Simplesmente a NATUREZA no seu máximo esplendor

– Uma viagem pela Amazónia PARAENSE no mundo da água 

Ainda do avião deparamo-nos com uma sensação inusitada. É muito difícil ter-se a dimensão real ou imaginar-se em escala no meio de um rio em plena Amazónia. É um mundo de água e mato que cria uma das regiões de natureza mais exuberantes do mundo. Sobrevoando a imensidão é possível avistar logo um belo espetáculo da natureza: o encontro das águas esverdeadas do rio Tapajós com as águas barrentas do rio Amazonas. Os rios correm paralelos por aproximadamente quatro quilómetros, sem que as suas águas se misturem. Em seguida avistamos uma paisagem de praias de água doce que deixam à mostra as areias brancas e finas. Estamos na presença da maior bacia hidrográfica fluvial do mundo.

Alter do Chão é uma praia encantadora que se transforma num concorrido balneário quando as águas do rio Tapajós baixam e deixam à vista o maravilhoso cenário conhecido como Ilha do Amor. Calor que gruda na pele, aguas mornas e cristalinas, praias de areia macia. Os barquinhos de madeira e as barracas cobertas de sapê conferem detalhes à paisagem que mais parecem fazer parte de uma obra de arte.  Um lugar onde o ritmo da vida é uma atração à parte. Relaxar, apreciar as delícias da culinária local à base de peixes e frutas regionais, e ainda embarcar nas canoas dos nativos para atravessar o Tapajós em busca dos mais inusitados espetáculos da natureza, são atrativos únicos.
De uma margem do rio não se vê a outra – um efeito tão impressionante que os primeiros navegadores europeus, provavam das águas para ter certeza de que não eram salgadas. Aliás, não é de hoje que a região tem seus pés fincados na Europa, mais precisamente em Portugal. Santarém, Alter do Chão, Alenquer, Almeirim, Óbidos e Viseu, entre outras, são cidades do Pará, o Estado brasileiro com maior número de cidades com o mesmo nome de cidades portuguesas. Na maioria dos casos, significa que os seus fundadores seriam originários da localidade portuguesa homónima. Em Alter do Chão os antigos habitantes da região, os índios Boraris, organizavam rituais de boas-vindas aos colonizadores portugueses. A tradição que perdura há mais de 300 anos tornou-se uma festa conhecida como Sairé, que mistura manifestações religiosas e apresentações folclóricas. O evento acontece anualmente em Setembro, uma época ótima para visitar Alter do Chão.