Miguel Moreira treina o Borussia de Dortmund. Os pais são de Pardieiros

«Só por curiosidade, como chegaram até mim?» A pergunta, feita entre risos, é o remate na conversa com Miguel Moreira, treinador adjunto dos sub-19 do Borussia Dortmund. E não é, de todo, uma pergunta descabida. Afinal, quantos portugueses sabiam que há um compatriota na estrutura do adversário do FC Porto na Liga Europa?
É por isso que, bem antes dessa questão já na fase de despedida, a conversa com Miguel Moreira tem um ponto de partida obrigatório. Afinal, estamos

a falar com quem?

«Tenho 32 anos e já nasci em Dortmund. Os meus pais emigraram nos anos 70, eram de Pardieiros, concelho de Carregal do Sal, perto de Viseu. Nasci cá e morei aqui a minha vida toda», confessa. Mesmo tendo nacionalidade portuguesa, nunca morou em solo lusitano. Pela forma de falar ninguém diria. O português é perfeito.
Isso também tem explicação. Miguel Moreira teve aulas de português desde a escola primária. Conta, de resto, que era prática comum entre emigrantes lusos no passado, mesmo que acarretasse sacrifício pessoal.
«Antigamente a comunidade portuguesa de Dortmund era muito maior e havia uma vontade muito grande em que o português tivesse implementação. Para ter uma ideia, tinha uma escola muito mais perto de minha casa mas fui para outra para ter aulas de português. Havia quem fizesse uma hora e meia de comboio todos os dias para ir para uma escola onde pudesse aprender português. Hoje já ninguém faz isso e o português até está a desaparecer das escolas», lamenta nesta conversa com o Maisfutebol.
Dortmund está a perder portugueses e a língua também deixa de aparecer tanto. Miguel Moreira confessa a sua parte da ‘culpa’: «Casei com uma alemã, tenho uma filha de três meses. Já pouco se fala português. Só com os amigos.»
A conversa em torno das raízes e da língua é o ponto de partida. Venha, então, o futebol. Que surgiu desde cedo na vida de Miguel Moreira mesmo que numa expressão diferente da que hoje ocupa.
«Joguei futebol desde os 6 anos até aos 30, em clubes amadores. No máximo cheguei à 5ª Divisão alemã. Nunca deu para mais (risos). Quando era mais novo, com 12 anos, ainda estive perto de chegar ao Borussia Dortmund, mas acabou por não acontecer. Fui chamado à seleção de Dortmund mas depois as coisas não avançaram», recorda.
Seguiu outro rumo profissional, tirando um curso de fisioterapia, profissão que ainda hoje exerce. O futebol foi sempre um caminho que traçou em paralelo. Até que um dia Jurgen Klopp ajudou a mudar-lhe a vida.
«Indiretamente, entrei no Dortmund pela mão do Klopp»
Miguel Moreira jogava no ASC 09 Dortmund. O treinador dessa equipa era jovem e também jogava. «Era o Hannes Wolf. Fazia dupla atacante comigo», conta.
O bom trabalho fez com que a equipa fosse nomeada para melhor equipa da cidade. «Na Gala onde iriam ser atribuídos os prémios estava também o Jurgen Klopp, que estava no primeiro ano do Dortmund», conta.
«Não sei porquê mas ele achou graça ao Hannes e acabou por convidá-lo para treinar nas camadas jovens do Dortmund. Ele foi, eu fiquei, mas continuamos amigos. Só que depois o adjunto dele mudou-se para outra equipa e ele convidou-me para o substituir. Estou lá há três anos. Indiretamente, entrei no Dortmund pela mão do Klopp», acrescenta entre risos.

Mais futebol