Autárquicas 2017 Nelas : Os nomes de que se fala e os confirmados

Sem dúvida que o CDS/PP parece ser o partido que tem mais avançado o processo autárquico 2017. Confirmada que está a candidatura de Manuel Marques a presidente de Câmara, os sempre importantes números dois e três da lista, estão também confirmados : Júlio Fernandes, bancário de Moreira, que há muitos anos reside em Canas de Senhorim e a Nelense Sara Batista, técnica de seguros. Relativamente à Assembleia Municipal, está confirmado o nome de Armando Carvalho, destacado militante do PS, que já foi deputado municipal pelo seu partido. Armando Carvalho, natural de Santar, é uma figura prestigiada no concelho e fora dele e está com Manuel Marques, que nos confirmou “ter outros socialistas de Nelas a apoiarem-me”, resultado da profunda fratura provocada no interior do partido. João Alfredo Ferreira, antigo presidente da direção dos Bombeiros de Nelas, é um dos históricos do PS que está também com Marques.Em relação às listas nas freguesias, o candidato do CDS assegura ao nosso jornal ter todas as listas prontas, exceto em Canas de Senhorim. onde nos adianta que “a ideia é não apresentarmos lista, se o Movimento e os seus membros na Junta de Freguesia se mantiverem totalmente isentos na eleição para a Câmara, ou seja, sem qualquer ligação ou apoio a qualquer candidatura à Câmara Municipal”. Marques assegura que se tal não acontecer, “tenho tudo pronto para avançar com uma lista também em Canas de Senhorim”.

O atual Vereador pelo CDS/PP, dá mais duas garantias : “só motivos de saúde me irão impedir de ser candidato e, eleito, vou cumprir o meu mandato até ao fim, como já demonstrei ao não aceitar os cargos de vice-presidente da CCDRC, e diretor dos Serviços Jurídicos da ASAE, ambos em Coimbra”. “Morrerei para a política no meu concelho”, remata.

Também o PSD tem o processo em curso, tendo sido o partido que viu a sua candidata ser confirmada mais cedo pelo órgão nacional. Isaura Pedro, atual deputada na Assembleia da República, encabeça a lista à Câmara Municipal, e fontes próximas do partido dão-nos conta que o ex presidente do ABC de Nelas, Joaquim Amaral, também ele destacado militante do PSD, desde sempre, mas que desde 2005 não integra qualquer lista, é dado como certo no segundo lugar da lista. Contactado pelo nosso jornal, o líder da concelhia, Daniel Marialva, apontado para o terceiro lugar, não quis adiantar, de momento, qualquer informação, aguardando pela discussão interna. O atual vereador Artur Jorge Ferreira, poderá ser o candidato a presidente da Junta de Freguesia de Nelas.

O PS ainda não tem candidato confirmado. A Comissão Política Nacional do partido, apesar de ser clara quanto à orientação geral do partido de recondução das candidaturas dos atuais autarcas (exceciona os que tenham processos judiciais em curso), o certo é que tarda em resolver os casos complicados, em que as comissões políticas concelhias não apoiam os atuais presidentes de Câmara, onde se inclui Nelas, onde o partido continua mergulhado numa fraticida “guerra aberta”. Mas acreditando que Borges da Silva se vai recandidatar pelo PS a um segundo mandato (tudo indica que sim), deverá ter como número dois o artista plástico e histórico do partido, Aires dos Santos, e como número três a atual Vice Presidente, Sofia Relvas, pese embora, no meio político local, e com muita insistência, circule o nome da atual deputada municipal, a Canense Mafalda Lopes, como uma possibilidade muito forte também para o segundo lugar da lista, sendo vista como muito popular na freguesia de Canas de Senhorim e com um “perfil de competência e sobriedade que seria uma grande mais valia para Borges da Silva”, confidencia-nos uma fonte próxima do atual presidente da Câmara. Lembramos que Mafalda Lopes registou já em Canas uma expressiva votação, mais concretamente em 2009, em que encabeçando um movimento independente para a Assembleia de Freguesia, conquistou 556 votos, ou seja, 26,59%, num território de muito difícil penetração, tendo mesmo ficado muito à frente do PS, que teve 312 votos.

Resta dar conta, como já avancámos ontem, que Nuno Vaz não se irá recandidatar pela CDU, mas poderá ainda integrar um eventual movimento na “margem esquerda”.