AZU alertou em Nelas o Secretário de Estado do Ambiente para os graves problemas ambientais do concelho

Em nota de imprensa que fez chegar à nossa redação, a AZU (Associação para o Ambiente em Zonas Uraníferas) alertou o responsável governativo da área ambiental, para as graves situações de poluição da Ribeira da Pantanha e Valinhos, originadas pelas descargas de efluentes industriais da Borgstena :

NOTA de IMPRENSA : 
A AZU, quis aproveitar a vinda do Secretário de Estado do Ambiente ao Concelho de Nelas, para mais uma vez alertar e pressionar à resolução do Crime Ambiental grave existente neste Concelho, com a poluição da Ribeira da Pantanha. 
Entregamos também, mais uma vez, a queixa por dano ambiental, efetuada pela AZU, a qual já foi remetida em Julho de 2013 às entidades portuguesas e ao Comissário Europeu do Ambiente. As autoridades portuguesas, Secretaria de Estado do Ambiente e APA, limitaram-se a tomar nota da ocorrência, dizendo inclusive a APA, que no domínio dos seus procedimentos de fiscalização verificou estar tudo bem. 
A Ribeira da Pantanha, afluente do Rio Mondego, encontra-se com descargas poluentes graves, causadas pela Empresa Sueca Borgstena, desde 2008, estando como é óbvio a poluir o Rio Mondego, com graves consequências.
A poluição da Ribeira da Pantanha, contaminada por efluentes industriais da empresa Borgstena, inutilizou o trabalho de despoluição e recuperação feito no âmbito do projeto de recuperação ambiental da Urgeiriça,onde se gastaram cerca de 10 milhões de euros e no caso concreto 2 milhões euros em Valinhos.
A AZU, ao longo dos últimos 6 anos, tem vindo a tratar este assunto junto do Ministério do Ambiente, que levantou processos de contra-ordenação e aplicou coimas à Borgstena, sem que nada resultasse. 
Em face do avultado custo de uma ETAR, a Borgstena e a Câmara Municipal de Nelas acordaram partilhar responsabilidades na realização desse projeto, ficando a empresa de fazer uma parte das obras necessárias na sua ETAR e a Autarquia a construção de um sistema para tratamento final dos efluentes industriais. Porém, a parte da Câmara Municipal de Nelas nunca avançou com eficácia, atualmente a Ribeira continua a ser alvo do mesmo tipo de poluição, sem que seja encontrada solução. 
Porque o ambiente não pode continuar com esta agressão, porque a luta em torno das minas abandonadas, onde se investiram milhares de euros públicos do Estado e ainda Comparticipação Comunitária na despoluição das mesmas, se vê posta em causa, continuando a montante, a situação da Zona Industrial do Pisco, sem ver resolvidos os problemas nos seus efluentes industriais. Porque a população e os agentes locais assim o exigem, a AZU,vem mais uma vez interceder junto do Secretário de Estado do Ambiente, para que atue no sentido da resolução desta Situação inadmissível face ao grave crime para o ambiente que está ser cometido, e face aos danos ambientais que persistem em continuar, nomeadamente a afectação da flora, fauna, agricultura e ainda os cursos de água, com especial ênfase para o rio Mondego onde vai desaguar . Tudo isto com o conhecimento também da Secretaria de Estado do Ambiente e APA.