Vinho Português já é insuficiente para Exportação

“Já não temos quantidade para o aumento de procura”. A afirmação é de Jorge Monteiro o presidente da Viniportugal, o organismo responsável pela promoção dos vinhos nacionais no exterior.Os vinhos nacionais passaram de “desconhecidos” a “novidade a que se reconhece qualidade”.

A ProWein, considerada a maior feira mundial de vinhos, desenvolveu este ano um estudo sobre mercados internacionais, tendências de marketing e o desenvolvimento de canais de venda de vinhos. 358 empresas nacionais estiveram presentes na feira deste ano e participaram neste estudo que serve agora de guia para produtores e profissionais do lado do comércio.

Em 2016, segundo dados oficiais alemães, as importações de vinhos portugueses aumentaram 16,4% em valor e 21,2% em volume. Para aquele mercado os vinhos portugueses estão em segundo lugar no aumento de procura, e o estudo revela que ocupam já a quarta posição mundial no ranking do crescimento do interesse dos consumidores globais.

“Portugal é hoje reconhecido pela consistência da qualidade dos seus vinhos. Um país que produz sempre bem”, refere Jorge Monteiro. O presidente da Viniportugal recorda que já não é o mercado da saudade o que alimenta o negócio da exportação e dá como exemplo de reconhecimento o facto de por exemplo no Rio de Janeiro “quase cinco mil pessoas pagaram 130 reais (36 euros) para poderem provar vinhos portugueses”.

Os vinhos portugueses são muito gastronómicos e, a par da relação preço/qualidade, têm vindo a conquistar mercados como o dos Estados Unidos ou do Canadá, onde o esforço promocional da Viniportugal se tem centrado.