vaz

O que levou a candidatar-se novamente à Câmara de Nelas, praticamente 20 anos depois de ter sido o mais jovem Presidente da Autarquia?

Por um lado a profunda desilusão que os habitantes do Concelho de Nelas sentem pela desastrosa gestão do actual executivo, caracterizada pela falta de respeito pelas pessoas, insensibilidade social, falta de planificação e descontrole orçamental que colocou o Município à beira do caos financeiro.
E, por outro lado, a falta de esperança para mudar isto tudo, uma vez que a oposição nunca foi capaz de apresentar alternativas e ninguém acredita que o candidato do Partido Socialista tenha capacidade para acabar com esta desgraça que se abateu sobre o Concelho.
Desta forma, não me restava outra alternativa que não fosse a de organizar uma equipe jovem, sem passado politico mas constituída por pessoas muito sérias, honestas e competentes que, com a maior das independências, fosse capaz de fazer uma gestão rigorosa das finanças municipais para desenvolver todo o concelho.

Fez apenas um mandato, na época de 3 anos tendo-lhe o PS retirado a sua confiança política, não o reconduzindo como candidato. Ao que se sabe entrou em rota de colisão com o partido na altura… a que se deveram essas divergências?

Efectivamente o meu mandato foi o último com a duração de 3 anos passando, a partir daí, os mandatos a serem de 4 anos.
O partido Socialista nunca me retirou a confiança politica porque eu nunca lha cheguei a dar.
Nunca fui militante de qualquer partido político e sempre pautei a minha vida, em tudo, por critérios de absoluta independência.
É certo que concorri, nessa altura, como independente pelo Partido Socialista e ganhei as eleições com maioria absoluta contra a Aliança Democrática.
Ao fim de dois anos e meio estive para renunciar ao mandato porque ganhava apenas 72 contos (€360,00) por mês e, só por isso, decidi não me recandidatar apesar de o poder fazer por qualquer outro partido político, se desejasse continuar.
Devo referir-lhe que nunca existiu qualquer divergência com o P.S. e tenho até em meu poder um documento assinado a agradecer-me o contributo prestado ao Partido Socialista ao serviço da autarquia bem como um louvor público assinado por todos os vereadores socialistas, pela total isenção partidária com que sempre foram resolvidos todos os assuntos municipais.
É certo que a seguir a mim candidatou-se um militante do P.S. e perdeu as eleições, mas a decisão já foi dos eleitores que não lhe reconheceram nem mérito nem capacidade para desempenhar tais funções.

Quais as principais marcas que deixou enquanto Presidente da Câmara?

Como sabe fui presidente de uma Câmara que não tinha nem meios nem dinheiro e por pouco tempo.
No entanto, orgulho-me do muito que foi feito em Nelas, designadamente o abastecimento de água ao concelho vinda da Barragem de Fagilde, a instalação de novas indústrias, a criação da Comarca e a construção do Edifício do Tribunal, a estrada para a Felgueira, a pré-primária do Folhadal, o restauro do Cine-Teatro, a capela mortuária, a ponte sobre o caminho de ferro no Bairro das Flores e novos arruamentos e Avenidas por todo o concelho, o saneamento e abastecimento de água em Santar, Carvalhal Redondo e Aguieira, habitação social em diversas freguesias, a construção de pontes e viadutos e do Quartel da G.N.R. sede da Junta de Freguesia, pré-primária e o novo campo de futebol em Canas de Senhorim e tantas outras coisas que deixam, para sempre, marcas para as gerações vindouras.

Apresenta uma lista às próximas eleições baseada em personalidades cuja vida profissional lhes permite não necessitar da política. Este foi um dos princípios que presidiu às suas escolhas?

Efectivamente, todas as pessoas que integram a minha lista para a Câmara Municipal, para além da sua formação académica têm carreiras profissionais de grande sucesso e elevado nível com o futuro assegurado e não precisam da política para viver.
No entanto, estão comigo neste projecto de alma e coração, para o assumirem, porque acreditam nele e têm consciência de que, podemos fazer muito mais e melhor pelo concelho.
É, de facto, uma equipa extraordinária e de grande formação moral, da qual muito me orgulho.

Pensa que a política necessita de atrair gente mais jovem e com provas dadas na sua profissão, ao invés de enveredar e premiar o carreirismo político?

Como referiu, quando tinha 30 anos já era Presidente da Câmara, foi uma idade de ouro e aprendi muito pelo que, para além dos atributos que referi anteriormente e que foram determinantes para a escolha da equipe, sempre me preocupei em estar rodeado de bons profissionais com grande formação moral.
Fiz questão que nenhum dele tivesse passado politico porque todos estamos cansados de reformados da política e daqueles que parece que não sabem fazer mais nada.
Quem quiser estar ao meu lado, tem que se levantar cedo todos os dias, até ao Domingo.

Vai apresentar-se ao eleitorado, com que objectivos? A sua candidatura não poderá conduzir a uma maior divisão do eleitorado de esquerda e, com isso, beneficiar a coligação PSD/CDS-PP?

