“A exigência ambiental é boa para a economia” defendeu o Deputado Pedro Soares na Urgeiriça

O Deputado do Bloco de Esquerda e presidente da Comissão do Ambiente, Ordenamento do Território e Poder Local, Pedro Soares, defendeu hoje que as entidades nacionais e a opinião pública têm de ser mais exigentes em termos ambientais.
“Todos nós, as entidades e a opinião pública, temos de ser mais exigentes em termos ambientais. A exigência ambiental é boa para a economia também, pois obriga a que haja um ‘upgrade’, uma evolução tecnológica nas empresas e na economia em geral”, sustentou.
No final de uma sessão pública, que decorreu sobre a evolução da situação do tratamento das águas residuais no concelho de Nelas e das descargas de

efluentes industriais da empresa Borgstena na Ribeira da Pantanha, Pedro Soares sublinhou que poluir um curso de água é sempre mais grave, quando se trata de uma região em que o ambiente é a sua imagem de marca.

“A Ribeira da Pantanha passa junto de uma instalação hoteleira e termal e era fundamental que se resolvesse esta questão para contribuir para uma boa qualidade de toda a bacia hidrográfica do Mondego”, acrescentou.
Pedro Soares mostrou-se satisfeito “com os progressos feitos para a resolução do problema”, tendo verificado “o empenho da Câmara de Nelas e da administração da Borgstena”.
“Tivemos oportunidade de ver que estão a existir medidas concretas no sentido de se procurar resolver uma situação que era grave. As medidas de pré-tratamento que a empresa está a levar a cabo, e que estarão concluídas em meados deste ano, vão melhorar bastante a situação e, com a construção da nova ETAR em Nelas, que estará concluída em finais de 2017, a situação ficará resolvida em definitivo”, apontou.
O presidente da AZU, António Minhoto, mostrou-se satisfeito com os compromissos assumidos pela Câmara de Nelas e pela empresa Borgstena, “na resolução de um problema ambiental que se vem arrastando”.
“Se forem cumpridos todos estes compromissos, esta questão ambiental fica praticamente resolvida”, admitiu.
Na sessão pública, marcou presença Jorge Machado, presidente do conselho de administração da Borgstena, que revelou que, a curto prazo, a empresa “vai triplicar o tratamento, com investimentos na ordem dos 600 mil euros, que já estão em curso e devem ficar terminados em meados de junho”.
“A solução definitiva será quando a Câmara Municipal de Nelas concluir a ETAR número 3, no final de 2017”, concluiu.
Lusa