Presidente do IPV toma posse : “É preciso acabar com a situação dos 50 mil jovens que nem estudam nem trabalham”

O novo presidente do Instituto Politécnico de Viseu quer aumentar o número de alunos na instituição e diz que para isso é necessário diminuir diferenças entre o interior e o litoral do país. No discurso da tomada de posse, que decorreu na aula magna do Politécnico, João Monney Paiva defendeu que é preciso acabar com a situação dos 50 mil jovens que nem estudam nem trabalham

“Temos um problema e não é demográfico. A nossa taxa de cobertura para o ensino superior ainda é pequena. Todos os anos, e este ano volta a acontecer, cerca de 50 mil jovens são remetidos para o estatuto de nem estuda nem trabalha. Não é aceitável que gerações e gerações sejam postas de fora de um percurso, que ao nível do secundário está em linha com aquilo que é a sua formação de ensino superior, unicamente porque temos um problema de regulação, que pode ser muito gratificante para quem tem uma visão da formação do tipo elitista, mas que não corresponde às necessidades do país”, sustentou.

João Monney Paiva anunciou que o IPV está “empenhado para discutir e propor soluções” na regulação do acesso ao ensino superior.

Para o novo presidente, o Politécnico tem de seguir também o caminho da sua presença internacional, sem deixar de ser uma instituição relevante para a região.

Anunciou ainda que vai ser feita uma modernização administrativa para que a comunicação consiga chegar a 80 por cento da população jovem que não é “sensível a um tipo de ensino que seja declamatório e discursivo”.

Caminhos que João Monney Paiva apontou para “melhorar a perfomance académica” dos alunos que quer que participem em novas dimensões académicas, desde a cultural à solidária.

“Tenho nos jovens e nos estudantes um exemplo de dedicação, de inteligência, capacidade de realização que é gratificante a todos os níveis”, disse logo no início do seu discurso.

Fonte : Jornal do Centro