O meu objectivo é o desenvolvimento equilibrado de todo o concelho, com uma forte aposta nas questões sociais, no desenvolvimento industrial com vista ao pleno emprego que abra novas perspectivas aos jovens sem descurar as questões ambientais e a grande riqueza que ainda não soubemos explorar que são as nossas potencialidade no turismo.
Não estou preocupado com a divisão do eleitorado porque nas eleições autárquicas as pessoas sabem o que é o voto útil e conhecem as pessoas.
Hoje há uma grande consciência eleitoral e as pessoas sabem quem são os melhores.

Se for eleito apenas vereador assumirá o mandato?

Essa questão deve ser posta àqueles que já sabem que não vão ganhar.
Candidatei-me para ganhar e como sabe à nossa volta não temos dependentes mas apenas apoiantes e garantem-nos que vamos ganhar.

Irá apresentar listas a todas as Juntas de Freguesia? Confirma a existência de um acordo com Ana Mafalda Lopes em Canas, em termos de apoio mútuo?

Certamente que sim embora reconheça que temos dificuldades na freguesia de Senhorim pelas ameaças que os nossos apoiantes aí têm sofrido.
É uma situação que envergonha a nossa democracia mas quem envereda por tais caminhos vai acabar por reconhecer que regressará sem glória.
Quanto à outra questão que me coloca devo referir-lhe que a Dr.ª Mafalda Lopes, para além de minha sobrinha é uma pessoa de elevada formação moral que adora a sua terra e tem todo o meu apoio.
Nem ela nem eu temos nada a perder – juntos lutamos pelos mesmos objectivos e a sua candidatura é uma lufada de ar fresco naquela terra, acarinhada com grande entusiasmo e espero que as pessoas não confundam os seus sentimentos e elejam os melhores.
Não se pacifica um concelho comprando o líder do movimento, porque isso além de falso é uma ilusão.

Qual o balanço global que faz do mandato da coligação PSD/CDS-PP, após 20 anos de presidência de José Correia?

Penso que a coligação PSD/CDS-PP enganou o eleitorado e as pessoas que têm alguma dignidade ignoram-nos por completo.
Prometeu acabar com o caciquismo do passado e revelou-se muito pior.
Hostilizou os seus apoiantes e aproximou-se dos seus adversários.
Deslumbrou-se com o poder e entrou num delírio permanente de festarolas, sorrisos e beijinhos esquecendo-se do que é essencial e importante para o concelho.
Não há uma obra de referência neste mandato em todo o concelho apesar de terem gasto 44 milhões de euro não se sabem onde.
Não há uma única industria nova no concelho, os esgotos continuam a correr a céu aberto em todo o lado e só vemos lancil e passeios – de gosto duvidoso -. Que apenas servem para manter os empreiteiros do regime.
Perderam-se todos os fundos comunitários e entrou-se numa espiral de endividamento.
As despesas correntes atingiram níveis nunca vistos, a falta de planificação, a desorganização dos serviços e o mau ambiente de trabalho dentro da Câmara Municipal é confrangedor.
Contudo, quero salientar que todos estes factos deveriam ter sido denunciados, há muito, pelo Partido Socialista porque nós somos apenas alternativa e não oposição.

Se for eleito Presidente da Câmara, que projectos e áreas serão para si prioritárias, o mesmo é dizer quais serão as grandes apostas do programa eleitoral com que se vai apresentar ao eleitorado?

As prioridades do novo executivo vão centrar-se, em primeiro lugar, na resolução das gravíssimas condições sociais existentes no Concelho assegurando-lhe, desde já, que nenhuma pessoa carenciada ficará sem aviar os medicamentos de que necessita na farmácia criando-se um fundo especial para o efeito.
Depois, através do programa Eleitoral que vai ser apresentado aos munícipes as nossa prioridades vão centrar-se no desenvolvimento industrial do Concelho no apoio aos agricultores e pequenos comerciantes com politicas de verdade para os jovens e uma especial atenção ao ambiente ao turismo e ao termalismo.

Sabemos que foi abordado pelos actuais dirigentes do Sport Lisboa e Nelas, no sentido de aferir qual a sua abertura, se for eleito, para ajudar a encontrar uma solução para o Clube. Está disponível para reforçar o apoio financeiro à colectividade, no sentido de evitar a sua extinção?

É verdade, mas sabe que o Sport Lisboa e Nelas é uma colectividade com 70 anos de existência que se não pode deixar morrer pelos relevantes serviços que tem prestado em prol do desporto e do apoio à juventude.
E nessa abordagem ficamos a conhecer que alguns dos seus dirigentes estão a viver autênticos dramas na sua vida pessoal e familiar, também pelo facto da Câmara Municipal não prestado o devido acompanhamento a esta situação.
O assunto parece-me de fácil resolução ao longo do tempo e, nessas circunstâncias, todos lhes manifestamos o nosso apoio.

Que soluções preconiza para a resolução da situação financeira difícil por que passa a autarquia?

Quem perceber minimamente de economia e for capaz de distinguir despesas correntes de despesas de capital resolverá facilmente a gravíssima situação financeira da Câmara.
Não é preciso despedir ninguém, basta eliminar a ostentação e tudo o que é supérfluo para, com rigor, equilibrar as finanças municipais e pagar a toda a gente a tempo e horas.

1 comentário a "“Os habitantes do concelho sentem que a actual gestão camarária é desastrosa”"

  1. Mais um há procura de tacho!!!Só espero k este melro nao entre pró poleiro senao em canas acabam se as obras e o desenvolvimento da vila.

Os comentários estão fechados.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies