Caos no setor da Saúde : Primeiro Ministro assegura não haver cativações

Foto : Observador

O caos nas Urgências e as dificuldades no setor da Saúde levaram esquerda e direita a apontar o dedo a António Costa, que garantiu não haver cativações no setor.

A EDP e os CTT também obrigaram o primeiro-ministro a dar explicações. “Os profissionais de saúde estão a fazer tudo, o senhor é que não está a fazer nada”, atirou Hugo Soares, do PSD, o primeiro a questionar Costa. Catarina Martins, do BE, foi mais dura e quis saber por que motivo o Governo não usou os 385 milhões de folga – resultado de o défice de 2017 ficar abaixo do previsto, nos 1,7% –para a Saúde. “É inexplicável”, frisou a líder do BE. Já Assunção Cristas, do CDS, ligou os problemas no setor às retenções de verbas feitas pelas Finanças, o que obrigou Costa a dizer que “não houve cativações no Serviço Nacional de Saúde”. Já na resposta ao PCP, o primeiro-ministro garantiu que “camas nos corredores não são regra”e justificou que os “a política do Governo não deve ser avaliada nos períodos de pico”. Antes, o BE acusou o Executivo de ceder à EDP, o que levou Costa a admitir que a elétrica devia pagar mais. E o PCP recordou o fecho de postos dos CTT, a que o primeiro-ministro disse estar de “mãos atadas”. “Tenho pena de que a ideia não seja minha” A disputa interna do PSD acabou por também entrar no debate quinzenal com o primeiro-ministro, à conta da eventual entrada no Montepio de capital da Santa Casa. Questionado pelo CDS, António Costa atirou que o dossiê só aparece à conta da batalha entre Rui Rio e Santana Lopes. “Não sei de quem foi a ideia, mas só tenho pena de que não tenha sido minha”, frisou. “A Santa Casa é uma entidade com elevada liquidez e que faz bem em diversificar a aplicação dos seus ativos”. Para Costa, “o negócio deve ser feito e não é para tirar o dinheiro dos ricos para dar aos pobres”. “O Montepio não é um banco qualquer”. Desde que Santana Lopes se candidatou à liderança do PSD, têm surgido notícias que dão conta de que a ideia do negócio foi do então provedor.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/politica/detalhe/caos-na-saude-domina-debate-quinzenal