“Mangualde – o Nosso Património” : Nossa Senhora da Saúde de Cunha Alta

A Fundação de Nossa Senhora da Saúde de Cunha Alta é o destaque, da campanha «Mangualde, o nosso património!», para o mês de setembro. Promovida mensalmente pela autarquia, esta campanha tem como objetivo aproximar a população do património mangualdense do mais que belo existe no concelho.

NOSSA SENHORA DA SAÚDE DE CUNHA ALTA – FUNDAÇÃO

Pouco distante da aldeia de Cunha Alta fica o santuário e ermida dedicada a Nossa Senhora da Saúde. É no lugar de São Pedro, pois ali era, até finais do século XVII, a sede da paróquia dedicada àquele apóstolo.

A ermida foi fundada nos finais do século XVII, levando em linha de conta o que Frei Agostinho de Santa Maria, em 1716, nos relata: “Pelos anos de 1670, ou alguns antes, veyo do Algarve huma mulher nobre, chamada Dona Mariana (…). Assistia esta em casa de Manoel Osório do Amaral (…). Morava este no Lugar de Almeydinha, Freguesia de São Julião de Mangoalde. Trazia esta virtuosa mulher comsigo huma Imagem de Nossa Senhora, com quem tinha muito especial devoção, (…) & a invocava com o nome de Nossa Senhora da Saude. Esta mulher deo, ou deixou por sua morte, esta Santissima Imagem a Manoel Osorio, o qual sem duvida por se achar sem merecimentos de poder ser o depositário de huma joya tão preciosa, elle com os moradores do Lugar da Cunha Alta dispuzerão erigir à Senhora huma Casa, para que nella fosse louvada, & servida”. A escolha do sítio para a construção da ermida recaiu no local da antiga igreja paroquial, “da qual jà não havia vestígios”.(…) Succedeo isto pelos anos de 1670.”

Com esta campanha todos ficam mais próximos do vasto esplendor patrimonial do nosso concelho. Nesse sentido, continua a ser colocada, em vários pontos de encontro do concelho, informação sobre o monumento/património apresentado. O património material e imaterial vai sendo apresentado consoante a categoria com a qual foi classificado: arqueologia, pelourinhos, fontes, palacetes e religiosos, bem como outros bens patrimoniais. Cada categoria será representada por uma cor que a distingue das restantes.

Foram já vários os bens patrimoniais destacados por esta campanha nos últimos três anos. Deixamos de seguida apenas alguns exemplos. Em maio último destacamos a Igreja de São Silvestre de Pinheiro de Baixo e de Cima e Picota: tecnologia antiga, no mês de junho, os Vestígios de Outrora: Vila Nova de Espinho, em agosto Paredes que falam da História, em setembro o Santo António dos Cabaços. As últimas campanhas contemplaram a Arquitetura modernista em Mangualde, Tribunal de Mangualde e Português Suave. Ao arrancar 2017 o destaque foi para os Refrigerantes Condestável… de Abrunhosa do Mato no mês de janeiro e para os Bordados de Tibaldinho… património das culturas populares, no mês de fevereiro. No mês de março o destaque foi para a Casa dos Condes de Mangualde, no mês de abril foi para a Fonte de Ricardina, em maio para Pinheiro de Tavares ao tempo do Império Romano, em junho para a capela de São Domingos de Ançada, em julho, a Carvalha…a nostálgica lembrança de um património e em agosto, a Capela de Santo António, em Mesquitela.