Road Trip GAP YEAR passou por Nelas e Carregal do Sal

Entrevista à Associação GAP YEAR com os três Gappers, Renato, Ana e Marta, que nos dão conta das suas fascinantes viagens pelo mundo.

Qual o objetivo das ações no âmbito da Road Trip do Programa Gap Year?

A Gap Year Portugal atua em dois sentidos: por um lado, divulgar ao máximo o conceito de gap year para que seja uma prática mais comum no nosso país ou, pelo menos, levada em maior consideração. Por outro lado, apoiar da forma mais completa possível quem efetivamente quer fazer um gap year. Acreditamos numa geração mais humana, consciente e global e trabalhamos para provar que há mais do que um caminho. A Road Trip têm como objetivo a dinamização e promoção do gap year como um ano de desenvolvimento pessoal, com verdadeiro impacto no futuro. Acreditamos que este roteiro pelas escolas secundárias portuguesas é a melhor forma para contactar diretamente com as gerações mais novas e começar a mudar mentalidades desde cedo! Através dos testemunhos dos nosso gappers, os alunos ganham proximidade com o conceito

Quantas pessoas envolvidas e com que meios e apoios contam para as levar a cabo?

Esta já é a 2ª edição da Road Trip Gap Year e a equipa aumentou: contamos com três gappers em viagem, mais uma equipa de backoffice de duas pessoas para apoio logístico e contacto com parceiros e ainda uma carrinha completamente equipada. Como ONG não existe capital suficiente para investir a solo num projeto desta dimensão, para avançar contámos com a parceria do MOCHE. Depois de três meses pela estrada, a Road Trip já passou por mais de 60 escolas, contactou com milhares de alunos e agora segue-se a passagem pelas ilhas!

 

 

Por onde têm passado e razões da inclusão de Nelas e Carregal no vosso roteiro ?

A Road Trip Gap Year teve início em Janeiro de 2018 e terminará em Abril, irá percorrer mais de 80 escolas secundárias por todo o país incluindo ilhas.

Já passámos pelo Algarve, Alentejo, Lisboa e centro do país.

A associação Gap Year Portugal foi fundada há cinco anos com o apoio da fundação Lapa Lobo, logo faz todo o sentido passar pelo concelho de Nelas e arredores. Fomos às escolas secundárias de Carregal do Sal, Nelas e Canas de Senhorim, onde fomos muito bem recebidos pelos alunos.

Relatem sucintamente a vossa experiência de Gap Year,com ênfase para o trabalho voluntário desenvolvido e que momentos foram mais marcantes nas viagens efetuadas …

Somos três viajantes, a Ana, a Marta e o Renato. Cada um de nós tem experiências completamente distintas e em diferentes partes do mundo.

A Ana, licenciada em Arquitectura, após o seu Erasmus de seis meses no Uruguay decidiu prolongar a sua estadia e acabou a viajar por países como o Peru, Argentina, Chile, Brazil, Equador, Colombia e México.  Durante a sua viagem de um ano trabalhou em diversos hosteis a receber outros viajantes em troca de alimentação e estadia e até em alguns cafés, algo que nunca tinha feito em Portugal. Após esta grande viagem, através do SVE (Serviço de Voluntariado Europeu) o destino foi a Georgia onde esteve dois meses na cidade de Kutaisi a ajudar na gestão de um projecto de empregabilidade da população local.

A Ana desde que chegou começou a trabalhar como guia turística no cidade do Porto e com as aprendizagens que retirou das experiências de viagem deseja terminar a sua tese.

A Marta após a sua licenciatura em Comunicação Social, três projectos de voluntariado em Moçambique e Cabo Verde e um Intercâmbio de seis meses em Macau e uma viagem pelo Sudeste Asiático, decidiu ir à boleia sozinha pela Europa, após várias experiências decidiu continuar a viajar e acrescentou ao seu ´´currículo’’ de viagens uma viagem à boleia de Lisboa até Marrocos e mais recentemente regressa da sua maior viagem com a duração de oito meses pelo Nepal e India, onde esteve a caminhar durante um mês nos Himalayas e percorreu sozinha a loucura da India.

Desde 2014 que a Marta não pára de explorar e aprendeu que não há impossíveis, desde que chegou tem o intuito de inspirar as raparigas portuguesas e mostrar que viajar não é um bicho de sete cabeças.

O Renato após terminar a sua licenciatura em Psicologia do Desporto e estagiar durante dois meses, não se sentia realizado com o seu trabalho e foi trabalhar para Londres. Dois anos depois cansado de uma rotina, e de excesso de trabalho tirou duas semanas de férias que se estenderam para dois anos de viagem. Foi de Vila Real de Santo António de onde é proveniente à boleia até ao Irão. Com poucos euros no bolso ao longo da sua viagem trabalhou nas vindimas em França, numa carrinha onde fazia pizzas e fez voluntariado numa quinta ecológica.

Após chegar considera que a viagem mudou o seu modo de ver a vida e quer motivar os jovens Portugueses a saírem da zona de conforto.

Redes Sociais dos viajantes:

Facebook:

Com a casa às costas

Boleias da Marta

Instagram:

@comacasaascostas

@boleias.da.marta

@sodavilaetokagando

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies