Cemitérios entram na refrega eleitoral

Amadeu Araújo

Os cemitérios entraram na campanha eleitoral autárquica com o PSD a pedir “respeito” pelas pessoas. E isto porque em Senhorim foi colocado um cartaz a dar conta da ampliação do cemitério mas “8 meses depois não há obra”, desabafa a candidatura de Isaura Pedro. Para os social-democratas “o placard publicitário colocado junto ao cemitério, tem a frase chapada da campanha eleitoral de Borges da Silva. E sim, provavelmente são ambos feitos pela mesma entidade”, acusam.

O suficiente para que o PSD peça “respeito pelas pessoas, decência e decoro na presidência da Câmara Municipal do nosso concelho. Vive-se da imagem a qualquer custo, ou melhor, à nossa custa”.

A postura desagradou a Borges da Silva que lembra que em só Dezembro “foi assinado o contrato-promessa de compra e venda dos terrenos necessários à ampliação do Cemitério de Senhorim e respetivo parque de estacionamento, terrenos estes que totalizam uma área de 4191m² e que foram adquiridos pelo valor de 110.000€; terrenos e habitação existente”. Borges lembra que “a Junta comprou um terreno mas houve uma acção em tribunal e o processo voltou à estaca zero. Depois foi preciso pedir parecer à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro e toda esta tramitação atrasou o processo”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mas o autarca, que se recandidata e que esta terça-feira inaugura a sede de campanha, aconselha o PSD a “estar calado em matéria de cemitérios. Quando chegámos à Câmara tínhamos a capacidade esgotada, nem em Vilar Seco havia um talhão disponível e hoje temos as condições para que haja capacidade disponível”. E lembra que “já está a decorrer o concurso, que pode ser consultado na plataforma da contratação pública, para o alargamento e construção de muros nos cemitérios de Senhorim mas também em Vilar Seco, Folhadal e Canas de Senhorim num investimento substancial e capaz de resolver, para futuro, esta questão”.

O processo, que corre na plataforma pública, tem o registo AD 11/2017-E e só depois de concluído poder-se-ão iniciar os trabalhos, cujo projeto e condições também já estão definidos.