PSA propõe congelar salários até 2020. Trabalhadores ameaçam com paralisação

A Comissão de Trabalhadores da PSA Citroën de Mangualde ameaçou, esta tarde de quinta-feira, que a empresa pode vir a paralisar, depois de a empresa ter proposto aos trabalhadores o congelamento de salários até 2020 e o alargamento dos horários de trabalho.
“A empresa oferece um prémio de 125 euros a quem assinar a proposta”, adiantou Jorge Abreu, presidente da Comissão de Trabalhadores da unidade de Mangualde.
“É um embrulho com laçarote mas com uma maçã envenenada”, acrescentou, à entrada da unidade onde esta quinta-feira foi distribuída informação aos trabalhadores.
Jorge Abreu entende que a proposta “é vender direitos ao desbarato” e lembra que que os funcionários já têm uma bolsa de horas com 260 horas negativas, o que corresponde a quase três meses de trabalho feito a mais, sem remuneração.
De acordo com a CT, a maioria dos trabalhadores rejeitou, por voto secreto, a proposta e diz que a empresa está agora a fazer chantagem.
“A empresa não está disponível para negociar, está a desrespeitar a expressão dos trabalhadores e está a chamar individualmente cada trabalhador, para desta forma os obrigar a aceitar estas condições”, afirma Jorge Abreu, que vai apresentar queixa junto da Autoridade para as Condições do Trabalho.
De acordo com Jorge Abreu, a administração também deixou claro que, caso os trabalhadores da PSA de Mangualde não assinem a proposta, também poderão não ter direito a receber os lucros da empresa, tal como foi prometido.
“Vamos até às últimas instâncias, tudo está em cima da mesa, estamos fartos de levar porrada” afirmou Jorge Abreu, que admite paralisação total da fábrica.
A administração da PSA de Mangualde não se mostrou disponível para prestar esclarecimentos.
JN on line