Este conteúdo está bloqueado. Aceite os cookies para o visualizar.

Este conteúdo está bloqueado. Aceite os cookies para o visualizar.

“A imprensa serve para proteger os governados e não os governantes”

Este conteúdo está bloqueado. Aceite os cookies para o visualizar.

O jornalismo a servir a sociedade, o povo, e não os seus governantes, é a nota dominante da grande película de Steven Spielberg, que narra o grande desafio para o “Washington Post” de publicar um arquivo a que teve acesso, sobre a fatídica e sangrenta guerra do Vietnam.“The Post” é um hino à liberdade e à democracia.

A decisão do Supremo Tribunal de Justiça dos EUA no processo movido pela Procuradoria Geral da República contra os jornais “Washington Post” e “New York Times”, foi categórica a favor da liberdade. Ambos os jornais, ao terem acesso a um dossier explosivo sobre a Guerra Vietnamina, não hesitaram em publicá-lo, mesmo podendo, no caso do “Post”, levar ao seu encerramento.

“The Post” com Meryl Strip e Tom Hanks, relata a dialética e dinâmica entre a Administração e a Direção Editorial do “Washington Post”, num período social e politicamente tenso nos Estados Unidos da América, ao longo da década de 60.

A defesa do jornalismo livre, da noção de responsabilização (“se não formos nós (jornalistas) a responsabilizar os políticos, quem o faz?) e da separação de poderes e funções numa grande redação,marcam indelevelmente o filme. O enredo centra-se no tratamento jornalístico de informação classificada como ultra secreta pelos serviços de inteligência, evidenciando um orgulho Americano que fez com que diversas Administrações (desde Roosevelt, a Truman, Kennedy,Lyndon Jonhson e Richard Nixon) tivessem enviado dezenas de milhares de soldados para o Vietnam, sabendo de antemão que seria uma guerra perdida. O estado Americano interpôs várias providências cautelares para evitar a divulgação massiva deste dossier que supostamente colocava em risco a defesa nacional. Não surtiu efeito pois o interesse de defesa da liberdade de imprensa prevaleceu.

Uma profissão que se exercida com ética, voltada para o interesse público, pode ser muito nobre. A maior gratificação de um jornalista, é ver que a sua atuação teve impacto positivo na sociedade – ou contribuindo para ser mais e melhor informada, ou contribuir para que os seus problemas (desde os mais pequenos), possam ser resolvidos.

Este conteúdo está bloqueado. Aceite os cookies para o visualizar.

Este conteúdo está bloqueado. Aceite os cookies para o visualizar.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies