Alexandra Pinto esclarece que nada tem a receber a título de honorários da Câmara de Nelas e nega “quaisquer privilégios” na sua contratação

A advogada por nós citada no artigo relativo às contratações
de advogados, esclareceu-nos que iniciou a sua 
prestação de serviços na autarquia de Nelas em 2006, através de um
programa de estágios denominado PEPAL, lançado por concurso público, em que a
entrevista pessoal era um dos critérios, com vista a ocupar a função de
jurista, que ocupou durante os 12 meses de duração do respectivo estágio.

Após o final desse Estágio , decidiu a autarquia de Nelas,
atendendo ao volume de processos de contra ordenação que se encontravam
pendentes, transitados do executivo anterior, contratar Alexandra Pinto  em regime de avença, para dar andamento aos
referidos processos “uma vez que alguns já se encontravam prescritos, sem
que houvesse decisão, uma das situações alertadas aquando da inspecção da DGAL
à CMN, logo após a tomada de posse do executivo de Isaura Pedro”,
adiantou-nos.

Tal contrato de avença foi sendo renovado anualmente,sendo
levado a reunião de Câmara para aprovação e devidamente fundamentado, tendo em
conta a necessidade do trabalho prestado.

Ou seja, a sua contratação foi apenas feita “com base no
profissionalismo e dada a necessidade da autarquia”, como nos referiu.
Alexandra Pinto aproveita ainda para informar que a autarquia liquidou todos os
valores referentes a esse contrato de avença, ou seja que nada tem a receber da
Câmara Municipal de Nelas.