Deslocalização da DS Smith para Nelas. Vereadora Ana Borges (PS Carregal do Sal) considera que houve “desonestidade” no processo

Tudo se passou na rede social Facebook. A notícia que na passada semana avancámos sobre o protocolo assinado entre a DS Smith e a Autarquia de Nelas, está a provocar grande polémica.

De acordo com as declarações do edil de Nelas, Borges da Silva, ao nosso jornal, no decurso do Seminário de Empreendedorismo,a DS Smith irá criar “76 postos de trabalho líquidos na ZI 1 de Nelas”, consentâneo aliás como o protocolo firmado, onde é explicitado que “pelo presente protocolo e conforme o preceituado no artigo 5.º, n.º6, alínea a) do Regulamento de Apoio ao Investimento e à Criação de Emprego do Município de Nelas, o “Município de Nelas” compromete-se a atribuir à “DS Smith” um apoio de 250€ (duzentos e cinquenta euros) por cada posto de trabalho líquido criado nas novas instalações, sitas na Zona Industrial I de Nelas, através do recurso ao contrato de trabalho a tempo inteiro, com duração não inferior a três anos, incluindo renovações, a contar da data da concessão do apoio, sendo este o período de tempo considerado para avaliação do caráter líquido da criação do posto de trabalho”.

Contudo o responsável ibérico pela empresa, Vasco Garcia Lopes, ouvido pela Rádio Jornal do Centro, foi claro : “não criados para já quaisquer novos postos de trabalho – apenas transferimos para Nelas cerca de metade dos 140 que temos no Parque Industrial de Oliveirinha, ou seja, entre 70 e 80 trabalhadores”.

Com milhares de visualizações, nos concelhos de Nelas e Carregal do Sal, a matéria levou a diversos comentários. Alguns leitores, na rede social Facebook, questionaram se a Câmara de Carregal do Sal terá feito tudo o que estava ao seu alcance para evitar esta transferência. “Mas se eles conseguem, porque não consegue a nossa Câmara? Se eles infelizmente, vão mudar, não será porque, não lhes foram dadas as condições necessárias, que a Câmara de Nelas lhes deu? Preocupante mesmo! Deveriam cativar, e não deixar fugir, os que cá estão!”, foi um dos comentários. Ana Borges, Vereadora do PS na Câmara de Carregal do Sal, veio então a terreiro defender a posição do seu Executivo, afirmando que : “E acham que não foi feito???.O porquê da saída apenas vos posso dizer que houve DESONESTIDADE”. O nosso jornal contactou, via mensagem, Ana Borges, no sentido de esclarecer esta situação, mas até ao momento sem qualquer resposta.

Como nota final, de referir que a autarquia de Nelas, de acordo com o protocolo firmado com a DS Smith, além de outras contrapartidas, irá conceder um subsídio pela “criação líquida de postos de trabalho, no valor de 250€ por trabalhador”, de acordo com o regulamento municipal.