Executivo PS tomou posse há precisamente dois anos …

Foi em 28 de Outubro de 2013, que o Executivo PS tomou posse à frente dos destinos da Câmara Municipal de Nelas, colocando um ponto final na governação de oito anos da coligação PSD/CDS-PP. O novo presidente da Câmara, José Borges da Silva, concretizou um sonho antigo de liderar a autarquia. Se o seu mandato tem sido pautado por alguma instabilidade no seio do seu executivo, com alguns momentos em que entrou em rota de colisão com o seu vice, Alexandre Borges e o vereador socialista e presidente da concelhia, Adelino Amaral, a verdade é que o atual executivo tem vindo a levar a cabo diversas políticas que têm dado grande visibilidade ao concelho, como há muito não se via. Isto para além de Borges da Silva estar prestes a cumprir um dos grandes desígnios a que se propôs em 2013 : resolver o problema ambiental do concelho. O autarca, um trabalhador incansável, reduziu também a equipa política, emagreceu a estrutura de custos, impõs uma gestão financeira rigorosa, com grande disciplina, para poder olhar para o futuro com um otimismo que há dois anos parecia longe do horizonte. Para além disto, teve o condão de prosseguir uma política amiga do investimento privado, aliás elogiada por diversos empresários que se têm instalado no concelho e aumentado aqui os seus investimentos (Aquinos, Lusofinsa, Movecho, Lusovini,Caminhos Cruzados, Vinasantar, Carlos Cunha Torres, entre outros). 
Borges da Silva e a sua equipa têm assim razões para encarar o futuro próximo com energia e dinamismo, energia que muitas vezes é “sugada” (como ele próprio admite) por reuniões de Câmara muito conturbadas que, como não nos cansamos de repetir, em nada dignificam o órgão e em nada contribuem para que o concelho avance. O balanço, na nossa opinião, é assim claramente positivo. Borges da Silva já nos deu conta em Agosto que está em aberto por que força política se irá recandidatar em 2017. Certo é que se na segunda metade do seu mandato, em termos políticos, existir uma gestão mais equilibrada, infletindo algumas linhas de ação, poderá ser “cobiçado” pelos dois maiores partidos do concelho (PS e PSD). Numa altura em que está a ser discutido o orçamento camarário para 2016, parece estar a existir uma cada vez maior convergência de posições com o PS. Ao que parece uma das questões mais fraturantes – o pagamento do subsídio de reintegração aos herdeiros do ex autarca do PS, Rui Neves, está também em vias de resolução, o que mais irá contribuir para serenar os ânimos. 
Deixamos aqui, a título retrospetivo, o artigo que neste diário digital escrevemos aquando da tomada de posse  :
NOTÍCIA de 29 de Outubro de 2013 : 
No discurso que proferiu ontem na sua tomada de posse como novo Presidente da Câmara de Nelas, José Borges da Silva reiterou que irá encontrar uma Câmara com “gravíssimas dificuldades financeiras” e um concelho caraterizado pela “calamidade ambiental, perda de centenas de postos de trabalho, encargos com juros e empréstimos que retiram liberdade de acção, falta de crédito na Câmara, ameaça de encerramento de serviços essenciais”. O autarca acusou a sua antecessora de “não ter tido a amabilidade, cortesia e elevação democrática e  de defesa dos superiores interesses das instituições e populações que diziam até defender intransigentemente” de “transmitir as informações necessárias” para se inteirar do atual estado da autarquia.

José Miguel Silva