Câmara de Viseu.Propostas dos vereadores do PS

Na reunião da Câmara Municipal de Viseu (CMV), realizada a 12 de julho, os vereadores do Partido Socialista (PS) na CMV apresentaram vários assuntos.

Para os vereadores do PS o Município deve cumprir o seu papel como dinamizador e impulsionador de novas iniciativas empresariais. Relativamente a isto é capital a competitividade dos parques empresariais do concelho de Viseu, nomeadamente de Coimbrões e de Mundão. O Executivo Municipal demonstrou essa vontade com os projetos de expansão que divulgou e da requalificação da imagem e do ambiente que prometeu. Porém, mais uma vez, gorou ou adiou as expectativas, não sendo ainda encontradas no terreno novidades sobre estes anúncios.

Em reunião os vereadores questionaram o Executivo sobre estes processos. Se estão acauteladas ou garantidas infraestruturas integradas e modernas e demais facilidades que as indústrias procuram. Se haverá novidades em relação a preços por metro quadrado competitivos para os lotes de terreno. Ou, se está prevista alguma diferenciação da oferta dos parques empresariais, através de serviços diferenciados e competitivos às empresas.

Os vereadores do PS referiram ainda ser importante a revitalização dos parques empresariais de Abraveses e Santiago.

Os vereadores do PS expressaram um agradecimento muito particular à organização dos Jardins Efémeros de 2018. É o evento que enche o coração de Viseu, o centro histórico. Um evento que cria, debate e questiona. Que reflete e provoca a reflexão. Potencia o usufruto, a partilha, de espaços comuns e de experiências. Os Jardins Efémeros são um projeto único nacional e internacionalmente que vem da comunidade e que transmite aos viseenses, e aos muitos visitantes na Cidade nesses dias, a Liberdade, a Democracia e o Livre Acesso, em prol da vivência e da criação artística.

Os vereadores do PS questionaram o Executivo – sem resposta cabal para colmatar este problema – sobre as alternativas que estão previstas para os atletas e habituais “utentes” da pista de atletismo do Fontelo no decorrer do Festival de Folclore e nos muitos dias precedentes e posteriores em que pista está encerrada.

Os vereadores do PS propuseram ao Executivo Municipal que, em articulação com os agrupamentos escolares e/ou outras Instituições, organize programas de Férias Escolares, à semelhança do que fazem muitos municípios. A ocupação destes tempos livres, é uma grande preocupação para os pais, incluindo famílias carenciadas, que, muitas das vezes, não podem usufruir de programas de férias organizados por entidades particulares.

Na sequência da auscultação dos agentes educativos, os vereadores do PS, em reunião de câmara, demonstraram alguma apreensão sobre o desenvolvimento do ‘Viseu Educa’. O Programa, com muito boas intenções de base, correu bem nos dois primeiros anos, contudo o mesmo já não é claro nos últimos anos, o que tem fragilizado a prática e o sucesso do ‘Viseu Educa’, lançado com grande amplificação política.  

Estando já próximo do início do próximo ano letivo, os vereadores do PS questionaram o Executivo relativamente a eventuais reajustamentos do ‘Viseu Aconchega’. De facto, foi público e admitido pelo Município, o fracasso deste projeto que visava o apoio e a promoção do bem-estar dos idosos e suas famílias, através do alojamento de jovens universitários nas suas residências. Política municipal que tem tido sucesso em alguns municípios.

Como é usual em tantas outras questões colocadas pela Oposição, o Executivo liderado por Almeida Henriques ignorou a pergunta, não respondendo.

Os vereadores do PS questionam o Executivo sobre a concretização do ‘Viseu Rural’. É indesmentível a realização de algumas ações como a ‘Academia Dão Petiz’, ‘Academia do Linho’, e muitos eventos associados ao Vinho do Dão. Contudo, é muito pouco nítido aquele que deveria ser o principal desiderato  de um Programa desta natureza: ações diretamente dirigidas para quem vive e trabalha na atividade agrícola e nas aldeias, nomeadamente, através de incentivos ao empreendedorismo rural, ao nível da produção agrícola, artesanato, outros produtos endógenos e sua comercialização; promovendo decisivamente o desenvolvimento local das nossas freguesias rurais que continuam a perder população, recursos e atividade económica.

Exemplar desta falta de aposta no mundo rural, e respetiva comercialização de produtos agrícolas regionais, são as obras que tardam em arrancar no Mercado Municipal Viseu. Assistimos aí à venda de produtos hortofrutícolas, sem atratividade, confinada a espaços exíguos e a um parque de estacionamento que, semanalmente, se transforma num espaço onde, atabalhoadamente, alguns produtores tentam escoar a sua produção.

Assinale-se ainda que a iniciativa ‘Mercado dos Lavradores’ não mais se realizou.  Neste âmbito e em consonância com o programa de candidatura do PS à CMV, os vereadores do PS propuseram a realização de um mercado semanal itinerante – alternando o centro da cidade de Viseu e uma freguesia rural do Concelho, percorrendo todas as freguesias rurais em dois anos –  para promover a comercialização de produtos agrícolas de pequenos produtores, artesanato e outros produtos endógenos das freguesias rurais e o artesanato urbano e outras peças de artistas e de artífices locais.

Para a fundamental promoção dos produtos locais, os vereadores do PS propuseram ainda em reunião a criação de uma Bolsa Municipal de Produtores destinada a centralizar, por atividade e região, informação sobre os produtores locais e assim agilizar circuitos de comercialização e oferta local.

Os vereadores do PS aprovaram e enalteceram o projeto e abertura de procedimento por concurso público para a Rede Urbana de Ciclovias de Viseu. Para melhoria da implementação do Projeto – como outros já com atraso significativo face aos anúncios iniciais – propuseram alguns ajustes no traçado relativamente simples, mas que os vereadores consideraram relevantes para uma maior garantia de sucesso de uma rede de ciclovias, em Viseu. Uma Cidade com uma população culturalmente pouco acostumada ao uso da bicicleta no dia-a-dia e com arruamentos e uma morfologia pouco adaptáveis à utilização de bicicleta.

A propósito da indicação do vereador Jorge Sobrado como representante do Município no ‘Viseu Marca’, os vereadores do PS chamaram a atenção que esta deverá ter sido a primeira vez que o assunto ‘Viseu Marca’ foi levado diretamente a reunião pelo Executivo. Os vereadores do PS têm levado assuntos sobre a ‘Viseu Marca’, Feira de São Mateus e outros eventos, para além de questões sobre os próprios órgãos sociais da Associação. Assuntos para os quais não houve grande respostas do Executivo.

Para os vereadores do PS é nítido que em reunião de câmara tem de verificar-se uma maior transparência e maior prestação de contas sobre a ‘Viseu Marca’.

Viseu, 12 de julho de 2018

————————————————–

————————————————–

————————————————–

(José Pedro Gomes) (Maria Isabel Júlio) (Vanda Batista)

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies